Arquivos da Categoria: Carreira

Ser muito presente no trabalho pode indicar distúrbios emocionais

presenteismoMuito se fala da ausência recorrente do trabalho, o absenteísmo, por meio de faltas, licenças médicas, sempre envolvendo doenças ou distúrbios psíquicos. Mas, hoje em dia, há outro vilão que poucos conhecem e que cada vez mais toma espaço na vida das pessoas: o presenteísmo. Já ouviu falar? Talvez, ele esteja acontecendo com você e é preciso ficar atento.

Segundo Andreia Rego, psicanalista e coach de desenvolvimento humano, o presenteísmo está ligado àqueles que permanecem trabalhando mesmo doentes ou sem motivação, ou seja, estão fisicamente presentes, mas mentalmente ausentes. “Essa problemática está vinculada a questões psicoemocionais, tais como alto estresse, dificuldade nas relações interpessoais, depressão, medo da perda do emprego, do cargo, falta de autoconhecimento para refletir sobre si e encontrar saídas saudáveis na forma de lidar com desafios da vida, etc”, comenta a coach.

Segundo pesquisas apontadas pela ISMA-BR – International Stress Management Association, associação sem fins lucrativos – um fator preocupante no ano de 2012 sobre o desenvolvimento da prevenção e do tratamento do estresse no mundo, é que 68% dos brasileiros já sofriam de estresse por conta da correria do dia a dia e que o aumento desse problema aconteceria na casa dos 28% ao ano. Ainda, em outras pesquisas feitas pelos Estados Unidos, há demonstração de que as perdas de produtividade por depressão e dores sofridas por trabalhadores que não faltam ao trabalho superam as perdas de produtividade derivadas do absenteísmo.

“Na maioria das vezes, o indivíduo não percebe que já está afetado pelo presenteísmo e, estando doente, não consegue perceber o motivo de não conseguir ser produtivo, criativo e feliz no ambiente profissional, pessoal e social”, completa Andreia.

De acordo com a coach, para ficar alerta e presente nos ambientes em que vive, de forma qualitativa, um dos pontos primordiais é buscar se relacionar com o trabalho de maneira que este seja visto como uma fonte de realização e não como uma obrigação, um peso. Diante dessa premissa, estabelecendo um novo olhar, o reflexo será levado para outras áreas pessoais. E uma perspectiva diferente se inicia.

“Outro ponto essencial de transformação é trabalhar o autoconhecimento e buscar se entender internamente, pois só é possível ser feliz conhecendo a si mesmo, as motivações pessoais/profissionais, os desejos e preferências. Os indivíduos podem recorrer à Psicanálise/Psicologia, caso já estejam com sintomas relevantes, como desânimo, irritação, tristeza acentuada, falta de identidade, depressão, ou ao Coaching, caso sintam a necessidade de buscar soluções com foco em resultados concretos. Essas são algumas vertentes, mas cada um procura o que melhor compreender como boa saída para evitar permanecer no problema”, aconselha a especialista.

Andreia diz que para que ocorra um casamento saudável e sustentável na tríade trabalho, vida pessoal e vida social, é importante ter a consciência do que acontece no cotidiano, a fim de que a mudança floresça. “Se manter presente no agora é questão vital para sentir que vale estar inserido na própria vida e vivê-la com felicidade e leveza”, conclui Andreia.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

21 99941.9950

asrego@gmail.com

http://coachandreiarego.com.br/

Instagram: Andreia Rego

Anúncios

Vai fazer o Enem? Saiba como acertar na carreira primeiro!

photoshopPara boa parte dos estudantes do Ensino Médio, ter que definir uma profissão aos 17 anos é um processo estressante e injusto. Além de já estarem passando por todas as mudanças hormonais desconfortáveis da adolescência, esses alunos ainda sofrem com a pressão dos pais, familiares e da sociedade para definirem suas carreiras. Dessa maneira, muitos desses estudantes, acabam fazendo escolhas erradas e optando pelas profissões por motivos errados. Infelizmente, essas escolhas não muito positivas acabam afetando o desempenho profissional deste estudante no futuro.

Segundo a Coach Vocacional e de Carreira, Érika Ferrari, um fato agravante entre as escolas do Rio de Janeiro, é a falta de apoio emocional aos vestibulandos “Muitas vezes, só estudar e saber a matéria não é suficiente para ir bem em uma prova. As escolas, tanto da rede pública, quanto particular, não oferecem nenhum suporte vocacional e emocional aos alunos durante esse período. O candidato já se encontra em uma pressão enorme e o nervosismo compromete o desempenho na hora da prova”, afirma a Coach.

A especialista separou 5 dicas para auxiliar o candidato que vai prestar vestibular à acertar na escolha da carreira – o fator número 1 que os mantém acordados à noite. Confira:

1. Autoconhecimento: “Primeiramente, a pessoa precisa se conhecer, pois não adianta definir o que você quer, se você não sabe quem você é. Isso significa alinhar suas crenças, princípios, valores e propósito de vida. Refletir e olhar para dentro de si é necessário para que você tenha essas questões de extrema importância respondidas. É primordial, porque só assim você irá identificar qual carreira mais tem compatibilidade com o seu jeito de ser. Abordamos aqui a questão da vocação. Quando você se conhece, você entende qual é a sua essência e o que você busca. É um conhecimento tão profundo e particular, que só isso te levará a sua felicidade”, comenta Érika.

2. Lidar com a pressão familiar: “Essa época é estressante para todo mundo. Os filhos se desprendem dos pais para estudar e ficam mais independentes. Por mais que fiquem preocupados, os pais não devem tentar influenciar a decisão dos filhos. Muitas vezes os pais estão no mercado de trabalho e acham que a sua carreira é a melhor do mundo, assim como qualquer outro profissional feliz com o seu trabalho. Entretanto, eles precisam entender que o cenário é diferente, o seu tempo já passou e os filhos precisam impor isso também. Os pais tentam ajudar, mas não sabem orientar da forma como deveriam e isso pode acabar atrapalhando e causando ainda mais pressão na escolha do adolescente”, argumenta a Coach.

3. Definir os objetivos: “Depois de saber quem você é, é hora de traçar um plano claro e objetivo do que você quer para sua vida. A forma de fazer isso é visualizar o seu futuro e pensar sobre o que você gostaria de estar fazendo naquele momento, o que você quer ter, ser e o que quer alcançar financeira e emocionalmente. Senão, ficará buscando e não terá objetividade. É necessário ter metas definidas para ter direção”, diz a especialista.

4. Ter foco: “Dar o máximo de si, se organizar e ter uma definição clara para poder correr atrás do que o estudante quer, é motivador. Você sempre precisa se sobressair e surpreender no que faz e para tal, você sempre precisa fazer mais e se doar. Mas é preciso encontrar prazer e felicidade nisso, só assim você consegue manter o foco e a direção para estudar, se dedicar e atingir o seu objetivo sem desistir no meio do caminho. Por isso é tão importante saber quem você é. A sua carreira não deve parecer uma obrigação, desde o início”, aconselha Érika.

