Arquivos da Categoria: Social

Com o final das Olimpíadas no Rio de Janeiro, agora o foco é o Japão

img-20161013-wa0010O Japão é um país-arquipélago localizado na Ásia Oriental escolhido para sediar os próximos Jogos Olímpicos. No entanto, gostar de peixe cru não é a única grande diferença cultural japonesa perante o Brasil. Conhecido por sua cultura colorida e extravagante retratada nos animes, o Japão tem mais alguns outros costumes que podem ser bastante diferentes para os brasileiros.

De acordo com Nicole Yamashita, uma nipo-brasileira de 12 anos, filha de descendentes japonês, para ela, a principal diferença entre Brasil e Japão, é a forma de tratamento entre as pessoas “Quando as pessoas acabam de se conhecer, elas dizem ‘Yoroshiku’, que na tradução para o português, significa ‘Por favor, seja bom para mim’, ao invés de dizer apenas ‘prazer em conhecer’”, conta Nicole. Segundo a pré-adolescente, é uma forma muito bonita de receber alguém em sua vida.

Além disso, ainda de acordo com Nicole, os japoneses não desejam “boa sorte” quando alguém está prestes a realizar algo importante “Eles dizem ‘Gambatte’, que significa ‘faça o seu melhor’”, “se esforce”diz. A saudação através da reverência – no lugar do aperto de mão, quando agradecem e principalmente em um pedido de desculpas – também é um hábito japonês.

Nicole lista mais alguns costumes japoneses que são bem diferentes dos brasileiros:

1.Os japoneses andam pelo lado esquerdo da rua;

2.Não se entra nas casas ou alguns estabelecimentos – como hospitais – utilizando sapatos. Ao invés disso, utilizam-se sapatilhas chamadas de kinkai. Os japoneses são muito limpos e organizados e não permitem que a sujeira da rua seja levada para dentro de casa;

3.Na cultura japonesa, quem paga a conta nos restaurantes é sempre a mulher. Isso porque são as mulheres que administram as finanças da família;

4.Os alunos que fazem a limpeza das escolas;

5.Fazer barulho ao tomar uma sopa é sinal de respeito. Mostra que você está gostando do prato;

6.Segundo Nicole, um outro exemplo de tratamento japonês é, antes de comerem, os japoneses dizem “Itadakimasu”, que é uma forma de agradecimento às plantas e animais que deram suas vidas para a refeição que estão prestes a comer.

Embora alguns desses hábitos pareçam diferentes e estranhos, os brasileiros certamente tem muito o que aprender com os japoneses. Não é a toa que, mesmo para um país tão pequeno, a economia japonesa é a terceira maior do mundo. Arigatou!

Anúncios

O Camarão, restaurante do técnico Renê Simões, inaugura com atração inovadora

o-camarao-iiCom mais de 20 anos de experiência no mercado, O Camarão irá inaugurar mais um restaurante neste mês de setembro. Localizado em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, a inauguração começará no dia 05/10, com uma festa VIP para convidados, e abrirá as portas para o público, no dia 06/10. A rede, comandada pelos irmãos Roberto e René Simões, técnico de futebol, inaugura a primeira sede do restaurante na Baixada Fluminense, após 20 anos da sua tradição em gastronomia.

Foram convidados de Willian Arão e Márcio Araújo, jogadores do Flamengo; jogadores do Botafogo, como Renan Fonseca e Rodrigo Pimpão, e seu técnico, Ricardo Gomes; além e de Jorginho, treinador do Vasco. Além do cantor Jorge Vercilo, e o apresentador do programa “Os Donos da Bola”, Edilson Silva.

Nessa nova era do restaurante O Camarão, a empresa conta com a novidade inovadora, já utilizada em muitos restaurantes no exterior, a projeção em 3D na mesa, também conhecida como 3D mapping. Iniciado na Bélgica, cujas imagens mostravam um mini-chef preparando um prato especial, o projeto para O Camarão foi desenvolvido pelo desenhista e diretor de arte, Reinaldo Waisman. Conhecido pelos cenários e personagens icônicos do programa infantil “Xou da Xuxa” e por ter inspirado Mauricio de Souza a criar o personagem “Anjinho”, o artista desenvolveu uma forma muito divertida de entreter os clientes, enquanto esperam seus pratos ficarem prontos “Esse projeto em 3D é inovador no país e será uma forma diferente e bem humorada, de mostrar para o cliente que estamos interessados em fazer sempre o melhor, proporcionando uma experiência nos cinco sentidos e um sabor memorável ”, promete René Simões.

No dia 06/10, quando recebe seu público, e também durante todo o mês de setembro, O Camarão distribuirá brindes e fará um sorteio “O público vai concorrer no dia da inauguração à diversos prêmios surpresas. O restaurante também vai disponibilizar alguns cupons de drinks, válidos apenas para a primeira semana. Os cupons podem ser retirados pelo site”, comenta Emerson Mendonça, administrador do restaurante. Por todo o mês de setembro, O Camarão também manterá uma mesa exclusiva, para seis pessoas, onde será projetado as imagens divertidas do 3D mapping. O cliente deverá fazer uma reserva da mesa com antecedência.

O novo restaurante O Camarão fica localizado no Shopping Nova Iguaçu, na Avenida Abílio Augusto Távora, 1111, Luz, Nova Iguaçu – RJ.

Memórias vivas

imagem_release_460116Sabe aqueles momentos que você gostaria que nunca tivessem acabado, ou deseja que pudesse reviver? Quando seu filho deu os primeiros passos, falou as primeiras palavras, quando foram para a praia pela primeira vez, os mimos dos tios ou dos avós, enfim, inúmeras memórias inesquecíveis. Você pode registrá-las e guardá-las consigo, para que, quando as crianças crescerem, possam relembrar tudo que viveram.

Fazer registros fotográficos pode parecer uma perda de tempo, mas é de grande importância, principalmente para ensinar os pequenos a valorizar a história da família, as tradições e memórias que fazem parte do seu crescimento como filho e como pessoa. Uma ideia para envolvê-los no processo é fazer álbuns temáticos, handmade, em que eles possam ser criativos e apreciar um pouco mais os momentos em família. Outra dica é envolvê-los na escolha do tema do ensaio, das roupas, das atividades que serão fotografadas.

É triste pensar que tais recordações possam cair no esquecimento, se perder em meio à correria e às atividades do dia a dia. Porém, se registrados por fotografias, podem durar por toda vida. A fotógrafa Amanda Costa, atuante na cidade do Rio de Janeiro, é especializada em registrar fotos do estilo lifestyle e descobriu que por meio desses registros poderia contar a história de uma família.

Formada, inicialmente, em Direito, apaixonada por arte e fotografia, largou a carreira jurídica para se dedicar à sua paixão. Estudou fotografia no Brasil e Estados Unidos, é membro do National Association of Professional Child Photographers (NAPCP), além de ministrar um workshop e um curso online para fotógrafos de família desenvolverem suas habilidades. Ela registra fotos familiares, de casamentos, de casais e de gestantes. “Onde houver cor, luz e uma possibilidade de criar cenários, momentos e histórias mágicas, eu quero estar. De preferência, com uma câmera na mão”, conclui Amanda.

Serviço: Amanda Costa

Fotógrafa de Família

http://www.amandacosta.com

Dia do Homem

imagem_release_458062Homem também é uma pessoa frágil. Ele tem seus conflitos internos. Também se sentem perdidos em seus pensamentos e suas atitudes.
O homem é pré-determinado desde que nasce.  Nas cores que veste ao nascer, no comportamento que precisa cumprir,  para ser visto como um verdadeiro homem.
É comum que seja ressaltado o comportamento de agressividade, atos de coragem, ter iniciativa, ser protetor, liderança nata, sucesso profissional,… Ufa!!!…. Ser homem não é uma tarefa fácil.
Como o homem pode demonstrar seus sentimentos, ser amável, se há tantas crenças que envolvem o papel de um homem autêntico?
Ser homem é mais do que isso. É lutar, é desbravar caminhos. Mas é proteger,  dar carinho, aconchegar, não brigar, é desejar muito ter Paz e Ser Feliz.
Ser feliz, principalmente, com sua mulher. A mais desejada, a mais admirada e a mais Amada. Ter uma mulher ao seu lado, é tudo que o homem deseja.
O olhar de admiração de sua mulher, é fundamental para a vida de um homem.
Ao contrário que a mulher pensa, o homem quer ser desejado. Não quer estar no domínio, o tempo todo. Mas o homem quer conquistar. O homem quer ser o mais interessante e importante para sua mulher.
Hoje, o homem, quer uma companheira ao seu lado. A mulher que é independente, ele está aprendendo a viver, sem competições. Mas não quer ser deixado de lado.
O homem quer aprender a mostrar seus sentimentos, quer ter mais participação na família, quer ser envolvido pela sua mulher em fantasias e romances, quer mais momentos a dois.
Neste dia do homem, aproveite para resgatar homem em novos momentos de prazer, para as alegrias do dia a dia.
Não fale de problemas,  mostre sua admiração e valorize no que ele faz de melhor. Ressalte a melhor qualidade dele.
E claro, não esqueça do melhor presente…. Que é Você!! Divirtam-se.

Feliz dia do homem!!!

Serviço: Carla Ribeiro

Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem

E-mail:  caribeiro.psi@gmail.com

Celular: 21 9.9908-1834

Endereço: Av. Nelson Cardoso, 1149 – sala 1213, Taquara, Jacarepaguá – Rio de Janeiro/RJ.

Currículo: a porta de entrada na empresa

imagem_release_445962Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas pensam, normalmente, no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional, que é feita, primeiramente, através do currículo.

Para muitos, o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel, e o que o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. “O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você”, afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

A Coach orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. “Nome, idade e endereço, bem como os contatos, são essenciais, mas não pode-se parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos (como de idiomas ou de outras habilidades) também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações, experiências profissionais e cases de sucesso, não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial”, explica.

A profissional diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. “Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, nada de pânico: esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante”, observa.

A profissional finaliza, lembrando que o currículo é como um cartão de visitas para aqueles que não foram contratados ainda. “Existem milhares de modelos de currículos na Internet. Procure aquele que encaixe melhor com seu momento profissional, e não esqueça de mostrar seus diferenciais”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Fazer maratonas de seriados pode distorcer a realidade

imagem_release_450904O episódio final de Game Of Thrones, a aclamada série da emissora HBO, que mistura fantasia e realidade, levou o mundo à loucura. O último episódio da quinta temporada do seriado, que foi ao ar no dia 12 de junho, teve 8,1 milhões de espectadores, segundo o instituto de pesquisa Nielsen, localizada nos Estados Unidos. A série, que possui fãs espalhados no mundo todo, causou comoção nas redes sociais, e teve matérias publicadas sobre sua última transmissão do ano durante dias.