5. Valorizar as conquistas: “Se passar no vestibular, comemore! Saia com a família, os amigos, dê uma festa. E faça disso um hábito, de sempre compartilhar e aproveitar com outras pessoas as suas conquistas. Não adianta nada trabalhar duro e não aproveitar. E principalmente, sirva de inspiração para alguém”, afirma a especialista.

Ainda de acordo com Érika, para os alunos que vem tendo muita dificuldade com o processo de escolha profissional, o Coaching Vocacional e de Carreira pode ajudar, e muito “Você pode ser o que você quiser, desde que desenvolva as habilidades para tal. As ferramentas e técnicas do processo de Coaching traçam o perfil comportamental da pessoa, seus potenciais e limitadores, possibilita o indivíduo a utilizar seus talentos na potencialidade máxima e despertar um novo eu dentro de si, muito mais feliz e realizado consigo mesmo. A pessoa é direcionada na busca de seus objetivos, porque ela sabe as características que precisa desenvolver para ser quem ela quer ser. É sempre muito melhor e mais feliz quando você trabalha com algo que tem tudo a ver com o seu perfil e suas competências”, conclui a Coach.

Serviço: Érika Ferrari – Coach Vocacional e de Carreiras

http://www.erikaferraricoach.com.br/

contato@erikaferraricoach.com.br

Tel: (21) 9 9479-4932

Estudando para o vestibular? Aprenda como estudar para passar!

cecilia-1Todos os anos, milhares de adolescentes brasileiros realizam diversos exames de avaliação para tentarem sua aprovação nas universidades, incluindo, o mais temido de todos, o Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. No entanto, há muito mais por trás dessas provas do que se imagina. Além do cansaço físico por conta da quantidade de conteúdo a ser estudado, o que pode atrapalhar ainda mais o desempenho desses jovens é a insegurança de fazer a escolha certa. A pressão de escolher, tão jovens, a carreira que seguirão para o resto da vida pode comprometer o sucesso na escolha profissional. Além disso, esses estudantes são influenciados pela família, sociedade, amigos e também pela necessidade do mercado de trabalho.

A administradora, máster coach vocacional e de transição de carreiras, Cecília de Lara, afirma que a falta de planejamento dos estudantes é o que mais pode comprometer seu rendimento “Há muito o que ser estudado para as provas e quando não há uma boa gestão dessas matérias com o tempo disponível, reduz a capacidade de concentração do estudante e faz com que este acabe perdendo o foco”, comenta a coach.

Segundo Cecília, para aqueles que estão indecisos em sua escolha profissional, é importante entrar em contato com o seu próprio “eu” e buscar ajuda de um profissional de coaching, ou psicólogo, que irá trabalhar o autoconhecimento e aumentará as chances de fazer a escolha certa para a satisfação profissional “A direção é mais importante do que a velocidade”, pontua a coach.

“Nos meus atendimentos, sempre ajudo a montar um planejamento de estudo de acordo com a disponibilidade de cada estudante. Sendo assim, é possível criar um hábito de estudo e se manter motivado”, explica.

A especialista também dá outras dicas para ajudar na escolha profissional muito eficazes para os estudantes vestibulandos:

1. Faça uma lista de todos os cursos do seu interesse;

2. Entreviste pelo menos três profissionais de cada área para entender a realidade e a rotina de cada profissão;

3. Escreva todos os prós e contras de cada atividade;

4. A atividade que tiver maior quantidade de benefícios, terá uma possibilidade maior de ser a área escolhida;

Ainda de acordo com a coach, testes vocacionais podem auxiliar na escolha profissional, mas é preciso ter um bom nível de autoconhecimento para que eles não “rotulem” a decisão.

O coach vocacional realiza um trabalho mais personalizado de autoconhecimento. Identifica a personalidade do estudante e trabalha em cima de seus pontos fortes aumentando o seu potencial. De acordo com Cecília, o diferencial do trabalho individual é conseguir direcionar bem o aluno nas suas escolhas através dos seus próprios talentos e garantir a satisfação profissional. “Quando uma pessoa consegue trabalhar colocando os seus talentos em prática, se torna uma pessoa plenamente realizada e se desenvolve cada vez mais”, comenta Cecília.

Os estudantes ainda não têm maturidade suficiente para tomarem sozinhos uma decisão que vai refletir ao longo de suas vidas. Hoje em dia, é muito comum encontrarmos pessoas que têm graduações incompletas ou que trabalham em áreas diferentes da sua formação “Não é à toa que desistem pelo caminho e acabam aprendendo na prática o que realmente querem para suas vidas. O processo de coaching vocacional possibilita o estudante fazer uma escolha mais assertiva através do autoconhecimento e poupa tempo e dinheiro”, finaliza a especialista.

Serviço: Cecília de Lara

Coach Vocacional e de Transição de Carreiras

ceci.yamashita@hotmail.com

67 8413-4878

http://www.delaracoaching.com.br               

 

Você é uma boa líder? E se seus colaboradores não gostassem de você?

colorindo-a-vida-com-coaching-2A liderança das mulheres ainda é algo novo até para elas mesmas. Por muito tempo, acostumadas a ver os homens ocuparem os cargos altos das empresas e dominarem a sociedade empresarial, as mulheres ainda podem encontrar uma certa dificuldade em conquistar a confiança de seus subordinados. Hoje em dia, tão qualificadas e capacitadas quantos os homens, as profissionais vem cada vez mais se apoderando dos cargos altos das empresas. Mas o que fazer quando os subalternos – principalmente do sexo masculino – torcem o nariz para sua liderança?

Segundo a leader coach e analista comportamental, Fabiane Oliveira, essa é uma realidade de quase 80% dos empreendedores – não somente mulheres – com quem ela já lidou “Ainda há um corporativismo masculino predominante. Muitas vezes, não gostam por dor de cotovelo, mas pode ser que a líder esteja fazendo algo errado também. Ainda é muito novo para, nós mulheres, liderarmos. Então, é normal que algumas coisas não encaixem tão bem” afirma a especialista.

Ainda de acordo com Fabiane, nem tudo está perdido quando há discordâncias constantes ou desavenças no ambiente de trabalho. A coach dá cinco dicas para lidar com essa situação:

1. Identificar quem pensa dessa forma. “Utilize questionários, chegue mais próximo de seus funcionários, tenha uma conversa franca. De maneira indireta, eles dirão o que os incomoda, e você saberá o que eles realmente acham”, afirma.

2. Aceitar a situação. “Negação é muito comum. Temos o hábito de pensar que a culpa é deles, mas as culpadas, muitas vezes, somos nós mesmas. Portanto, aceite de cabeça erguida que há um problema. É o primeiro passo para tentar corrigir”, argumenta a profissional.

3. Colocar os funcionários no jogo. “Para lidar com a situação, peça que eles a ajudem. Eles ficarão muito felizes em ver que você deseja mudar o cenário, e prontamente darão instruções e conselhos”, conta Fabiane.

4. Fazer mudanças rápidas. “Alguns problemas serão bem difíceis de serem alterados. No entanto, certamente existem algumas medidas que podem ser tomadas em um curto espaço de tempo. Por exemplo, um café da manhã semanal com a equipe pode mudar os ares do local!”, aconselha.

5. Voltar ao passo 1. “Por fim, depois de um tempo após a execução das mudanças, volte a identificar quem ainda está insatisfeito, e recomece o ciclo”, diz.

A especialista, que ajuda muitos líderes diariamente a terem desempenhos excelentes frente às suas equipes, utiliza desses 5 passos como parte de seu programa de coaching, e afirma funcionarem de verdade “Sempre haverá desvios no comportamento, mesmo se você desejar mudar e se tornar um líder servidor. Ninguém é perfeito. O que precisa acontecer é você ter a vontade de mudar, todos os dias!”, finaliza.

Serviço: Fabiane Oliveira

Leader coach e analista comportamental

Cel: (21)99669-1914

Skype:artedocoaching

Facebook: Http://www.facebook.com/coachfabiane

http://www.fabianeoliveira.com.br

Estagiários, saibam o que fazer para serem efetivados!

1471513354-618060270Antigamente, quando ouvia-se a palavra “estágio”, quase automaticamente, remetia-se à ideia de um universitário servindo cafézinho em uma sala de conferências cheia de gestores engravatados. Hoje em dia, o estagiário não é mais aquela pessoa tímida sentada no cantinho, anotando tudo o que vê. Quem está passando por essa situação no momento, sabe que os processos seletivos de estágio chegam a durar meses. Os candidatos passam por testes e mais testes, de aptidão, conhecimentos gerais, específicos, psicológicos, dinâmicas em grupo… E por aí vai. Quando passam e finalmente conseguem entrar na empresa sonhada, são abarrotados de trabalho, fazem hora extra, cumprem prazos, perdem noites de sono e, por um minuto, desejam que seu trabalho fosse só tirar as xerox da pauta da reunião. Estagiário, hoje, trabalha de verdade.

“Muitos estagiários pecam quando deixam a animação e o empenho, que tinham durante o processo seletivo, passar quando são contratados. Esse é o maior erro”, comenta Madalena Feliciano, coach de carreiras, diretora da Outliers Careers e do Instituto Profissional de Coaching “Isso geralmente acontece, quando o estudante ‘atira para todos os lados’ na procura de uma empresa para estagiar, e não se concentra nas que ele realmente quer. Acaba fazendo um trabalho mediano, porque para ele tanto faz, essa ou aquela empresa. Nenhum gestor gosta disso”, argumenta a coach.

Segundo a diretora, é imprescindível sempre tentar superar as expectativas e ir um pouco além do esperado “O fato de ainda estar aprendendo a prática do trabalho, não significa que ele irá se safar de todas as coisas erradas que fizer, ou se não houver empenho. Não basta só colocar no currículo que é proativo, tem que, de fato, ser. Pela mão de obra ser mais barata, é muito mais fácil ser demitido como estagiário. Empresa nenhuma continua empregando quem não acrescenta”, diz.

Especialista em transição de carreiras, Madalena separou algumas outras dicas de como se portar como estagiário dentro de uma empresa. Confira:

1. Pontualidade “As empresas geralmente funcionam como um ‘efeito dominó’, se atrasar e começar a trabalhar mais tarde, pode comprometer o rendimento das pessoas que dependem do seu trabalho feito. Não é só porque você é estagiário, que suas atividades sejam menos importantes. Se atrase somente quando for inevitável, e tente ao máximo comunicar a empresa com a maior antecedência possível”, alerta.

2. Flexibilidade “Se for pedido para que fique depois do horário e isso não atrapalhe outros compromissos, principalmente com a faculdade, fique. Seu trabalho duro será reconhecido no futuro. Não há aprendizado maior do que a prática, não se prenda muito à teoria da faculdade e não tenha tanta pressa de sair quando der o seu horário”, explica a diretora.

3. Comunicação “Ter uma boa relação com os colegas, participar dos happy hours e outras confraternizações da empresa, contam pontos com o chefe, pois mostram sociabilidade e extroversão. Mas saiba separar as coisas. O que acontece no happy hour, fica no happy hour”, diz Madalena.

4. Redes Sociais “Hoje em dia, Facebook e Whatsapp já são usados como ferramenta de trabalho. É comum ter grupos da empresa nas redes sociais, onde todo mundo se comunica. Mas tenha bom senso. Ser pego utilizando outra rede social com muita frequência, não vai pegar bem para você. Deixe essas para a hora do almoço”, comenta.

5. Clareza e objetividade “Para quem está no último ano de faculdade, e ainda não ficou claro que será, ou não, efetivado ao final do contrato, é a hora de conversar com o chefe. Seja claro e diga que quer a vaga, pergunte quais são as chances. Mostrar vontade de trabalhar, com certeza vai pesar na hora do gestor fazer a escolha. Mas é sempre importante, antes de se inscrever no processo seletivo da empresa, procurar saber qual é o plano de carreira, para não haver conflitos de interesses e gerar uma futura desmotivação. Algumas empresas deixam claro desde o início que só capacitam o candidato, mas não o efetivam”, aconselha a coach.

Madalena Feliciano ainda dá um último conselho, para os que ainda estão tentando os processos seletivos “É importantíssimo conhecer muito bem a empresa para qual você vai se candidatar. Faça pesquisas na Internet, e se tiver a oportunidade de conversar com um ex ou atual funcionário, melhor ainda. Isso ajuda na hora de se preparar para as entrevistas e de saber se você e a empresa dividem os mesmos valores. É isso que te manterá motivado a trabalhar, para conseguir futuras promoções”, finaliza.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Professor Aprígio Gonzaga 78, São Judas, São Paulo – SP.

Rafaela Silva e Thiago Braz: o sentimento vencedor desperto em cada um de nós

4thiago-braz_reuO primeiro ouro das Olimpíadas a gente nunca esquece. Principalmente quando ele vem junto de muita garra e superação, como foi o caso da judoca Rafaela Silva. Quando junta essa mesma garra e superação com outro ouro e um record olímpico de 6 metros de altura, é melhor ainda! Que o diga, Thiago Braz. Esses competidores e tantos outros ensinam, ao vivo, a como lidar com dores e frustrações; e com aquele “quase lá” não alcançado. E esse é o encantamento: observar nos sutis detalhes o espírito vencedor.
Segundo a coach de Desenvolvimento Humano, Andreia Rego, este é um ótimo momento para sentir a vibração dos atletas, curtir cada alegria e conquista, e aprender. “Eles nos trazem o pensamento otimista, que reforça sonhos e que contribui na busca de grandes realizações. Os resultados alcançados são inimagináveis e, então, é aí que a magia acontece! As pessoas, os atletas em geral, se tornam realizados e gratos, como também seguem como exemplo e inspiração para muita gente”, comenta.
Como coach, Andreia lida com diversos tipos de profissionais, em diferentes extremos de suas carreiras. E, diante desse cenário, destaca 6 pontos fortes que os indivíduos bem sucedidos citam e utilizam para si, ao longo de suas jornadas pessoais e profissionais, e que também podem ser aprendidos com os atletas.
1- Acreditar em si, para gerar empoderamento e crenças positivas;
2- Focar no que se deseja conquistar;
3- Concentrar para se aprimorar constantemente;
4- Ter garra para fortalecer a coragem;
5- Gerar determinação para persistir nas metas;
6- Ser ousado para superar desafios.
A profissional argumenta que tudo isso nasce por meio da idealização de um grande propósito de vida e da criação de objetivos. E que, assim como os atletas, não treinar somente a parte física – ou intelectual – mas, principalmente, o mindset. “Aos que buscam suas próprias oportunidades e àqueles que estão pensando sobre sua caminhada, desejo que despertem o sentimento vencedor existente em cada um. Todos possuem talentos, capacidades e habilidades para lidar com seus sonhos de forma criativa”, finaliza a especialista.