A verdade é que nem todos os seriados dão certo, não ultrapassando do primeiro episódio ou, até mesmo, sendo cancelados depois de várias temporadas, pois, por mais que os membros da Indústria Cultural tentem, nem sempre é possível prever o que fará ou não sucesso. Porém, quando uma pessoa se sente cativada por um seriado e seus personagens, ela passa a esperar ansiosamente pelo desenrolar daquilo, criando expectativas e se frustrando, por diversas vezes.

Apesar de não haver problema em gostar de um seriado, tudo que é feito de forma exagerada pode ser perigoso. De acordo com o e psicólogo e Co-CEO do Instituto Internacional Japonês de Coaching, João Alexandre Borba, as pessoas podem se desgastar tanto de maneira emocional quanto física ao fazer “maratonas” de seriados. “Os serviços de streaming, como Netflix e Now, por exemplo, por vezes liberam uma temporada inteira de uma série de uma vez só, o que permite que as pessoas assistam em um dia, se quiserem. Isso não é saudável, pois o expectador pode passar intervalos de tempo enormes vendo, e esquecer da sua realidade. Já tive um caso de um cliente que ao chegar sexta-feira, ficava em casa até domingo de noite assistindo séries, sem interagir com mais ninguém.”, afirma.

Borba explica que uma pessoa pode se sentir fisicamente desgastada por assistir uma série com muita ação, por exemplo. “O mesmo acontece com séries ou filmes românticos. A pessoa, por assistir inúmeros casais se apaixonando e vivendo felizes para sempre, começa a suprir falsamente sua necessidade de carinho e atenção através da ficção. Porém, essa sensação é superficial, fazendo com que ela continue a assistir de maneira repetitiva, muitas vezes compulsiva, para continuar preenchendo esse vazio”, esclarece.

O psicólogo finaliza, pontuando que, ao acompanhar uma série, é criada uma falsa sensação de lealdade, em que a pessoa se sente parte do enredo e da vida da personagem. “É importante observar que assistir séries e gostar delas não é problema nenhum. Entretanto, isso deve ser feito de maneira moderada, evitando fazer maratonas de episódios, já que isso também pode indicar depressão e solidão”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Psicólogo e Co-CEO do Instituto Internacional Japonês de Coaching

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

A felicidade no trabalho existe?

imagem_release_445946No imaginário popular, o trabalho é tratado como algo penoso,que perdurará por sua vida toda, e que as pessoas acabam se acomodando em uma empresa onde não são felizes, apenas por estabilidade financeira.

Esse estigma de que o trabalho apenas serve para ganhar dinheiro deve ser acabado, pois, já que as pessoas passam boa parte das suas vidas trabalhando, deve-se procurar uma função que traga felicidade e, ao mesmo tempo, um bom sustento.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, a busca pela felicidade profissional é válida, apesar de não ser fácil. “O seu trabalho não pode ser tratado como algo negativo, onde você se sente preso e insatisfeito. Pelo contrário, o ideal é que você se sinta motivado para trabalhar, goste das suas funções e, claro, ainda esteja satisfeito com seu salário. Nenhum local de trabalho será 100% ideal, pois em qualquer lugar existirão falhas (um colega inconveniente, você poderia ganhar mais, não existe plano de saúde, etc), mas a pessoa deve sempre buscar sentir prazer pelo que faz”, explica.

A profissional afirma que a busca por uma vida material mais humana pode ser desenvolvida através do trabalho, desde que este seja realizado de maneira agradável. “Para uma pessoa se sentir feliz dentro do ambiente de trabalho, normalmente, considera-se cinco importantes fatores. O primeiro é o ambiente, que deve ser motivador e inspirador; imersão é o segundo fator, que é quando a pessoa se sente engajada e motivada para trabalhar. Reconhecimento, terceiro ponto, é quando há uma remuneração justa, além da consideração dentro do ambiente profissional. Os últimos dois fatores, equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, compõe o quadro que deixa a vida de qualquer pessoa mais satisfatória”, elabora.

Madalena finaliza, dizendo que, ao mesmo passo em que o profissional deve buscar ser feliz no ambiente de trabalho, é função dos superiores tornar esse ambiente agradável para todos. “Quando os colaboradores estão felizes, a empresa funciona melhor, gerando mais resultados para a empresa”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Aprenda a dizer não

imagem_release_439030No dia a dia, é comum que as pessoas esqueçam dos seus próprios desejos para atender as vontades dos outros, principalmente pela correria diária presente na sociedade. É normal que pais e mães deixem de fazer uma coisa ou outra para atender seus filhos, assim como, na empresa, as vezes é preciso parar alguma atividade para fazer algo para seu chefe. O problema surge quando as pessoas perdem sua própria autonomia, e não conseguem dizer não para os outros, esquecendo-se de si próprios.

O ato de dizer não parece fácil para muitas pessoas, mas, para outras, é um verdadeiro desafio. De acordo com especialistas, a característica de falar não surge ainda na infância, lá pelo 15º mês de vida, quando o bebê começa a buscar sua independência da mãe. Ao falar não, especialmente nessa fase entre um e dois anos de idade, a criança procura se emancipar, ainda que de maneira limitada, da figura materna. É nesse momento em que, sutilmente, se descobre a figura do “eu”.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, quando uma pessoa diz não para algo, ela, na verdade, está, ao mesmo tempo, dizendo sim para si mesmo. “Se uma pessoa lhe encoraja a beber, mas você não está sentindo vontade e recusa, você, ao mesmo tempo, está dizendo sim à sua autonomia, respeitando a si mesmo”, explica.

O profissional fala que, ao aprender a dizer não, a pessoa evita ser vítima de quem sabe dizer sim. “Se o indivíduo não souber se posicionar dentro do ambiente de trabalho, por exemplo, os colegas sempre passarão por cima dele, por serem mais autoritários e assertivos. Isso pode causar estresse, levando a pessoa a se sentir sobrecarregada, quando não há necessidade para isso”, comenta.

Quando as pessoas começam a dizer sim para si mesmas, é possível que aja uma reestruturação do próprio indivíduo. “A partir do momento em que a pessoa toma as rédeas de sua vida e começa a valorizar seus próprios gostos, preferências e sentimentos, ela consegue aprender a dizer não para os outros, e se reestruturar internamente. No fundo, não se trata de aprender a dizer não, mas a valorizar o próprio ‘sim”, conclui Borba.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Você tem uma carreira ou um emprego?

imagem_release_435246Algumas pessoas têm empregos. Já outras, e essas são, geralmente, mais realizadas com suas vidas, têm carreiras. A diferença entre um e outro não é tão sutil quanto se pode pensar: o primeiro é apenas uma fonte de renda, que você usa apenas para pagar as contas, mesmo não estando satisfeito com sua função, o segundo é uma realização, algo por que você lutou e luta muito para que se torne realidade, e que envolve dedicação, estudo e muita, mas muita competência.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, muitas pessoas se acomodam ao encontrar um emprego que supre suas necessidades financeiras, mesmo que ele não lhe dê tanta satisfação, e deixam suas carreiras para trás. “A carreira- uma série de empregos que culmina em uma realização maior- é, infelizmente, perseguida por todos. O que acontece é que muitos profissionais que possuem uma grande capacidade acabam por se acomodarem em uma empresa onde não são felizes, e só estão lá para cumprir horário e pagar as contas”, observa a profissional.

Entretanto, de acordo com o que explica a coach, as pessoas só percebem que possuem um emprego depois de muito tempo. “Quando você para de se sentir desafiado, e é recompensado por fazer nada além do que te pediram, tenha certeza: você está em um emprego, não uma carreira”, conta.

Madalena explica que diversos são os fatores que fazem com que uma pessoa se acomode: crises financeiras, problemas pessoais, etc., mas que, mesmo assim, não se pode abandonar seus sonhos de ter uma carreira próspera e satisfatória, por mais que a situação não esteja boa, em determinado momento. “Agarrar-se à sua vocação profissional é muito importante, pois, por meio dela, as pessoas podem se realizar, e, com isso, executar um trabalho muito melhor, já que, quando gostamos de algo, nos empenhamos muito mais”, lembra a coach.

Ela finaliza, propondo uma reflexão para todos: você é feliz tendo apenas um emprego? O que aconteceu com seus sonhos de construir uma bela carreira, da qual você poderia se orgulhar? Afinal, você tem uma carreira ou um emprego?

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Por que é tão difícil obter os benefícios do INSS?

imagem_release_443318Em teoria, o INSS é o órgão procurado quando algum brasileiro, que contribuiu durante anos no país, vai em busca da sua aposentadoria, pensão, ou algum outro benefício- como o auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez.

Entretanto, não é tão simples quanto parece obter este benefício. Para muitas pessoas, conseguir garantir este direito torna-se uma batalha, que pode durar muitos anos. Segundo Tiago Kidricki, advogado especializado no setor previdenciário, para receber o auxílio-doença, por exemplo, não basta portar uma doença. “Esta condição deve poder deixar o contribuinte incapacitado para trabalhar em sua atividade habitual por, pelo menos, 15 dias consecutivos, segundo o artigo 59 da Lei 8.213/1991”, explica.

Já a aposentadoria por invalidez, por outro lado, é aceita quando o segurado for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta subsistência. “Exemplifico, para que seja mais fácil compreensão: se uma segurada tem como atividade habitual ser massagista, e ela desenvolve uma doença que faz com que ela tenha que parar de trabalhar, ela pode requerer o auxílio-doença, se as dores perdurarem por mais de 15 dias. Já se não houver possibilidade de recuperação, e ela não exercer outra atividade, ela pode requerer a aposentadoria por invalidez”, afirma o profissional.

Kidricki ressalta que tanto o auxílio-doença quanto a aposentadoria por invalidez podem decorrer de algum acidente, desde que se encaixem nos termos citados. “Mesmo o direito dos brasileiros ser assegurado por lei, muitos não o conseguem, pois o INSS exige que os contribuintes levem provas materiais de que eles possuem a doença, qual sua renda, quais são suas limitações, etc. Tudo isso leva tempo, e já houveram casos de trabalhadores que esperaram por mais de 10 anos para obter seu benefício”, observa.

Ele, que faz parte do Kidricki e Sousa Advogados Associados, escritório de Porto Alegre, finaliza, lembrando que, apesar das dificuldades, sempre é possível lutar para garantir seus direitos. “Quem tiver algum desses pedidos negados pode recorrer de duas maneiras: recorrer administrativamente à autarquia ou entrar na Justiça. Sempre recomendo que as pessoas procurem um advogado de confiança, pois, deste modo, é maior garantia de que seus direitos serão atendidos de uma maneira justa, e em um tempo mais curto”, conclui.

Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Tiago Beck Kidricki OAB/RS n. 58.280

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre.