Aprenda a ganhar uma discussão

LuMaxArt Full Spectrum Collection Linkware Sampler : Orange LuMaxArt Linkware Freebie Image:  Use it however you like all I ask is a credit link to: www.lumaxart.com or www.thegoldguys.blogspot.com

Discutir com outras pessoas pode até ser normal, afinal, nada mais natural do que ter pontos de vista distintos sobre determinado assunto. Porém, dependendo do caso, é possível que uma relação seja abalada por desentendimentos levados muito a sério, por exemplo.

Segundo Andreia Rego, que trabalha com coaching e psicanálise, o pior dos casos não é quando há uma discussão dentro de casa, mas, sim, no ambiente profissional. “Por nem sempre se ter muita intimidade com a pessoa, o clima fica mais delicado de ser resolvido. Por isso, acredito que, ao invés de simplesmente abandonar a intenção de expressar seu ponto de vista, é possível aprender a expressá-lo”, conta.

Andreia cita maneiras de como tratar um colega da empresa durante uma discussão, e, assim, “conquistá-lo”:

1.   Escute

Antes de tudo, escute o que seu colega tem a dizer, para que, então, haja a possibilidade de persuadi-lo a enxergar de nova forma. Quem sabe, com esse primeiro passo, você possa até mesmo encontrar um meio-termo, trazendo ganhos para ambos.

2.   Desenvolva empatia

Procure entender o que está causando reação negativa do seu colega. Talvez, ele esteja com problemas em casa ou mesmo no trabalho, ou ainda não saiba de alguns fatos que podem mudar sua opinião. Procure entender antes de brigar com ele logo de cara.

3.   Tranquilize sua voz

Na maioria das vezes, é no tom da voz que a pessoa usa que pode-se perceber se ela está irritada, magoada, etc. Então, como diria o ditado “abaixe sua voz e melhore seus argumentos”, pois, senão, a pessoa sem razão nessa estória será você. Procure se tranquilizar e falar num tom próximo do normal, isso também fará a pessoa abaixar sua voz e prestar atenção em você.

4.   Foque no seus argumentos

No calor da discussão, as pessoas podem esquecer que bons argumentos são os fatores mais importantes de uma discussão. Nunca esqueça que o mais importante é ter fatos que comprovem seu ponto de vista; se eles forem fortes o suficiente para fazer a pessoa trocar de ideia, melhor ainda!

5.   Não ataque o outro

O mais importante é não fugir do ponto principal, que é seu motivo para estar discutindo, o que, no ambiente de trabalho, geralmente será voltado para algo relacionado à empresa. Nunca parta para outros âmbitos, como características pessoais ou defeitos da pessoa em si, isso só enfraquecerá o seu lado.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

Instagram: Andreia Rego

E-mail: asrego@gmail.com

Celular: 21 99941.9950

Currículo: a porta de entrada na empresa

imagem_release_445962Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas pensam, normalmente, no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional, que é feita, primeiramente, através do currículo.

Para muitos, o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel, e o que o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. “O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você”, afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

A Coach orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. “Nome, idade e endereço, bem como os contatos, são essenciais, mas não pode-se parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos (como de idiomas ou de outras habilidades) também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações, experiências profissionais e cases de sucesso, não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial”, explica.

A profissional diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. “Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, nada de pânico: esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante”, observa.

A profissional finaliza, lembrando que o currículo é como um cartão de visitas para aqueles que não foram contratados ainda. “Existem milhares de modelos de currículos na Internet. Procure aquele que encaixe melhor com seu momento profissional, e não esqueça de mostrar seus diferenciais”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

O coaching no aprimoramento pessoal

imagem_release_444827Realizar mudanças, mesmo que seja para o melhor, não é uma tarefa fácil para a maioria das pessoas. Sair do lugar-comum e arriscar, seja no âmbito profissional ou pessoal, geralmente requer muita preparação. A verdade é uma só: são poucas as pessoas que se sentem confortáveis com grandes mudanças, mas isso, necessariamente, não é uma coisa ruim.

Os processos de coaching são uma alternativa para quem quer superar uma barreira em sua vida, trocar de emprego ou fazer alguma outra grande mudança, mas não sabe como. Eles ajudam, de forma simples e direta, a transformar realidades em que o indivíduo não consegue perceber a possibilidade de mudança, e, consequentemente, não pode atingir a realidade positiva que ele deseja. De forma geral, pode-se dizer que o coaching é um acelerador de resultados.

Segundo a psicóloga e coach Cíntia Seabra, conhecida no Brasil inteiro pelo seu método de emagrecimento online “O Segredo do Emagrecimento em 8 Semanas”, o coaching é uma forma de aprimorar pessoas, desempenhos e resultados. “Muitas das dificuldades que as pessoas têm originam-se na mente, causando preocupações e prejudicando na tomada de decisões. O coaching faz com que você assuma o controle da sua vida ao ter mais segurança e comportamentos adequados para que ocorra a mudança de hábitos necessária para uma vida mais satisfatória”, afirma.

A profissional esclarece que o coaching pode acontecer de várias formas diferentes, para alcançar diversos resultados. Em sua empresa, Seabra Coaching, existem três tipos de processos: o Coaching de Vida, Coaching de Negócios e Coaching Executivo. “O primeiro é voltado para quem quer promover mudanças urgentes na sua vida pessoal ou profissional, como para emagrecer, planejar sua carreira ou melhorar seu relacionamento. Já o segundo é feito para quem precisa alavancar resultados rápidos nos negócios, como abrir um novo empreendimento, crescer ou inovar. Por fim, o executivo é direcionado a gestores, líderes e empresários que querem alcançar melhores resultados, administrando melhor seu tempo e gerenciando melhor o dia a dia corporativo, por exemplo”, explica Cintia.

O coaching tem uma taxa de aceitação muito grande atualmente, sendo amplamente aprovado por quem o utiliza, como é o caso de da produtora executiva sênior, Laura Lacerda Fonseca. “O coaching de Cintia me fez crescer como ser humano, já que eu estava estagnada profissionalmente e, com sua ajuda, pude me encontrar”, conclui.

Serviço: Cintia Seabra

Master Coach  e ​​Psicóloga Clínica

cintia@seabracoaching.com.br e cintia@osegredodoemagrecimento.com.br

www.seabracoaching.com.br e www.osegredodoemagrecimento.com.br

A felicidade no trabalho existe?

imagem_release_445946No imaginário popular, o trabalho é tratado como algo penoso,que perdurará por sua vida toda, e que as pessoas acabam se acomodando em uma empresa onde não são felizes, apenas por estabilidade financeira.

Esse estigma de que o trabalho apenas serve para ganhar dinheiro deve ser acabado, pois, já que as pessoas passam boa parte das suas vidas trabalhando, deve-se procurar uma função que traga felicidade e, ao mesmo tempo, um bom sustento.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, a busca pela felicidade profissional é válida, apesar de não ser fácil. “O seu trabalho não pode ser tratado como algo negativo, onde você se sente preso e insatisfeito. Pelo contrário, o ideal é que você se sinta motivado para trabalhar, goste das suas funções e, claro, ainda esteja satisfeito com seu salário. Nenhum local de trabalho será 100% ideal, pois em qualquer lugar existirão falhas (um colega inconveniente, você poderia ganhar mais, não existe plano de saúde, etc), mas a pessoa deve sempre buscar sentir prazer pelo que faz”, explica.

A profissional afirma que a busca por uma vida material mais humana pode ser desenvolvida através do trabalho, desde que este seja realizado de maneira agradável. “Para uma pessoa se sentir feliz dentro do ambiente de trabalho, normalmente, considera-se cinco importantes fatores. O primeiro é o ambiente, que deve ser motivador e inspirador; imersão é o segundo fator, que é quando a pessoa se sente engajada e motivada para trabalhar. Reconhecimento, terceiro ponto, é quando há uma remuneração justa, além da consideração dentro do ambiente profissional. Os últimos dois fatores, equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, compõe o quadro que deixa a vida de qualquer pessoa mais satisfatória”, elabora.

Madalena finaliza, dizendo que, ao mesmo passo em que o profissional deve buscar ser feliz no ambiente de trabalho, é função dos superiores tornar esse ambiente agradável para todos. “Quando os colaboradores estão felizes, a empresa funciona melhor, gerando mais resultados para a empresa”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Você quer se aposentar antecipadamente?

imagem_release_446319As condições para se aposentar no Brasil têm sofrido mudanças que vão impactar a vida de todos os contribuintes. Segundo a Medida Provisória publicada pelo Governo Federal, o que acontece é que a maneira de calcular a aposentadoria vai mudar, já que a expectativa de vida da população aumentou, e isso impacta no tempo de serviço de cada trabalhador ligado ao INSS.

Segundo essa nova decisão, a aposentadoria por idade continua a mesma (60 anos para mulheres e 65 para homens), sendo que, nesse caso, o beneficiário tem direito a um salário mínimo por mês. Já a aposentadoria por tempo de contribuição, que é 30 anos para mulheres e 35 para homens, funcionará com sistema de “pontos”, quando o beneficiário quer ter direito à aposentadoria integral. Nesse caso, a soma a ser feita, da idade com a contribuição, deverá ser de, no mínimo, 85 para mulheres e 90 para homens.

Com esse novo cenário se apresentando no Brasil pode-se pensar: será que é uma boa ideia se aposentar cedo do que a aposentadoria por idade permite? De acordo com o advogado Tiago Kidricki, sócio do Kidricki e Sousa Advogados Associados, de Porto Alegre, alguns pontos devem ser analisados antes de tomar essa decisão. “As pessoas só pensam na parte do tempo livre e menor estresse, mas se esquecem que é muito difícil manter certo padrão de vida após a aposentadoria, salvo alguns casos especiais”, comenta.

Ele, que é especializado na área do Direito Previdenciário, explica que a decisão de se aposentar mais cedo deve levar em conta, principalmente, os fatores financeiros. “No Brasil, a maioria das pessoas não possui uma grande aposentadoria, o que pode complicar a situação de muitos. Aconselho que quem tiver interesse em se aposentar mais cedo procure diminuir seus gastos desde já, para se acostumar a um estilo de vida com uma renda menor. Leve em conta os projetos e despesas que você terá ao longo da vida – viagens, faculdade dos filhos, etc-, e pondere se a aposentadoria antecipada é uma boa opção”, afirma.

O advogado também fala que a pessoa precisa estar ciente de que seus benefícios também serão diminuídos. “Em idades mais avançadas, é necessário ter um plano de saúde que cubra eventuais emergências, algo que a maioria das empresas de médio e grande porte oferece aos seus funcionários e família. Além disso, é preciso estar em dia com seus documentos e pagamentos relativos ao governo, como o INSS, por exemplo. Quando as coisas não estão em ordem, dificilmente o contribuinte terá seus direitos assegurados, como o auxílio-desemprego ou auxílio-doença, quando necessário”, observa.

Kidricki finaliza, explicando que, antes de tomar qualquer decisão é recomendável que o indivíduo procure auxílio profissional, tanto no quesito de averiguar se sua situação financeira é favorável a uma aposentadoria antecipada, quanto no jurídico, para saber se a pessoa está com todos seus documentos, requerimentos e pagamentos em dia.

Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Tiago Beck Kidricki – OAB/RS n. 58.280

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre

51 30283443

www.ksadvogados.com.br

Você tem uma carreira ou um emprego?

imagem_release_435246Algumas pessoas têm empregos. Já outras, e essas são, geralmente, mais realizadas com suas vidas, têm carreiras. A diferença entre um e outro não é tão sutil quanto se pode pensar: o primeiro é apenas uma fonte de renda, que você usa apenas para pagar as contas, mesmo não estando satisfeito com sua função, o segundo é uma realização, algo por que você lutou e luta muito para que se torne realidade, e que envolve dedicação, estudo e muita, mas muita competência.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, muitas pessoas se acomodam ao encontrar um emprego que supre suas necessidades financeiras, mesmo que ele não lhe dê tanta satisfação, e deixam suas carreiras para trás. “A carreira- uma série de empregos que culmina em uma realização maior- é, infelizmente, perseguida por todos. O que acontece é que muitos profissionais que possuem uma grande capacidade acabam por se acomodarem em uma empresa onde não são felizes, e só estão lá para cumprir horário e pagar as contas”, observa a profissional.

Entretanto, de acordo com o que explica a coach, as pessoas só percebem que possuem um emprego depois de muito tempo. “Quando você para de se sentir desafiado, e é recompensado por fazer nada além do que te pediram, tenha certeza: você está em um emprego, não uma carreira”, conta.

Madalena explica que diversos são os fatores que fazem com que uma pessoa se acomode: crises financeiras, problemas pessoais, etc., mas que, mesmo assim, não se pode abandonar seus sonhos de ter uma carreira próspera e satisfatória, por mais que a situação não esteja boa, em determinado momento. “Agarrar-se à sua vocação profissional é muito importante, pois, por meio dela, as pessoas podem se realizar, e, com isso, executar um trabalho muito melhor, já que, quando gostamos de algo, nos empenhamos muito mais”, lembra a coach.

Ela finaliza, propondo uma reflexão para todos: você é feliz tendo apenas um emprego? O que aconteceu com seus sonhos de construir uma bela carreira, da qual você poderia se orgulhar? Afinal, você tem uma carreira ou um emprego?