Fone: 30283443

www.ksadvogados.com.br

Quem você vai querer ser daqui uma década?

imagem_release_435235Todos os dias, as pessoas são bombardeadas com informações sobre novas tecnologias, novas formas de se fazer negócios e novos nichos mercadológicos, entre outras coisas. Se, há 10 anos atrás, muitas pessoas não tinham celulares, e hoje ninguém sai de aplicativos como WhatsApp, Facebook e Instagram, tudo por culpa da popularização do smartphone e da Internet móvel, imagine como estará a sociedade daqui 10 anos, quando tudo estiver mudado?

De acordo com o que conta Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, o mundo está vivenciando uma transformação incrível, em uma velocidade nunca antes vista. “Até fecharmos mais uma década, ou seja, em 2025, muita coisa acontecerá, mudando a forma como enxergamos o mundo”, comenta.

Ela afirma que o impacto da tecnologia no trabalho será muito maior do que já é hoje, pois o mundo estará mais globalizado. “O que sabíamos fazer antes não terá utilidade alguma daqui 10 anos, e diversas outras habilidades serão exigidas dos profissionais. Claro, não temos como prever de antemão o que acontecerá, mas é possível se manter (ou, pelo menos, tentar) no mesmo ritmo das mudanças no mundo corporativo”, pontua.

A coach explica que para o profissional de hoje ainda ser bem sucedido e colocado no mercado de trabalho daqui 10 anos, é preciso se atualizar sempre. “Existem três atitudes que devem ser tomadas hoje (e sempre) pelos profissionais que se destacarão no futuro. A primeira é ter uma capacidade constante de inovar, para entregar resultados diferenciados. A segunda é não ter medo de arriscar, pois isso permite que as pessoas fiquem em uma zona de segurança, e buscar desafios será visto com bons olhos, futuramente. Além disso, a pessoa precisa ter o desejo de aprender e se aprimorar constantemente, tendo em mente que o que se sabe nunca é o suficiente”, esclarece.

Madalena finaliza, lembrando que o profissional que muda junto com o mundo tem maiores chances de se manter bem colocado e satisfeito, contrariamente a quem opta pela inércia e tem medo de tentar coisas novas.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

5 dicas para revolucionar sua empresa

90Todos os anos, milhares de pessoas abrem suas próprias empresas no Brasil e no mundo, seguindo suas vontade de se tornarem seus próprios chefes. Entretanto, a cada 100 empresas que são abertas no país, 48 encerram suas atividades em, no máximo, três anos.

Para ter um negócio bem sucedido, segundo Jonathan Souza, um dos fundadores da Agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, é preciso seguir algumas regras. “Neste mercado altamente competitivo, é preciso revolucionar a forma como as empresas se relacionam com os clientes e oferecem seus produtos, por exemplo”, afirma.

Souza oferece algumas dicas que prometem ajudar empresários a sobressaírem seus negócios, entregando resultados diferenciados para seus clientes. Confira:

1.   Conheça seu consumidor

Parece simples, mas muitos ignoram que conhecer quem está comprando seu produto ou desfrutando do seu serviço merece toda a sua atenção. Perceba a maneira com que eles compram, quais produtos que eles gostam mais e quanto eles gastam. Dessa forma, você poderá agradar de uma forma mais eficiente os seus clientes;

2.   Adapte-se aos novos públicos

Os consumidores querem empresas que oferecem liberdade e conveniência. Procure encontrar um meio termo que una ambas essas características, tentando atender uma demanda diferente da tradicional, ou seja: entrando em contato com clientes novos;

3.   Esteja online

“Estar online” não é só possuir um site com uma sessão “fale conosco”. As mídias digitais, como o Facebook, estão se mostrando cada vez mais essenciais para empresas que querem ter liderança de mercado, tanto no Brasil como no mundo. Mas não pense nem por um segundo em deixar seu site, blog ou fan page parado: para que o cliente se identifique com a marca, é preciso que a empresa sempre poste conteúdo relevante, que agrade o cliente, tornando-se parte do seu dia a dia;

4.   Pense no amanhã

Claro que todos pensam no futuro, mas você já parou para imaginar como será o amanhã da sua empresa? Esse exercício permite que os empresários pensem em diversos cenários possíveis, o que leva a reflexões sobre como sair de crises, inovar ou se destacar de maneira diferenciada, por exemplo, gerando um brain-storming que expande o conhecimento sobre seu próprio negócio;

5.   Seja flexível

As novas gerações tendem a pensar muito no equilíbrio entre a vida profissional e o trabalho, e a possibilidade de ter essa flexibilidade influencia muito na hora de contratar uma empresa para fazer determinado serviço, por exemplo.

Além disso, oferecer essa flexibilidade de horários aos seus colaboradores também é uma forma de manter um ambiente de trabalho mais feliz e produtivo.

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

O lado positivo da desorganização

89Muitas pessoas tendem a acreditar que quem é mais organizado é bem sucedido, ao passo que quem não consegue manter as coisas no lugar são criticadas. Porém, não manter a mesa ou o armário constantemente organizados não é tão ruim quanto parece, pois, segundo pesquisas, pessoas desorganizadas são mais criativas.

De acordo com um estudo realizado em 2013 pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, pessoas que possuem quartos, escritórios e mesas bagunçadas possuem a tendência de serem mais inventivas do que quem tem mania de deixar tudo impecavelmente organizado. Não se trata, nesse caso, de deixar a higiene de lado, permitindo que o lixo se acumule, por exemplo, mas, sim, deixando a já conhecida “bagunça organizada” acumular, que pode ser bem-vinda para muitas pessoas.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, sinais de que a pessoa lida bem com a bagunça organizada podem ser percebidos facilmente no dia a dia de cada um. “Por exemplo, se a sua mesa for bagunçada, mas você ainda tiver total controle sobre ela, pode indicar que seu nível criativo é elevado. A criatividade pode ser notada, também, em casos em que a pessoa mais desorganizada é a mais metódica”, observa.

O profissional lembra que ambientes desorganizados podem estimular a criatividade, pois faz a pessoa pensar fora das linhas de raciocínio tradicional. “Personalidades influentes, e que causaram um grande impacto no mundo, como Albert Einstein e Steve Jobs, por exemplo, eram conhecidas por não serem organizadas, e acredita-se que isso pôde influenciar na suas capacidades criativas”, explica.

Borba finaliza, lembrando que, para quem é desorganizado, encontrar um equilíbrio entre a desorganização e a urgência de limpeza é muito importante, para que seu local de trabalho ou descanso ainda possa ser saudável, ao mesmo tempo em que se mantém dentro do padrão de cada um.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

O amor próprio e o emagrecimento

5Todos os dias, as pessoas fazem julgamentos de valor. Elas julgam seus colegas de trabalho, a situação atual do país, as suas escolhas diárias, mas, principalmente, julgam a si mesmas. Entretanto, o julgamento que elas fazem de si mesmas não é sobre o curso de sua vida ou se ela deveria estar fazendo coisas melhores com seu tempo livre, por exemplo, mas, sim, sobre sua aparência.

Para quem julga estar acima do peso ou não ser bonita o suficiente, esses julgamentos podem ser um soco no estômago. Segundo Cintia Seabra, psicóloga e coach de emagrecimento que é referência nacional na área, as pessoas tendem a pensar, quando se olham no espelho, sobre o que os outros estão achando delas, e não sobre a sua imagem em relação a si mesmas. “As pessoas tendem a criar opiniões boas sobre os outros e ter opiniões degradantes sobre si mesmas. É preciso saber se amar mais, pois, quando nos amamos, permitimos que os outros nos amem, também”, afirma.

Ela lembra que não se pode querer emagrecer tendo em mente o que os outros pensam de nós, e, sim, ter o desejo de mudança para se agradar. “As vezes esquecemos disso, mas as pessoas que gostam da gente de verdade olham além da estética, por mais que, muitas vezes, nós mesmas façamos isso.  Pensar pouco de si mesma não ajuda em nada na sua vida, pois, por mais que as coisas não estejam boas hoje, amanhã elas podem estar ótimas, e sempre devemos almejar a mudança com a esperança de um futuro mais feliz”, explica.

Cintia, que já ajudou milhares de brasileiros a emagrecer com seu programa de emagrecimento online, O Segredo do Emagrecimento em oito Semanas, pontua que as pessoas são muito maiores do que a imagem que é refletida no espelho, e, por isso, o desejo de mudar e perder peso deve vir de dentro, por vontade própria de se sentir mais feliz consigo mesma.

A coach finaliza, observando que, para se motivar para emagrecer, a pessoa em questão deve sempre procurar pensar no que o emagrecimento trará de bom na sua vida, no sentido de se sentir bem consigo mesma. “Se livre do peso do seu julgamento e da sua opinião negativa sobre si própria, e faça suas escolhas visando a sua própria felicidade, e não a dos outros”, conclui.

Saiba mais no vídeo: www.youtube.com/watch?v=EoMtx3x5eD0Serviço

Cintia Seabra

Master Coach  e ​​Psicóloga Clínica

cintia@osegredodoemagrecimento.com.br

www.osegredodoemagrecimento.com.br

Terapia, sinônimo de saúde

imagem_release_436434Mesmo em pleno século XXI, muitas pessoas, talvez influenciadas pelo modo como a mídia (filmes, televisão, etc) trata o tema, entendem que apenas pessoas que não estão normais fazem terapia. Ou seja, no imaginário popular, apenas os loucos e desequilibrados precisam de ajuda profissional.

Na verdade, segundo especialistas, não existe nada de errado em alguém querer ou precisar de ajuda. Com tantas pressões e angústias que a vida cotidiana pode trazer, o ato de procurar uma terapia é completamente saudável. A verdade é que saúde mental é algo que poucos entendem ou sentem compaixão sobre, já que, segundo pesquisas, 25% de pessoas com doenças mentais acreditam que os outros sentem compaixão por elas. Muitas pessoas, que não se aprofundam ou se interessam pelo assunto, acreditam que as doenças mentais são algo que está “dentro da cabeça do indivíduo”, e que ele deveria se livrar delas sozinho.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, o “pouco caso” com doenças mentais não é apenas uma questão social, pois esse estigma é uma barreira que impede as pessoas de buscarem tratamentos adequados. “É tão comum que as pessoas vão ao médico ao menor sinal de gripe, então por que não ir ao psicólogo para cuidar da sua parte emocional? Afinal, ela é tão importante quanto a parte física, para o bom funcionamento do seu corpo”, afirma.

Ele observa que grande parte das pessoas que procuram ajuda psicológica não tem doenças mentais sérias, mas, sim, estão enfrentando alguma dificuldade ou transição nas suas vidas, e precisam de um apoio maior nesses momentos. “Muitas vezes, na verdade, a pessoa só quer alguém que a escute sem fazer juízos de valor e que a possa aconselhar quando necessário”, comenta.