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Tempo: você sabe administrá-lo?

Concept of time with businessman that hold an alarm clock

O ditado popular afirma que “tempo é dinheiro”, mas, mais importante que isso, é preciso ressaltar que o tempo também é investimento e qualidade de vida, se for bem gerido. Falta de planejamento prévio e de prioridades, excesso de trabalho ao longo do dia (tanto no ambiente profissional quanto no pessoal) e falta de ajuda externa (de colaboradores ou em casa) podem consumir muito o tempo de alguém, causando um estresse que, por diversas vezes, poderia ser evitado.

Segundo Andreia Rego, que trabalha com coaching e psicanálise, é necessário que as pessoas tenham um bom uso de seu tempo, e que podem e devem evitar alguns sintomas que se tornam fatores nocivos à vida, comprometendo os resultados dos negócios e da esfera pessoal. “As consequências da má administração desse tempo são inúmeras e precisam ser observadas no dia a dia de cada empreendedor. Uma pessoa que é estressada, cansada e doente por causa do seu trabalho não pode ter relacionamentos de qualidade”, afirma.

Ela, que é Master Business em Administração com ênfase em Humanas, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), explica que, no processo de coaching, é funcional trabalhar com ferramentas que possibilitam melhor compreensão e gerenciamento do tempo. “Um dos recursos se chama Tríade do Tempo. Ela permite entender sobre três esferas pelas quais todo indivíduo passa: importante, urgente e circunstancial. É possível identificar o resultado dessas três camadas, criando nova consciência e postura”, esclarece. A coach diz que, quando detectada a má administração do tempo, a atitude do empreendedor deve ser a de estar aberto para modificar sua dinâmica de vida, horários e comportamentos viciosos, pois comprometimento e determinação são pontos que colaboram de forma positiva para uma melhora de vida.

Andreia também acredita que uma outra ferramenta, chamada Linha do Tempo, pode ser benéfica para quem precisa aprender a lidar com períodos, fases e ciclos. “No cotidiano, ela auxilia na percepção de como o administrador/empresário/empreendedor está no momento presente da vida, criando ações objetivas e úteis no ‘agora’ para o futuro. Esse método é excelente para se trabalhar com metas, onde cada passo dado representa maior aproximação da gestão do tempo. Os resultados são colocados no dia a dia, de acordo com as percepções e próprias ideias sugeridas pela pessoa”, afirma a coach.

A profissional enfatiza que, com essas dinâmicas, é possível distinguir quais atividades merecem mais atenção, em tempos onde tudo parece urgente. “Buscando melhor entendimento sobre seu tempo, o empreendedor pode traçar metas realistas e ao mesmo tempo ambiciosas, visando manutenção e ampliação dos seus negócios”, pontua.

Andreia ainda oferece dicas para que o empreendimento e a gestão do tempo se tornem uma parceria de sucesso:

  1. Buscar ferramentas que auxiliem na melhor gestão de tempo e organização;
  2. Criar metas claras e objetivas, de curto, médio e longo prazo, com início e fim de validade;
  3. Construir planos de ações eficazes, priorizando o que é importante;
  4. Monitorar cada fase das metas e dos planos de ações para redefinir melhorias;
  5. Administrar a organização financeira do empreendimento versus tempo com investimentos;
  6. Estabelecer espaços para manter a qualidade de vida pessoal;
  7. Criar uma atmosfera onde as relações interpessoais funcionem com maestria, pois atendimento, comunicação, negociação e estratégias emocionais são fundamentais no mercado acirrado e competitivo.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

Face: https://www.facebook.com/andreiasrego?ref=hl 

Instagram: Andreia Rego

Site: http://coachandreiarego.com.br/

E-mail: asrego@gmail.com

Celular: 21 99941.9950

Por que é tão difícil obter os benefícios do INSS?

imagem_release_443318Em teoria, o INSS é o órgão procurado quando algum brasileiro, que contribuiu durante anos no país, vai em busca da sua aposentadoria, pensão, ou algum outro benefício- como o auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez.

Entretanto, não é tão simples quanto parece obter este benefício. Para muitas pessoas, conseguir garantir este direito torna-se uma batalha, que pode durar muitos anos. Segundo Tiago Kidricki, advogado especializado no setor previdenciário, para receber o auxílio-doença, por exemplo, não basta portar uma doença. “Esta condição deve poder deixar o contribuinte incapacitado para trabalhar em sua atividade habitual por, pelo menos, 15 dias consecutivos, segundo o artigo 59 da Lei 8.213/1991”, explica.

Já a aposentadoria por invalidez, por outro lado, é aceita quando o segurado for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta subsistência. “Exemplifico, para que seja mais fácil compreensão: se uma segurada tem como atividade habitual ser massagista, e ela desenvolve uma doença que faz com que ela tenha que parar de trabalhar, ela pode requerer o auxílio-doença, se as dores perdurarem por mais de 15 dias. Já se não houver possibilidade de recuperação, e ela não exercer outra atividade, ela pode requerer a aposentadoria por invalidez”, afirma o profissional.

Kidricki ressalta que tanto o auxílio-doença quanto a aposentadoria por invalidez podem decorrer de algum acidente, desde que se encaixem nos termos citados. “Mesmo o direito dos brasileiros ser assegurado por lei, muitos não o conseguem, pois o INSS exige que os contribuintes levem provas materiais de que eles possuem a doença, qual sua renda, quais são suas limitações, etc. Tudo isso leva tempo, e já houveram casos de trabalhadores que esperaram por mais de 10 anos para obter seu benefício”, observa.

Ele, que faz parte do Kidricki e Sousa Advogados Associados, escritório de Porto Alegre, finaliza, lembrando que, apesar das dificuldades, sempre é possível lutar para garantir seus direitos. “Quem tiver algum desses pedidos negados pode recorrer de duas maneiras: recorrer administrativamente à autarquia ou entrar na Justiça. Sempre recomendo que as pessoas procurem um advogado de confiança, pois, deste modo, é maior garantia de que seus direitos serão atendidos de uma maneira justa, e em um tempo mais curto”, conclui.

Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Tiago Beck Kidricki OAB/RS n. 58.280

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre.

Fone: 30283443

www.ksadvogados.com.br

Quem você vai querer ser daqui uma década?

imagem_release_435235Todos os dias, as pessoas são bombardeadas com informações sobre novas tecnologias, novas formas de se fazer negócios e novos nichos mercadológicos, entre outras coisas. Se, há 10 anos atrás, muitas pessoas não tinham celulares, e hoje ninguém sai de aplicativos como WhatsApp, Facebook e Instagram, tudo por culpa da popularização do smartphone e da Internet móvel, imagine como estará a sociedade daqui 10 anos, quando tudo estiver mudado?

De acordo com o que conta Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, o mundo está vivenciando uma transformação incrível, em uma velocidade nunca antes vista. “Até fecharmos mais uma década, ou seja, em 2025, muita coisa acontecerá, mudando a forma como enxergamos o mundo”, comenta.

Ela afirma que o impacto da tecnologia no trabalho será muito maior do que já é hoje, pois o mundo estará mais globalizado. “O que sabíamos fazer antes não terá utilidade alguma daqui 10 anos, e diversas outras habilidades serão exigidas dos profissionais. Claro, não temos como prever de antemão o que acontecerá, mas é possível se manter (ou, pelo menos, tentar) no mesmo ritmo das mudanças no mundo corporativo”, pontua.

A coach explica que para o profissional de hoje ainda ser bem sucedido e colocado no mercado de trabalho daqui 10 anos, é preciso se atualizar sempre. “Existem três atitudes que devem ser tomadas hoje (e sempre) pelos profissionais que se destacarão no futuro. A primeira é ter uma capacidade constante de inovar, para entregar resultados diferenciados. A segunda é não ter medo de arriscar, pois isso permite que as pessoas fiquem em uma zona de segurança, e buscar desafios será visto com bons olhos, futuramente. Além disso, a pessoa precisa ter o desejo de aprender e se aprimorar constantemente, tendo em mente que o que se sabe nunca é o suficiente”, esclarece.

Madalena finaliza, lembrando que o profissional que muda junto com o mundo tem maiores chances de se manter bem colocado e satisfeito, contrariamente a quem opta pela inércia e tem medo de tentar coisas novas.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Você está pronto para uma promoção?

imagem_release_442399A busca por um emprego duradouro, onde se possa permanecer por muitos anos, é válida. Entretanto, o que causa infelicidade em muitas pessoas, é o fato de que elas não mudam de cargo por um grande período de tempo, o que faz com que as mesmas funções acabem se tornando massivas.

Ao mesmo tempo, essas pessoas não fazem ideia de como mudar sua situação, e tornar a vida na empresa agradável novamente. Segundo o empresário e palestrante motivacional Eraldo Melo, a primeira atitude que deve ser tomada é fazer bem o seu trabalho sempre, realizando até mais do que lhe é pedido, para impressionar seus superiores. “Acredito que outro ponto importante é começar a treinar alguém que você julgue ser capacitado para substituí-lo, quando à hora chegar. Desse modo, seus superiores ficarão duplamente impressionados: pelo bom trabalho que você vem exercendo e pela sua pró-atividade em procurar alguém que possa tomar seu lugar”, explica.

Ele, que é dono de cinco empresas nos ramos de serviços gerais e vigilância, afirma que o mais importante dentro de um trabalho é fazer algo que o deixe feliz. “Caso você não encontre essa felicidade no ambiente de trabalho, a melhor coisa a se fazer é buscar novos ares, seja dentro da mesma empresa, com uma função diferente, ou em outro local. O colaborador deve demonstrar aos seus superiores que suas habilidades e ideias podem alavancar novos negócios, beneficiando a empresa em si”, esclarece.

O empresário observa que, normalmente, na hora de oferecer uma promoção à alguém, os superiores analisam se esta pessoa está realmente pronta para exercer esse cargo. “É preciso levar em conta se o colaborador pode acarretar em pontos positivos para a empresa, bem como se ele deseja realmente crescer na empresa, pois, às vezes, as pessoas afirmam que querem crescer, mas não estão psicologicamente prontas para isso”, pontua.

Melo finaliza, lembrando que as empresas não se interessam por quem só quer ganhar dinheiro. “Os superiores se prestam atenção em quem faz a diferença nas funções, sabendo diferenciar daqueles que só pensam no lucro financeiro. Tudo isso é levado em conta na hora de tomar a decisão. Por isso, se atente para suas atitudes no ambiente de trabalho, pois suas atitudes hoje podem colher frutos amanhã”, conclui.

Serviço: Eraldo Melo

Ex Faxineiro, Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

Fone: (64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

O lado positivo da desorganização

89Muitas pessoas tendem a acreditar que quem é mais organizado é bem sucedido, ao passo que quem não consegue manter as coisas no lugar são criticadas. Porém, não manter a mesa ou o armário constantemente organizados não é tão ruim quanto parece, pois, segundo pesquisas, pessoas desorganizadas são mais criativas.

De acordo com um estudo realizado em 2013 pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, pessoas que possuem quartos, escritórios e mesas bagunçadas possuem a tendência de serem mais inventivas do que quem tem mania de deixar tudo impecavelmente organizado. Não se trata, nesse caso, de deixar a higiene de lado, permitindo que o lixo se acumule, por exemplo, mas, sim, deixando a já conhecida “bagunça organizada” acumular, que pode ser bem-vinda para muitas pessoas.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, sinais de que a pessoa lida bem com a bagunça organizada podem ser percebidos facilmente no dia a dia de cada um. “Por exemplo, se a sua mesa for bagunçada, mas você ainda tiver total controle sobre ela, pode indicar que seu nível criativo é elevado. A criatividade pode ser notada, também, em casos em que a pessoa mais desorganizada é a mais metódica”, observa.

O profissional lembra que ambientes desorganizados podem estimular a criatividade, pois faz a pessoa pensar fora das linhas de raciocínio tradicional. “Personalidades influentes, e que causaram um grande impacto no mundo, como Albert Einstein e Steve Jobs, por exemplo, eram conhecidas por não serem organizadas, e acredita-se que isso pôde influenciar na suas capacidades criativas”, explica.

Borba finaliza, lembrando que, para quem é desorganizado, encontrar um equilíbrio entre a desorganização e a urgência de limpeza é muito importante, para que seu local de trabalho ou descanso ainda possa ser saudável, ao mesmo tempo em que se mantém dentro do padrão de cada um.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Em um ano difícil, diferenciar-se é essencial

imagem_release_423573O ano já começou, e está praticamente na metade, e as previsões apenas confirmam: 2015 será (e está sendo) um ano difícil para a economia brasileira. Alguns falam em uma crise duradoura, outros falam que o PIB crescerá pouco (ou nada), já mais uma meia dúzia afirma que os juros serão altíssimos e que o dólar chegará a R$5,00.

Em meio a este cenário de recessão, demissões e uma reorganização interna em empresas é comum, afinal, ninguém quer ficar no vermelho. Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, em tempos de crise a primeira coisa a ser feita é não perder a cabeça. “Manter a calma e ter uma atitude positiva, e não conformista, ajuda os profissionais a se destacarem e a colher esses frutos quando a crise passa. Por enquanto, existem mais previsões do que certezas, e, por isso, esta é uma boa hora para identificar as oportunidades e se destacar no mercado”, afirma.

Ela explica que é em anos difíceis que os bons profissionais podem ser identificados. “Em anos bons, todos podem prosperar, por mais sorte do que juízo, o que permite que muitos se deem bem, mesmo não sendo tão competentes. Em anos difíceis, como o nosso atual, é preciso ser um verdadeiro profissional e provar seu valor, beneficiando a empresa e a si próprio, também”, pontua. A profissional ainda lembra que em cenários como estes, os consumidores também se tornam mais exigentes, por perceber que seu dinheiro possui muito valor. Ou seja, mesmo com o poder de compra diminuído, os clientes querem investir da maneira correta, em empresas e produtos que tenham qualidade e bom atendimento.