Borba finaliza, explicando que fazer terapia pode ser benéfico para seu bem-estar, dando uma nova perspectiva para a sua realidade, seus problemas, seus relacionamentos, etc. “Muitos pensam que a ajuda psicológica é para sempre, mas não é bem assim. Apesar de certas terapias serem, realmente, de longo prazo, o objetivo principal desse processo será o da sua melhora pessoal, mudando o jeito como você encara seus problemas, e trabalhando para que sua vida se estabilize”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Síndrome de Solomon: você tem?

18A Síndrome de Solomon foi desenvolvida pelo psicólogo americano Solomon Asch, e, para comprová-la, fez testes com 123 voluntários, em que avaliou a influência que a opinião dos outros tem sobre o que o indivíduo pensa.

Na prova, o psicólogo mostrou três linhas diferentes, adicionando uma quarta a elas, e os voluntários precisavam dizer quais das linhas eram iguais às desenhadas ao lado. Os alunos que davam sua opinião antes (e que sabiam qual era a resposta correta) induziam a última vítima ao erro, e, no total, 75% das cobaias responderam incorretamente para não ir contra ao que dizia a maioria.

O que Solomon quis determinar com esse experimento, segundo o psicólogo e mastercoach João Alexandre Borba, é que os seres humanos estão muito condicionados em relação ao que os outros pensam sobre eles. “Podemos perceber a Síndrome de Solomon em nós mesmos quando tomamos decisões ou adotamos comportamentos para evitar nos sobressairmos, destacarmos ou nos diferenciarmos dentro de um determinado grupo social, ou, também, quando boicotamos nossos próprios pensamentos e vontades para seguir no mesmo fluxo da maioria. É muito importante que a nossa identidade sempre acompanhe nossas ações. Uma ação sem a presença forte do “eu”, sempre se torna facilmente influenciada”, explica.

Por vezes, de acordo com Borba, esse sentimento de não querer se destacar pode gerar inveja sobre quem não tem esse medo e não tenta seguir a opinião da maioria. “Superar a Síndrome de Solomon é necessário para que as pessoas possam desenvolver consciência crítica, e o começo disso é superando a obrigação de sempre acreditar e concordar com as opiniões alheias”, observa.

“É preciso compreender a futilidade que é deixar as opiniões dos outros influenciarem o modo como vivemos nossas vidas. Só porque uma grande maioria acredita que X é a verdade absolta, não significa que ela realmente é tudo isso que dizem, ou então que ela se aplica a sua vida. É importante manter o pensamento crítico e analítico constantemente. Sem o mesmo, nos tornamos marionetes não ‘mãos’ de opiniões alheias. Permita-se refletir sobre os mais variados temas, deixando sua mente livre para agir ”, finaliza o psicólogo.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Turismo Rural

Bom atendimento é garantia de satisfação

Coimagem_release_422363m a quantidade de opções mercadológicas que existem nos dias de hoje, a simples vontade ou necessidade de comprar um produto ou contratar um serviço não é mais o principal determinante na escolha de um cliente. Para conquistar a clientela, e ser a sua principal opção na hora da compra, é preciso se mostrar disposto a atendê-la da maneira correta.

O consumidor, além de qualidade e bom preço, também quer se sentir satisfeito na hora da compra, sentir que está sendo “bem cuidado” pelos vendedores. Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, faz diferença, na avaliação de quem está comprando, ter alguns elementos básicos atendidos por quem os atende. “A gentileza, principalmente, deve ser sempre visada e estimulada, por parte dos patrões, para seus funcionários. Ninguém gosta de ser mal tratado em lugar algum, o que dirá em um estabelecimento ou empresa em que se pretende gastar dinheiro”, afirma.

O profissional explica que é necessário, primeiramente, que haja um bom relacionamento entre os funcionários de diferentes equipes e setores, pois, se a empresa tiver um bom entrosamento, transmitirá simpatia, também, no atendimento. “Todos os colaboradores devem se esforçar e envolver na hora de receber, captar e fidelizar os clientes, para que eles sintam vontade de voltar”, conta.

Ele fala que o famoso ditado “não julgue um livro pela capa”, geralmente, é pouco lembrado nessas horas, pois, o primeiro atendimento em um empreendimento ou empresa pode ser crucial para a criação da imagem dele para o cliente. “Não se pode desconsiderar a opinião do freguês, seja em um atendimento via internet, telefone ou presencial. Uma boa ideia, que pode ser implementa pelos superiores, é pedir um feedback, dos clientes, para saber como os funcionários estão se saindo nesse setor, o que pode ser melhorado, etc”, diz.

Borba oferece algumas dicas para que um bom atendimento seja o “cartão de visita” da empresa ou empreendimento. “Ser simpático sempre, expondo seus produtos de maneira positiva, porém sem mentiras, é uma boa maneira de começar. Ligar ou mandar um e-mail para o cliente, para saber o que ele achou dos produtos e atendimento, indica preocupação com a satisfação”, sugere.

Ele ainda lembra que qualificar, sempre, a equipe, para que o atendimento seja sempre melhor, é uma forma de estimular os colaboradores, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa, na visão do cliente. “De maneira geral, tratar cada cliente como se fosse único tem grandes chances de fideliza-lo, e, promovendo a gentileza entre os funcionários e freguesia, faz com que o ambiente de trabalho se torne melhor”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Oratória é mais do que falar: é saber se expressar

imagem_release_424580Fazer uma boa palestra vai muito além de ter um discurso bem ensaiado e possuir um bom material de auxílio. Fazer uma boa palestra é a união de saber falar, se expressar por meio de gestos, criar uma ligação com a plateia, saber se portar em frente ao público, cuidando para não transparecer insegurança e medo e, como dito anteriormente, contar com um bom material de apoio, caso necessário.

Muito difícil? Não necessariamente. Existem treinamentos e atitudes que podem ser feitas a fim de transformar qualquer pessoa em uma boa oradora – basta saber a quem pedir auxílio e se esforçar para conquistar as metas traçadas.

Segundo Eraldo Melo, empresário e palestrante motivacional, dois itens que merecem bastante atenção na hora de apresentar um bom discurso são: postura e gesticulação. “Os gestos são o complemento da fala. É normal que ao falar as pessoas gesticulem de maneira natural – e é isso o que deve acontecer durante uma palestra: o orador deve fazer gestos quase automáticos, – aquele que não gesticula, torna sua palestra fria, inexpressiva e forçada, com muita ‘cara’ de ensaiada”, explica o empreendedor.

O gesto é uma forma de dar força as palavras que estão sendo ditas, seja por meio das mãos, dos braços, do movimento da cabeça, do olhar, etc. “Porém, o orador não deve se esquecer de que ao discursar, os gestos devem ser comedidos, sem exageros, na hora certa e com naturalidade”, diz.

Na hora certa? Sim. “O gesto deve preceder, vir antes da palavra ou acompanhá-la, nunca vir depois do que foi dito. Isso porque ao acontecer antes, ele prepara o efeito da palavra; se acompanhá-la, reforça a palavra; se for feito após a palavra, faz com que ela perca a força”, exalta o especialista.

No que diz respeito à postura, o orador deve evitar ser displicente, assim como seu olhar deve sempre percorrer todo o público, não se focando em apenas um expectador ou lado. “Durante a fala, o ideal é evitar as possíveis manias que possam existir como estalar os dedos, mexer na roupa, esfregar as mãos, bater palmas, etc.,” lembra Melo, que afirma que o orador deve sempre agir com espontaneidade – mas isso não significa que ele não deve ensaiar antes. “Para transmitir espontaneidade pro público, é preciso muito trabalho antecedendo a palestra. Só assim o orador poderá avaliar o que precisa ser mudado e concentrar-se em melhorar seus erros”, ressalta.

Para um discurso sair como o planejado e conquistar a plateia, o orador deve usar com maestria a fala, os gestos e a postura, lembrando-se sempre de não deixar as mãos imóveis e nem gesticulando de maneira exagerada. “A melhor atitude com relação aos próprios gestos é não prestar muita atenção neles – e sim deixar com que eles fluam com naturalidade. Já para evitar problemas na fala ou na postura, a dica é a mesma de sempre: treine anteriormente em voz alta, ficando cada vez mais seguro do que será dito. Isso transparecerá ao seu público – e a chance de você ser melhor entendido e avaliado é muito maior”, conclui o palestrante.

Serviço: Eraldo Melo

Ex Faxineiro, Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

Fone: (64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

5 dicas para se preparar para uma entrevista em vídeo

imagem_release_417539Com o advento da internet, muitas rotinas produtivas mudaram seu formato, afinal, tudo se tornou mais rápido e facil ao passo em que as tecnologias se desenvolveram. Agora, é possível que uma pessoa trabalhe de casa, usando seu computador pessoal, sendo que sua empresa se localiza do outro lado do mundo, tudo por causa desses avanços.

Junto as mudanças nos meios de produção, novas formas de entrevistar candidatos, por meios de chamadas de vídeo online, também têm se popularizado no mercado de trabalho. Entretanto, a preparação do candidato deve ser ainda mais rigorosa, segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers. “Fatores como conexão de internet e testes prévios são importantes, pois problemas técnicos geralmente não são bem vistos nessas situações, pois podem indicar despreparo”, conta.

A coach fez uma lista de cinco dicas para quem enfrentará uma entrevista via vídeo e deseja ter sucesso nela. Confira:

1.   Se atente ao ambiente:

Madalena adverte para locais com muitos barulhos paralelos, como crianças chorando, televisão em som alto e latidos, por exemplo. “Isso pode atrapalhar, e muito, a conversa do candidato. De preferência, fique em um ambiente isolado, e peça pela compreensão de todos, para que a entrevista possa ser tranquila”, comenta;

2.   Confira sua conexão

“Sempre bom reiterar, mas confira, com dias de antecedência, como está sua internet e a velocidade do seu computador, se ele está infectado por vírus, etc. Além, claro, de preparar uma iluminação e áudio adequados”, pontua a coach;

3.   Pontualidade

A diretora de projetos enfatiza que a pontualidade é um item fundamental para a entrevista. “Assim como um encontro presencial, a reunião via internet deve ser iniciada na hora correta”, diz;

4.   Se apresente bem

Não é só porque a entrevista é feita via vídeo que o candidato deve se descuidar com o vestiário e com o linguajar, pois tudo será minuciosamente julgado pelo contratante;

5.   Informações à mão

“O bom profissional está sempre previamente preparado, demonstrando que tem informações prévias sobre a empresa e vaga ofertada. Mostrar conhecimento e uma argumentação eficaz ajudam na avaliação de desempenho do candidato”, finaliza Madalena.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Saiba mais sobre a Síndrome do Pensamento Acelerado

imagem_release_419674No mundo em constante mudança e com o ritmo acelerado, é difícil afastar a mente dos problemas e obrigações diários, fazendo com que, mesmo nos momentos de descanso, as pessoas continuem com a cabeça cheia.

Com origem no ritmo alucinante das grandes cidades, overdoses diárias de informações e obrigações que afetam a saúde emocional, a Síndrome do Pensamento Acelerado é uma condição do mundo moderno, que acomete milhares de pessoas. Segundo especialistas, essa síndrome não é uma doença, mas, sim, um sintoma vinculado a um quadro de transtorno de ansiedade.

O psicólogo e master coach João Alexandre Borba explica que as pessoas mais vulneráveis a desenvolverem esse tipo de síndrome são aquelas avaliadas constantemente por causa de suas obrigações profissionais, não podendo se desligar delas por nem um segundo. ”Bons exemplos são médicos, jornalistas e executivos. A pressão profissional, juntamente ao excesso de informações às quais somos submetidos diariamente, que é considerado normal, atualmente, pode abalar o emocional de alguém”, afirma.

O profissional cita que os sintomas são a sensação de estar sendo esmagado pela rotina, a impressão de que as 24 horas por dia são insuficientes para o cumprimento de todas as tarefas, o sentimento de apreensão, falta de memória, déficit de atenção, irritabilidade e sono alterado. “O esgotamento mental é a principal descrição para a pessoa que sofre da SPA, transferindo o cansaço intelectual para o cansaço físico, o que faz com que o humor seja muito volátil, também. A tecnologia tem influência nesse quadro, pois é lotada de estímulos e informações que podem cansar a vista e o cérebro”, observa.

Borba conclui, falando que, para quem se identificou com os sintomas acima, é recomendado buscar ajuda profissional. “O melhor a se fazer é buscar um estilo de vida que permita fugas do estresse cotidiano, praticando atividades físicas e dedicando tempo ao lazer. Fazer pausas, retomar alguns hobbys e tentar fazer coisas sem nenhuma atividade simultânea”, finaliza.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Como não vitimizar seu filho

imagem_release_406037Algumas pessoas se fazem de vítima diante os problemas da vida. Estas pessoas, geralmente, não possuem o controle das suas emoções e ações, além de usarem qualquer coisa como desculpa para seus fracassos diários. Segundo estudos psicológicos, as pessoas se vitimizam para conseguir mais atenção, mostrando às pessoas com quem se relaciona que sua vida é ruim, na esperança que isso possa despertar alguma piedade e atenção por parte dos ouvintes

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, vítima é todo aquele que vive ressentido, e que perdeu o contato com sua força de vida original. “Esta força é a responsável por alavancar projetos, mergulhar em relacionamentos satisfatórios e em exigir do mundo trocais justas e balanceadas. A vítima é todo aquele que culpa os outros pelas suas adversidades e esqueceu de se responsabilizar pela própria vida”, explica o profissional.

Borba ainda diz que é muito comum que pais transformem seus filhos em vítimas, por tentarem protegê-los de mais, ou, até mesmo, por forçarem um amadurecimento precoce, mesmo que de forma não intencional.

O psicólogo listou algumas ações, realizadas pelos pais, e que podem tornar os filhos vitimizados no futuro. Confira:

1)  Fazer tudo para seu filho, antecipando suas necessidades e não deixando-o amadurecer sua independência:

Crianças adoram ser reconhecidas em suas idiossincrasias e ações espontâneas. Com um olhar um pouco mais observador, já é possível encontrar talentos incríveis em crianças pequenas. Estimule-os em vez de censurá-los. Querer que seu filho seja uma cópia sua é retirar lentamente sua identidade.

2)  Envolver as crianças em temáticas adultas, colocando-os pra darem opiniões:

Crianças são muito vulneráveis a terem de tomar partido em qual dos pais estaria certo ou errado naquela questão. Isso os torna pessoas “pesadas”, pois não suportam carregar um peso que não lhes compete. Deixe seu filho ter uma infância livre.

3)  Olhar com pena ou piedade para suas crianças.

Independente da sua situação de vida, sempre estimule seu filho a ser um vencedor e um desbravador. Jamais tenha piedade ou dó dele. Acredite em seu potencial e em sua força de vida. Crianças aprendem primeiro a se identificarem com o olhar dos pais, para depois, quando chegam na fase adulta, selecionarem o que irão manter ou eliminar deste olhar inicial. Isto seria um adulto realmente na fase adulta.

A vítima sempre sofre e se perde em seus dramas. Enquanto não aprender a separar amor de piedade, enquanto acreditar que ao receber a pena e a piedade dos outros, está também recebendo amor, este processo jamais terá fim. Dramas internos avassaladores costumam transgredir e ultrapassar várias e várias gerações. Por isso, torne-se responsável pela própria vida. Não há nada mais leve, belo e libertador do que ver um adulto caminhando junto a sua criança interna.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

O coaching e o autoconhecimento

imagem_release_415693Já diria Sócrates, “conhece-te a ti mesmo”, afinal, para vencer na vida, conquistar a posição que você quer dentro de uma empresa e realizar seus sonhos é essencial se autoconhecer, ou seja, identificar e avaliar suas qualidades, defeitos, angústias, limitações,  valores, talentos e habilidades.

O autoconhecimento não vem fácil para muita gente, mas isso não quer dizer que ele não pode ser desenvolvido. Segundo o coach financeiro, Robson Profeta, isso pode ser solucionado de maneira eficaz. “Em muitos casos, a pessoa só precisa de um empurrão para saber quem é, quais suas competências e como maximizá-las, fortalecendo assim seu posicionamento, não apenas no mercado de trabalho mas também em sua vida pessoal. O coaching já ajudou, e continuará ajudando, muita gente com isso, e o mais incrível é poder observar os resultados desse tipo de trabalho. É transformador!”, afirma o profissional.

Profeta explica que o coaching é um processo que visa aumentar a performance do indivíduo. Imagine descobrir competencias individuais e investir fortemente nestas competências, sem canalizar energia desnecessária. “Esse processo ajuda as pessoas a alcançarem seus objetivos, e, no meio disso, a se autoconhecerem. O indivíduo acaba conhecendo suas forças e seus pontos a serem melhorados, o que dá a motivação para realizar uma mudança de vida”, pontua. Ele ainda fala que o coaching pode auxiliar na diminuição do stress, resolução de conflitos internos, causando uma melhora na autoestima, auto-confiança, tornando o indivíduo responsável por esta mudança na vida.

O especialista  complementa, dizendo que o autoconhecimento é fundamental em diversos processos da vida, inclusive, em técnicas de coaching financeiro, por exemplo. “Esse segmento ajuda as pessoas a aprenderem a viver dentro de seu orçamento, o que, para muitos, é uma verdadeira batalha. Essa metodologia auxilia o indivíduo a identificar opções para resolver seus problemas, avaliando-as e decidindo pela melhor delas”, finaliza.

Serviço: Robson Profeta

Coach Financeiro

Site: www.robsonprofeta.com.br

E-mail: rp@robsonprofeta.com.br

Tel:  11  98107-1003

Dicas de etiqueta em e-mails empresariais

imagem_release_409376A boa etiqueta no ambiente corporativo vai muito além do espaço físico. Como a revolução tecnológica proporcionou que, atualmente, a maioria das empresas trabalhasse a base dos computadores integrados, é possível perceber como cada funcionário se comporta online, caso o superior assim deseje.

Segundo Madalena Feliciano, diretora geral do Outliers Careers, é necessário atentar-se pela maneira como se escreve e-mails que vão circular pela empresa. “Desde erros ortográficos até piadinhas que parecem ser inocentes, mas que possuem potencial para magoar alguém, nada pode passar em um e-mail corporativo; é necessário prestar atenção redobrada a tudo”, explica a profissional.

Madalena listou alguns itens básicos de etiqueta em e-mails corporativos, para que se faça um bom uso desta ferramenta. Confira:

1.   Amigos, amigos…negócios a parte:

Os e-mails trocados utilizando-se o domínio da empresa devem ser estritamente profissionais. “É cada vez mais comum o vazamento de informações via e-mail ou mídias digitais que podem causar danos a empresa, e, por isso, é necessário separar bem o ambiente pessoal do de trabalho”, explica Madalena;

2.   Escrever pouco é escrever bem

Quando se quer passar uma mensagem, é sempre bom escrever de modo conciso, porém educado. “Ir direto ao ponto rapidamente, sem deixar de fora o que é essencial, é de bom tom nos e-mails profissionais”, aponta;

3.   Lembrar-se das aulas de português é sempre bom

Para um profissional formado, sempre pega mal escrever errado, mesmo que seja por pura falta de atenção. “A capacidade e credibilidade do indivíduo são analisadas, também, por e-mail, por isso a necessidade de checar o que se escreve”, diz a coach;

4.   Checar antes de apertar “enviar” sempre é bom

Uma mexida desatenta no mouse, e o e-mail é enviado pela metade ou com informações incorretas. Segundo a diretora geral do Outliers Careers, é importante checar com precisão o corpo do e-mail, para ter certeza que ele será enviado da forma desejada;

5.   Nada de beijos e abraços

Na hora de assinar um e-mail, é altamente recomendado que se escreva, apenas “atenciosamente”, ou, para encurtar, “att”. Por mais que você seja próximo, colocar “beijos” ou “abraços” no final de um e-mail corporativo pode não ser bem visto pelos superiores.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83, São Paulo – SP.
E-mail:
madalena@outlierscareers.com.br
Site:
www.outlierscareers.com.br

Treinamentos diários rápidos auxiliam na melhora da dicção

69Uma pessoa, para ser considerada como uma boa oradora precisa possuir algumas características em comum, como saber utilizar bem o seu tom de voz, escolher com cuidado as palavras que serão ditas, ter um olhar expressivo, saber como gesticular, a postura que deve ser utilizada durante uma apresentação, etc. Porém, saber falar bem exige muito mais do que simplesmente “abrir a boca e falar”. Para que tudo saia como planejado é preciso saber respirar de forma correta – para não cortar as frases no meio ao faltar ar -, e ter uma boa dicção das palavras.

Eraldo Melo, empresário e palestrante motivacional, comenta que dicção é a forma de articular e pronunciar as palavras, emitindo de forma correta os fonemas exigidos pelo idioma que será falado – e, quanto mais correta a dicção, mais compreensível se tornam as palavras para aqueles que lhe ouvem. “Uma boa oratória está diretamente ligada a uma boa dicção – e as duas, quando unidas, podem abrir muitas portas para a carreira profissional e até mesmo para a vida pessoal das pessoas. Comunicação é algo necessário em todos os âmbitos da nossa vida – e saber como se comunicar de forma clara e direta é imprescindível”, diz.

Quanto melhor for a oratória e dicção de uma pessoa, mais chances ela terá de alcançar a excelência na hora de se fazer entender pelos outros. “Para pessoas que utilizam da oratória diariamente no trabalho, como professores, palestrantes, diretores de empresa, etc., torna-se ainda mais importante ter uma boa dicção, afinal, um bom professor, por exemplo, precisa saber o que falar e como falar para que seus alunos lhe entendam – e como eles irão entender se as palavras forem ditas com uma má dicção?”, exemplifica Melo.

E não é só no trabalho que isso é importante: como conversar com uma pessoa se você não entende as palavras que ela diz? “Porém, aqueles que possuem dificuldades na hora de falar corretamente não precisam ficar desesperados: não se trata de uma doença, e sim de falta de treinamento. Ter uma boa oratória, saber lidar com as pausas de respiração e, por fim, ter uma boa dicção, são questões que podem – e devem – ser treinadas por todos, indiferente de sua aptidão para essas qualidades. É só treinando que se conquistará melhores resultados nessa área”, explica.

Para isso, o especialista oferece dicas de alguns treinamentos que podem ser feitos por qualquer pessoa no dia-a-dia. Confira:

01.   Relaxe os músculos da face. Para isso, sorria, gargalhe, alongue-se, faça movimento de mastigação, comprima os músculos do rosto, etc.;

02.   Treine por meio de trava-línguas: (o famoso “Três pratos de trigo para três tigres tristes” nunca lhe foi tão importante);

03.   Preste atenção nas consoantes: as letras “L”, “T”, “D” ou “N”, por exemplo, pedem que a língua seja elevada até atrás dos dentes incisivos superiores, sendo encostada no céu da boca para que a pronúncia seja correta;

04.   Pratique exercícios de dicção repetitivos: escolha uma frase curta e a repita inúmeras vezes, mas sem deixar a clareza para trás. “Opte por frases com padrões diferentes de pronúncia, assim esse exercício é melhor aproveitado”, sugere o empresário, que hoje é dono de cinco empresas diferentes;

05.   Grave sua voz: grave-se enquanto você lê um discurso qualquer. Ao terminar, ouça-o. “Essa é uma das melhores formas para identificar os principais pontos falhos da sua oratória. Preste atenção na dicção – existem algumas letras/palavras que não foram bem pronunciadas? Quais?, – na velocidade da fala, ritmo, entonação, etc.” aconselha o especialista;

06.   Na dúvida ou na insegurança, procure um bom profissional: pessoas que estudaram e trabalham com isso saberão com excelência os exercícios que devem ser feitos para que cada pessoa melhore sua dicção. “Fazemos atividades personalizadas para cada pessoa a fim de melhorar sua comunicação verbal, – e os resultados são sempre positivos, afinal, não existe perfeição, então sempre há algo que pode ser melhorado”, conclui Melo.

Serviço: Eraldo Melo

Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

Como o papel de vítima influencia na vida

68Abandonar o papel de vítima, com certeza, é uma das melhores coisas que se pode fazer para mudar sua vida para melhor. As pessoas que desempenham este papel, geralmente, não possuem o controle de suas emoções e sentimentos, bem como suas ações, e usam qualquer coisa como desculpa para seus fracassos diários. Para estes indivíduos, a culpa é sempre do trânsito, chefe, professor, esposo (a) e colega, mas nunca de si próprios.Segundos estudos psicológicos, as pessoas se vitimizam para conseguir mais atenção, associando mais o prazer do que a dor, ao se colocarem dessa forma. Quando o indivíduo passa o tempo todo colocando a culpa no mundo por seus problemas, busca mostrar as pessoas com que se relaciona que a sua vida é ruim, na esperança que isso possa despertar alguma piedade e atenção por parte dos ouvintes.

O psicólogo e master coach João Alexandre Borba, para se alcançar um conhecimento pessoal pleno, é absolutamente necessário comandar sua própria vida.  “Entre a força que dedicamos ao que não queremos para nossa vida, e a força que dedicamos ao que queremos, a segunda costuma ser mais forte”, afirma Borba. Ele explica que, mesmo que não exista um jeito de controlar os acontecimentos à sua volta, é necessário se atentar para o modo como se percebe e reage aos mesmos.

De acordo com o psicólogo, é necessário encarar que boa parte dos problemas são culpa de si mesmo, e das atitudes que as pessoas têm perante a vida. Perceber isso, e se esforçar para mudar essa característica é uma ótima maneira de acabar com o vitimismo. Tomar suas próprias decisões e saber respeitar sua opinião pessoal é essencial. “Seu poder pessoal, sua força de vida, que nasce da sua essência e que se abre em sua vida é completamente inutilizada quando você não sabe o que você quer. Uma das maiores características de quem se perdeu, é o abandono dos próprios desejos”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Chapéus podem ser usados no Inverno

58Em breve, as temperaturas no Brasil diminuirão ainda mais, pois o Inverno se aproxima. Se manter aquecida, usando muitas sobreposições, lenços e botas, por exemplo, garante dias mais confortáveis para continuar com a rotina, apesar do frio.

Entretanto, mesmo com as temperaturas mais baixas, o Sol continua aparecendo, apesar da frequência diminuída. Então, mesmo no Inverno, se proteger contra os raios solares, com protetores solares e chapéus, por exemplo, ainda é necessário. Este, ainda, é mais do que apenas para proteção; é uma forma de transmitir seu estilo próprio. Porém, cada pessoa deve saber adequar os chapéus ao seu tipo físico. Por exemplo, pessoas muito baixas não devem usar acessórios com abas largas. Outra dica é optar por opções discretas, que não enjoam, como bege, marrom e preto, por exemplo.

Analisar o formato do rosto é uma boa maneira de escolher um tipo de chapéu para usar no Inverno, segundo Catia Soares, proprietária da Kharis Boutique, de São Paulo. Para rostos ovais, com bochechas maiores e queixo estreito, chapéus em que as abas e a copa (parte de cima do chapéu) sejam de tamanhos proporcionais, são os ideais, diferentemente dos modelos coco e floppy, de acordo com Catia. Os rostos redondos vão melhor com os modelos com a copa entre os tamanhos mediano e alto, com abas de tamanho proporcional. Neste caso, o modelo cloche deve ser evitado.

A empresária afirma que, para as mulheres de rosto quadrado, com queixo e testa mais alongadas, deve-se dar preferência aos modelos com abas mais largas e copas arredondadas, de tamanho mediano e alto- modelo floppy é o mais adequado para este tipo de face. Além disso, ela explica que, para quem tem rosto triangular, de queixos mais estreitos e o restante do rosto mais largo, preferir chapéus com copa e abas arredondadas e em tamanhos menores é uma boa pedida. O chapéu coco deve ser levado em conta por quem tem este formato de rosto.

Catia acredita que um chapéu é um investimento que tem o poder de transmitir a personalidade de quem o usa. “Comprar um acessório que pode ser usado por um bom tempo, como um chapéu, requere certa reflexão, pois ele precisa se adaptar perfeitamente ao seu rosto, para que se torne uma marca registrada”, finaliza.

Serviço: Kharis Boutique

Catia Soares

(11) 2084.2679

Whatsap: 011 982110106

Instagram: @kharisboutique
Facebook: Kharis boutique

Rua Francisco Rebelo, 983- Vila Califórnia – São Paulo.

Necessário vincular novamente o reajuste dos benefícios ao aumento do salário mínimo

55A partir deste ano, de 2015, o cenário de como será feito o reajuste do piso mínimo nacional havia ficado indefinido, pois se esgotaria o acordo para reajuste dos salários mínimos no formato “inflação mais crescimento do PIB”.  O Governo, então, editou Medida Provisória, mantendo a sistemática até 2019. Muitos economistas vinham defendendo que o impacto nas contas públicas, por causa do reajuste, tem sido alto demais. Ao mesmo tempo, eles reconhecem que o salário mínimo avançou positivamente com tal sistemática. Contudo, a MP editada não abordou a questão da vinculação do reajustes dos demais benefícios do INSS ao reajuste do salário mínimo, o que se espera seja feito no Congresso Nacional neste ano. A estratégia do Governo, ao lançar a Medida Provisória foi, no entanto, esvaziar um pouco a discussão sobre a vinculação.

Segundo Tiago Kidricki, advogado atuante na área de direito previdenciário, este é o momento ideal para que os aposentados e pensionistas do INSS lutem com mais força por esta antiga e justa reivindicação de vinculação de reajustes de seus benefícios ao aumento do salário mínimo. “Nos últimos anos, os inativos do Regime Geral, que recebem acima do mínimo, foram agraciados apenas com o reajuste do INPC, enquanto os que recebem o mínimo tiveram reajustes reais expressivos. Isto importou numa diferença de 41,03% entre os reajustes concedidos”, explica o profissional.

Kindricki afirma que, agora, é o momento de “recolocar” as coisas no lugar, fazendo justiça e vinculando o reajuste dos benefícios ao do salário mínimo. O profissional argumenta que, além dos argumentos usualmente utilizados de não discriminação, igualdade e proporcionalidade, o reajuste unificado para todos dentro beneficiários do INSS é uma necessidade do sistema previdenciário nacional. Ressalva, de outro lado, que não se trata de medida impossível ou irresponsável, mas algo necessário dentro da perspectiva de futuro de uma Previdência Social saudável, que é direito de toda a coletividade.

Ele explica que, na sua opinião, dois reajustes dentro do mesmo sistema previdenciário não seria algo razoável. “Beneficiar com reajustes reais apenas o valor mínimo é incentivar, por exemplo, toda uma massa de trabalhadores autônomos a contribuir apenas pelo mínimo, já que não há vantagem em contribuir, mesmo podendo, por um valor maior”. Ou seja, a afirmação do advogado é no sentido de que estamos incentivando cada vez contribuições de menor patamar e, por conseguinte, arrecadação menor, o que é ruim para o sistema inteiro. Fundamenta o especialista: “Então, por que contribuir com mais, mesmo tendo condições, se lá na frente, provavelmente, haverá o empate com o salário mínimo?”. O reajuste único para todos os benefícios resolveria esta distorção, facilitaria o planejamento do contribuinte, aumentaria a arrecadação e todos sairiam ganhando, complementa. Acerca do esforço contábil que a previdência deveria fazer para chegar a esta unidade, minimiza-o a lembrar que o crescimento do PIB nos próximos anos, assim como no ano de 2014, se prevê fraco ou inexistente, o que traria uma diferença de recursos suportável pelo caixa do INSS.

Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Tiago Beck Kidricki – OAB/RS n. 58.280

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre

Fone: 51 30283443

www.ksadvogados.com.br

4 dicas sobre como agir quando tentam “puxar seu tapete”

15

Um bom ambiente de trabalho é indispensável para que as pessoas exerçam suas funções de maneira plena e efetiva. Porém, as vezes, o problema não está nas ferramentas de trabalho ou no ambiente físico em si, mas sim nas pessoas. Quem nunca ouviu casos de pessoas que tentam puxar o tapete de seus colegas de trabalho? Apesar de, muitas vezes, serem difíceis de identificar, esse tipo de colega está presente nos mais diferentes locais, desde hospitais, até imobiliárias.

Por diversas vezes, a vontade de prejudicar alguém vem da inveja que pode ser despertada em uma pessoa que percebe que seu colega se sai melhor no trabalho, consegue bater as metas com mais facilidade e tem um bom relacionamento com clientes, por exemplo. “No mercado imobiliário, é comum casos como este, em que a facilidade de se comunicar com um cliente e efetuar a venda, por exemplo, pode  causar um sentimento de irritação no colega ao lado, que não possui as mesmas características”, explica Madalena Feliciano, Diretora de Projetos da empresa Outliers Careers.

Madalena afirma que, apesar de ser difícil, é possível identificar quando uma pessoa toma certas atitudes propositalmente, para prejudicar a outra. A especialista cita atitudes que podem ser tomadas, a fim de evitar ser prejudicado em situações comuns que acontecem quando alguém tenta “puxar seu tapete”.

Confira:

1.   Quando roubam seu crédito, apresentando sua ideia como se fosse autoria de outros:

Para se prevenir contra esse tipo de situação, a coisa mais segura a se fazer é enviar e-mails que falam sobre seu projeto em cópia a outros, inclusive para o chefe. Madalena orienta evitar “cópia oculta” , pois mostra que você está fazendo as coisas de maneira correta. “Caso alguém tenha roubado seu trabalho ou ideia, faça perguntas, por exemplo, a seu chefe, de maneira que ele se questione sobre a real autoria do projeto. Em uma apresentação, ainda é possível falar na frente de todos, de maneira calma, por que seu colega está tomando para si o crédito”, explica Madalena.

2.   Quando falam mal de você:

A coach adverte: falar diretamente com a pessoa é o melhor a se fazer, para procurar entender por que a pessoa está tendo este tipo de atitude, se foi algo que você possa ter feito sem querer, etc. “Outras atitudes, como falar para seu chefe, ou devolver na mesma moeda, passam a imagem de imaturidade”, pontua.

3.   Quando tentam excluí-lo de projetos:

Nesse caso, o melhor a fazer é puxar a pessoa de lado, seja em um café ou almoço, e perguntar o que houve, e por que você não participará do projeto. “Às vezes, existe uma boa razão pra isso, mas nossa cabeça não consegue percebê-la, e fica imaginando coisas que não existem”, pondera a coach.

4.   Quando tentam passar por cima de você:

Neste caso, o comum é a pessoa inventar coisas como, por exemplo, que tentou entrar em contato para pedir uma opinião sobre um projeto, ou convidou-o para participar de algo, mas você recusou. “Nesta situação, comece a questionar, o colega, na frente dos outros integrantes da equipe, mostrando que você realmente se interessa pelo assunto, mas está faltando integridade por parte dele”, finaliza Madalena.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83, São Paulo – SP.
E-mail: madalena@outlierscareers.com.br
Site: www.outlierscareers.com.br

Workshop no Japão será ministrado por brasileiro

21O psicólogo e master coach João Alexandre Borba, normalmente, ministra cursos e treinamentos voltados ao autoconhecimento, ressignificação de crenças e transformação pessoal.

Após ministrar diversos cursos em Estados diferentes no Japão, João Alexandre Borba percebeu que poderia ajudar bastante a população de brasileiros residentes no Japão trazendo temas que os ajudem a lidar com suas realidades. Neste workshop, os alunos aprenderão diversas técnicas simples e muito úteis para estarem aplicando em seu cotidiano. Com o objetivo de ajudar estrangeiros no exterior, o psicólogo tem projetos de levar esta ideia para outros países, como Alemanha e Irlanda.  Segundo Borba, é importante resgatar a nossa “brasilidade”. Temos um jeito muito específico de observarmos a vida e de nos relacionarmos e muitas vezes a vida no exterior vai anulando as nossas raízes. Borba afirma que mesmo em outro país ainda é possível manter a essência individual funcionando.

Seu workshop, com duração de um dia, que será realizado no dia 2 de maio, terá como tema “O triângulo da felicidade”, onde o profissional buscará ensinar a liberar as emoções, respeitar seus limites e libertar sua força emocional e pessoal, entre outras coisas.

A diferença, desse curso, para tantos outros que ele já ministrou, é que ele acontecerá na cidade de Toyokawa, Japão, já que esse foi o resultado de uma parceria com o Instituto Internacional Japonês de Coaching.

As reservas para comparecer ao evento podem ser feitas com Akemi, pelo telefone 090-1785-0171, e mais informações podem ser encontradas no site www.ijicoaching.com.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

5 passos para melhorar a autoestima

63A forma como uma pessoa enxerga a si mesma é chamada de autoestima. É ela que causa felicidade ou tristeza em uma pessoa, que a faz sentir bem consigo mesma ou não. Ela é, também, uma poderosa aliada que permite atingir grandes conquistas, além de fazer com que a pessoa acredite em seu próprio potencial, e se coloque no caminho para realizar seus sonhos.

Porém, a autoestima só pode ter todo seu potencial utilizado quando as pessoas estão bem consigo mesmas, coisa que nem sempre acontece. Segundo a Madalena Feliciano, Presidente do Instituto Profissional de Coaching, muitas vezes, o indivíduo se torna seu próprio inimigo. “As pessoas se colocam para baixo, e isso as impede de alcançar suas metas pessoais”, explica a especialista.

Madalena afirma que, com exercícios simples, é possível aumentar a autoestima, abrindo caminho para a autorrealização. “Principalmente em mulheres, podemos ver casos de autoestima baixa, e que impedem uma felicidade plena. O primeiro passo para tratar isso é a aceitação de si mesma. Depois, é necessário observar se não é o caso de mudar alguma característica ou hábito que servem de obstáculo na sua autoaceitação”, pondera.

A coach listou alguns passos simples para aumentar a autoestima, confira:

1.   Analise sua vida:

Você realmente está vivendo a vida que gostaria? O seu trabalho lhe traz felicidade? Está satisfeito consigo mesma? Segundo Madalena, o primeiro passo é analisar como a pessoa esta levando a vida, para determinar quais os aspectos que necessitam ser mudados. Com uma simples ferramenta de Coaching, “Roda do Equilíbrio da Vida”, pode-se facilmente identificar quais áreas deverão ser trabalhadas e quais ações serão necessárias.

2.   Não tome decisões precipitadas:

Mesmo julgando que sua vida necessita de melhoras, o ideal é não se apressar demasiadamente. “Não querer mudar do dia para noite é fundamental, pois o resultado não é imediato, e sim progressivo”, cita a coach. Com pequenas ações diárias podemos chegar ao cenário desejado.

3.   Não se critique demais

Madalena afirma que, mesmo se você encontrar muitos itens a serem alterados em sua vida, é comum que as pessoas exagerem no primeiro momento, e se cobrem demais por mudanças drásticas. “Tudo deve ser levado de modo saudável”. Estar próximo a pessoas positivas e manter-se alerta aos pensamentos negativos é um exercício simples com excelentes resultados, pontua.

4.   Encare seus problemas de frente

A Coach orienta, o ideal é não fugir dos seus obstáculos. “Fugir do que dá medo é compreensível, mas não ajuda em nada no processo de melhora de si mesmo”, afirma.

5.   Trabalhe no seu autoconhecimento

Reconhecer seus defeitos e qualidades, encarando-os como um conjunto de características que formam o indivíduo, é essencial, de acordo com Madalena. “Responsabilizar-se por suas escolhas é uma etapa importante no amadurecimento e melhoria pessoal’, finaliza a coach.

Serviço: Instituto Profissional de Coaching
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1685
E-mail: 
madalena@ipcoaching.com.br
Site: 
www.ipcoaching.com.br

O poder da paternidade

9Sabe aquele velho ditado popular que diz que todos temos um lugar ao sol? Pois bem, esta força de encontrar o seu canto, reconhecer o seu espaço e demarcar limites vem da principal figura masculina na vida de toda criança: o pai.

Na ausência do pai, a criança busca sempre esta figura essencial que irá lhe ajudar com os limites e com a sua força de se posicionar diante da vida. É importante ressaltar que quanto mais bem amparada desta imagem interna masculina, ou seja, o pai que habita dentro de cada um de nós, mais bem resolvidos quanto ao “nosso lugar ao sol” estaremos. Quanto mais meu espaço interno é respeitado e quanto mais conheço minhas regras e leis internas, mais compreensivo e respeitoso eu serei com as outras pessoas, não precisando invejá-las ou mesmo puxar o tapete de ninguém para chegar aos meus objetivos.

A força de um pai está muito relacionada à despedida por parte do jovem adulto de seu lar para sua ida ao mundo, onde conquistará seu lugar na sociedade, podendo contribuir, fazendo a diferença. Portanto, é importante que os pais saibam o seu papel no psicológico de seus filhos para que possam sempre oferecer uma base de amor e acolhimento necessários para que a criança se desenvolva firme, sentindo-se amparada e sabendo que alguém muito especial acredita e torce pelo seu sucesso na vida.

Sempre que atendo pais que se encontram perdidos com relação a como educar seus filhos, ofereço três valiosas dicas psicológicas:

1)    Seja firme e afetuoso ao transmitir um pedido ao seu filho. Uma ordem pode ser transmitida com amor.

2)    Elogie-o sempre que algo diferente for realizado. Não fique somente observando ações iguais as suas.

3)    Valorize cada traço único na personalidade de seu filho e jamais queira que ele seja você. Para que ele te traga orgulho e admiração, você só precisa acreditar nele e valorizar seus pontos fortes. A segurança de uma criança vem de suas raízes, de seus pais.

Não existe nada mais enriquecedor do que receber um grande suporte e consideração da própria fonte paterna.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

https://www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

21 9.9804-2805

Espaço de beleza em Fortaleza adquire linha de produtos da Pura Vida Imports

0aDSC01369Village Belle, localizada no Salinas Shopping, atua com a aplicação e venda dos cosméticos das marcas Attitude Line, Minerals e Uvamia.

Quem mora em Fortaleza, no Ceará, agora pode encontrar os cosméticos da Attitude Line, da Minerals e da Uvamia na Village Belle. Os consumidores podem comprar os produtos ou realizar tratamentos estéticos no espaço de beleza com a aplicação dos cosméticos. “Nós adquirimos toda a linha de tratamento para oferecer um serviço diferenciado para nossas clientes. Inauguramos já com estas novidades”, declara Lorena Leite Limeira, proprietária da Village Belle, spa inaugurado no dia 29 de novembro, no Salinas Shopping.

Village Belle é inspirada na Belle Epoque, considerada a era de ouro da beleza, paz e inovação entre os países da Europa. As invenções da época estavam deixando a vida mais fácil e havia um fortalecimento da cultura. “Nós queremos resgatar o charme e o glamour desta época, associando a qualidade dos serviços com produtos de primeira linha. Foi feita uma pesquisa minuciosa para descobrir o que há de mais inovador na área de cosmetologia e os produtos com nutrientes do Mar Morto e com os polifenóis do Vinho Tinto foram os que mais chamaram atenção”, conta Lorena.

A linha da Attitude Line, produzida com sais minerais do Mar Morto e importada dos Estados Unidos, conta com hidratantes, manteigas corporais, esfoliantes e produtos voltados para os cuidados com as unhas. Eles são indicados para limpeza profunda da pele, minimização de alguns tipos de manchas, renovação celular, eliminação das toxinas e melhora da circulação sanguínea. A combinação de nutrientes ainda favorece a hidratação intensa da pele e o resultado é uma aparência mais jovem e uma textura macia e aveludada.

A Minerals Aromatics conta com a Lama Corporal do Mar Morto Black, o sabonete de Lama do Mar Morto e a Máscara Facial Purificante do Mar Morto. A lama é composta por argila e outras substâncias minerais encontradas no Mar Morto, como enxofre e sal. “Ao ser aquecida ela alivia dores musculares, reumáticas e articulares. A lama também pode ser usada no tratamento da psoríase, para fortalecer o sistema imunológico e para auxiliar na sintetização de proteínas”, explica Bruno Coelho Souza, responsável pelo departamento comercial do Grupo Pura Vida e da Pura Vida Imports.

A marca chilena Uvamia produz um hidratante facial que possui polifenóis do vinho tinto, com ação antioxidante e regeneradora, e Manteiga de Karité, que hidrata e nutre a pele. “Os polifenóis são oriundos da uva e combatem os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular precoce. Além de combater o envelhecimento, o hidratante estimula a circulação sanguínea da face e tonifica a pele. O cosmético ainda aumenta a elasticidade, a firmeza e a vitalidade da pele, minimizando as rugas e as marcas de expressão”, esclarece Bruno.

Para Lorena, os cosméticos serão grandes aliados dos tratamentos estéticos oferecidos no espaço e os clientes poderão dar continuidade aos cuidados em casa, já que os produtos estarão disponíveis para compra. “Nós contamos com um casting completo de profissionais das áreas da cirurgia plástica, odontologia, dermatologia, fisioterapia, nutrição e especialistas em cuidar dos cabelos, mãos e pés. São pessoas que atuam com a beleza e que vão oferecer serviços de excelente qualidade, aliada aos cosméticos importados”, comenta.

Conheça a Village Belle: https://www.facebook.com/lorenalimeiralimeira

Carlos Samuel de Oliveira Freitas participa do projeto Creci Cultural

Hoje (13/11), Carlos Samuel de Oliveira Freitas, diretor de condomínios da PRIMAR Administradora de Bens irá participar do projeto Creci Cultural, promovido pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI-RJ), no auditório da Universidade Cândido Mendes, a partir das 15 horas.

Freitas irá ministrar a palestra “Locação – Leis 8.245, 12.112 e 12.607. O evento tem como público alvo os corretores de imóveis e o Creci pede a doação de um quilo de alimento não perecível para a Campanha de Doação da Associação Aliança dos Cegos. “Haverá sorteio de brindes e espaço para o esclarecimento de dúvidas”, conta o especialista.

Mauricio Accorsi participa da XVIII JABRO

Dra. Mychelle Gurgacz e dr. Mauricio Accorsi

De 24 a 27 de outubro foi realizada a XVIII Jornada da Associação Brasileira de Radiologia Odontológica (JABRO), no Mabu Thermas e Resort, em Foz do Iguaçu, no Paraná. O tema do evento foi “Diagnóstico por imagem: evolução com responsabilidade”.

O ortodontista e ortopedista facial Mauricio Accorsi participou do evento como simposiasta e falou sobre a interação da Radiologia e Ortodontia no uso da tomografia computadorizada de feixe cônico. “O diagnóstico é mais rápido e preciso com o uso da tomografia em 3D e permite um melhor planejamento do tratamento, promovendo diversos benefícios para o paciente”, destaca Accorsi, Mestre em Ortodontia pela USP e Preceptor em Dor Orofacial e Disfunção pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA).

O especialista é autor do livro “Diagnóstico 3D em Ortodontia – A Tomografia Cone-beam Aplicada”, da Editora Napoleão. A publicação enfatiza o uso da tomografia computadorizada, do tipo cone beam (feixe cônico), a qual usa softwares especializados que permitem o aproveitamento e otimização dos cortes de imagens faciais geradas pelo tomógrafo.

Com atualização em Londres, Juarez Köhler introduz no Brasil aparelho que promove o rejuvenescimento facial

O ortopedista facial e ortodontista Juarez Köhler, da equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial, realizou um curso de atualização sobre reversor de envelhecimento facial, considerado uma novidade terapêutica em termos de rejuvenescimento. O dispositivo é indicado para mulheres com 40 anos de idade ou mais e promete bons resultados. “O aparelho bucal promove tensões musculares – ativas e passivas – que estimulam as células dos tecidos, realizando uma espécie de lifting facial. O rosto fica com um aspecto mais jovem e saudável”, explica o especialista.

O reversor atua na forma e na função da face, tonifica a musculatura, melhora a definição dos contornos faciais, deixa os lábios mais expressivos e o sorriso mais bonito e harmonioso. Esta técnica tem sido muito comentada na área de estética e harmonia facial, pois age por meio de um processo natural, regulado pelo fator de crescimento mecânico dos adultos. “Com o curso entrei em contato com as novidades da atuação dos ortodontistas e ortopedistas faciais na intervenção do retardamento do envelhecimento do rosto com condutas terapêuticas não invasivas, embasadas em conhecimentos científicos já publicados na literatura especializada”, acrescenta.

Elisa Guimarães Forchezatto completa 14 anos

No próximo dia 30/10, a amazona Elisa Guimarães Forchezatto irá comemorar mais um aniversário. Elisa, que completará 14 anos, tem como seu hobby favorito o hipismo. Mais do que um passatempo, as competições com cavalos revelaram uma brilhante atleta, que conquista resultados cada vez mais expressivos nos concursos realizados em vários estados do Brasil.

A sua mãe, a otorrinolaringologista e otoneurologista Rita de Cássia Cassou Guimarães, e a equipe da Toda Comunicação desejam muito sucesso e felicidades. Parabéns!

Site do HC – UFPR publica release sobre a relação entre bruxismo e zumbido

O site do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná publicou o release “Bruxismo pode desencadear ou intensificar zumbido”. O texto foi elaborado a partir da palestra proferida pelo ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler, no encontro de outubro do Grupo de Informação a Pessoas com Zumbido de Curitiba (GIPZ Curitiba) levado a efeito no anfiteatro do setor de otorrinolaringologia do HC-UFPR.
O professor Köhler é um dos profissionais voluntários que fazem parte do GIPZ e falou sobre as relações entre as questões odontológicas – principalmente a excessiva ação da musculatura mastigatóra (os ‘apertamentos’) –  e o zumbido. “O ruído pode ser desencadeado por estas questões ou ser intensificado, havendo um sistema de testagem que detecta isto com precisão”, ressalta o ortodontista.
Para saber mais, leia o texto na íntegra no link abaixo: http://www.hc.ufpr.br/?q=node/6844

Clínica Asinelli em novo endereço

A Clínica Asinelli, dirigida pelo médico nutrólogo Maximo Asinelli, está com novas instalações para atender seus pacientes com mais conforto. O espaço, localizado na rua Rua 21 de Abril 187, no Alto da XV, em Curitiba (PR), foi decorado para lembrar os ambientes de aeroportos e aviões. A recepção é chamada de check-in, para tomar um café os pacientes são convidados a ir a Sala A.I.S. Galley e a hora usada na clínica é a Zulu. “São nomes usuais da aviação. Quem é ligado em aviação vai adorar todas as surpresas da nova instalação”, afirma Asinelli. A foto de Santos Drummond e réplicas de aviões também fazem parte da decoração.
A Clínica Asinelli é a primeira do Brasil especializada em Perícias de Aeronavegantes e emissão de certificados médicos aeronáuticos (CMA) em todas as categorias (PP, PC, PLA, comissários, mecânicos de voo, balão e planador) e também em situações de pós-acidentes. “A policlínica apresenta padrão A da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e da International Civil Aviation Organization (ICAO). Além disso, desenvolvemos trabalhos em diversas especialidades, desde o diagnóstico até o tratamento de pacientes oriundos de diversas partes do Brasil”, ressalta o médico, que possui especialização em vigilância sanitária e epidemiologia, é médico civil da Aviação credenciado pela Anac e faz parte da Rede Brasileira de Estudos em Nutrigenômica, da Associação Brasileira de Nutrologia, da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, da Sociedade Latino-Americana de Alimentação e Nutrição e da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais. Asinelli também é membro da Rede Brasileira de estudos em Nutrigenômica.

Juarez Köhler participou da 18ª edição do Congresso Brasileiro de Ortodontia

Gerson, Nilse e Juarez Köher.

Nos dias 27, 28 e 29 de setembro foi realizada a 18ª edição do Congresso Brasileiro de Ortodontia, no Expo Center Norte, em São Paulo. O tema do evento foi “Crescimento Profissional com a Ortodontia” e o congresso contou com a presença de professores brasileiros e estrangeiros, pesquisadores e profissionais de destaque no cenário ortodôntico. “O evento possibilitou uma troca de conhecimento e práticas científicas muito interessantes, valeu a pena participar”, observa Juarez F. W. Köhler, ortopedista facial e ortodontista, membro especialista da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR), filiada à World Federation of Orthodontists (WFO – USA).

O evento também apresentou as tendências do mercado ortodôntico, com a exposição de produtos e atividades de aproximadamente 100 empresas, ofereceu 26 cursos de imersão, 150 conferências, 500 painéis científicos e diversas outras atividades. “A atualização na área é fundamental para aplicar os novos conhecimentos no cotidiano da profissão, proporcionando tratamentos cada vez mais modernos aos pacientes”, destaca Juarez, que integra a equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial, com o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler e a fonoaudióloga Nilse Waltrick Köhler, especialista em Distúrbios Miofuncionais da Face.

Para Juarez, o congresso foi especialmente importante, pois teve conotações interdisciplinares e multiprofissionais. “Um assunto de destaque veio de uma fonte que não atua exatamente em ortodontia. Elisa Altmann – fonoaudióloga mioterapeuta  – apresentou palestra sobre exercícios miofuncionais, área de Nilse Köhler, na atuação interdisciplinar da equipe Köhler sobre as questões da apnéia obstrutiva do sono. A retonificação da base lingual e do palato mole é essencial no tratamento do problema, já que eles são os grandes vilões do ronco e da apnéia. Isto reafirma os princípios usados na Köhler Ortofacial, pois esta estratégia já é aplicada por Nilse nos pacientes apnéicos tratados em contexto médico-odontológico-mioterápico”, acrescenta o ortodontista.