Madalena sugere que, neste ano, os profissionais busquem se diferenciarem no mercado de trabalho. “Participar de oficinas, palestras, cursos de aprimoramento de habilidades, por exemplo, ajuda o profissional a se destacar, tanto dentro da própria empresa, quanto para o mercado externo”, conta. A coach fala que pensar diferente, para buscar soluções dentro do ambiente empresarial pode mostrar pró-atividade. “Se a perspectiva da empresa é ganhar menos, por exemplo, o funcionário pode pensar em maneiras de ganhar em produtividade, por exemplo”, exemplifica.

A diretora geral lembra que os superiores sempre desejam números mais expressivos, e que isso só é conseguido com pessoas tecnicamente preparadas, e espiritualmente motivadas para isso. “Para os superiores, investir nas pessoas certas é o melhor caminho, e, para os colaboradores, investir em si mesmo também é garantia de sucesso. De maneira geral, buscar se superar, mostrar suas ideias e manter a cabeça calma é o melhor caminho para atravessar essa crise”, finaliza.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Uma lição de empreendedorismo

7Os zeladores, faxineiros e auxiliares de serviços gerais estão presentes em todos os segmentos das vidas cotidianas de absolutamente todo mundo, e, mesmo assim, por diversas vezes, esses valorosos profissionais não recebem o respeito e a admiração que merecem.

O que muitas pessoas não percebem, é que, sem estes profissionais, a vida seria uma bagunça; do mesmo modo como, sem um professor ou motorista de transporte público, a cidade para, sem os profissionais da limpeza viveríamos em meio a nossa própria sujeira, o que tornaria a convivência impossível, especialmente nas grandes cidades.

Além disso, em diversos ambientes de trabalho, chega a acontecer desrespeitos por parte de superiores, na hora de se relacionarem com funcionários que prestam serviços gerais. Eraldo Melo, entretanto, é a prova viva de que esta situação pode ser mudada. O agora empresário começou sua carreira em uma das cinco empresas que hoje possui como Auxiliar de Serviços Gerais, sendo promovido, pouco tempo depois, a Encarregado de uma equipe de 10 pessoas. Segundo ele, seus colaboradores eram extremamente desmotivados a irem trabalhar, o que ocasionava muitas faltas e baixa produtividade, e, uma das maiores reclamações deles era que seus superiores se quer lhes davam “Bom dia”, e, muito menos, elogiavam seu desempenho, quando eles cumpriam sua tarefas ou obrigações acima do esperado.

Melo resolveu esta situação ao se reunir mensalmente com seus colaboradores, para que pudessem discutir sobre o trabalho e as melhorias que deveriam ser feitas no setor. A partir disso, os funcionários se tornaram mais motivados, desempenhando seus papeis de maneira mais eficiente e produtiva. Dessa maneira, a empresa, utilizando os treinamentos oferecidos pelo empresário, conseguiu mais credibilidade com seus antigos clientes, além de novos contratos, pois demonstrou o seu verdadeiro valor humano.

Segundo o empreendedor, “cada função tem o seu valor, por isso, não podemos subestimar a capacidade ou o trabalho de ninguém. O faxineiro de hoje pode ser o chefe de amanhã, mas, independente disso, a gentileza é indispensável. Afinal, educação é algo que vem do berço”, conclui.

Serviço: Eraldo Melo

Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

Como transformar crise em oportunidade?

imagem_release_432207O termo “crise”, do Latim Crisis, significa “ato de separar, decisão, julgamento, evento, momento decisivo”. Por outro lado, temos o termo “oportunidade”, que é descrito como uma circunstância ou conjunto de circunstâncias propícias para que algo aconteça. Se esses dois termos forem avaliados, é possível perceber que eles se completam, e não se invalidam.

Segundo o coach financeiro Robson Profeta, esses termos precisam ser analisados para que as pessoas estendam sua consciência financeira, e entendam quais investimentos e gastos podem ser considerados adequados para suas presentes situações ou não.

Com todas as incertezas da atual economia, fica difícil saber, com toda a certeza, como utilizar bem seu dinheiro, não ficando no vermelho e ainda sobrando alguma quantia, que pode ser poupada para o futuro.

O coach listou alguns paralelos, que podem ajudar a compreender melhor a maneira como se administra seu dinheiro, confira:

  • Boa compra – Em momento de crise, pessoas e empresas vendem ativos por preços abaixo do mercado pois precisam se capitalizar. Fique atento, pois a boa venda só é boa se, antes, ocorrer a boa compra. Em momentos de crise, boas compras aparecem. Abra os olhos e fique atento (a);
  • Inflação – Se você tem um negócio, pode manter o preço com reajustes abaixo da inflação, e captar nova carteira de clientes. E, muitas vezes, para ficar competitivo no mercado, muitos setores produtivos aprimoram seus processos produtivos a fim de reduzir o custo de produção e consecutivamente melhorar seu preço final;
  • Negócios emergentes – Neste momento de crise, perceberam como empresas que fabricam lápis de cor estão vendendo, além da febre dos cadernos com pintura, que não foi afetada pela crise. Enxergue negócios emergentes, eles existem e devem ser explorados;
  • Medo – O medo imobiliza a decisão em enfrentar a crise. Não cabe ao governo, ao seu chefe ou ao seu amigo tomar uma decisão por você. Uma das coisas que ajuda a minimizar o medo é a busca pela informação, pois ela auxilia no processo de tomada de decisão. Use a crise como válvula propulsora na busca de informação e, consecutivamente, oportunidade;
  • Desejos – Como bem disse Scott Flanagan, “Cuidado com o que deseja, você pode acabar por conseguir”. Se espera crise, é crise que virá, já quem espera oportunidade, a encontra;
  • Os copos – Dois copos estão com água pela metade. Você pode enxerga-los meio cheios ou meio vazios, ou seja, a perspectiva de crise ou oportunidade está na sua perspectiva de ver as coisas;
  • O lobo e o cordeiro – A crise e oportunidade são como o lobo e o cordeiro. O vencedor será aquele que você alimentar!
  • Choque financeiro – Em momentos difíceis, as pessoas resolvem cuidar mais de suas finanças, e é exatamente neste momento que tomam contato com suas realidades, melhorando sua visão financeira do futuro, para não repetir os erros do passado;
  • Líderes que nascem – Os grandes líderes aparecem em momento de crise, pois são exatamente eles que trazem as boas novas para a civilização, encontrando soluções nos lugares mais improváveis.

Serviço: Coach Financeiro​

Robson Profeta

Site: www.robsonprofeta.com.br

E-mail: rp@robsonprofeta.com.br

Tel:  11  98107-1003

Saiba mais sobre a revisão de aposentadoria

imagem_release_422413Já foi bastante noticiado, pela mídia brasileira, que a maioria das revisões de aposentadorias foi prejudicada pelo julgamento da decadência, feito pelo STF, que decidiu ser irremediavelmente de 10 anos o prazo para interpor revisão de benefício.

Entretanto, o que parecia ser o fim da esperança de revisão para qualquer beneficiário com mais de 10 anos de benefício, não é tão simples quanto parece, segundo a advogada Luciana Alvares de Castro e Sousa. Ela afirma que a decadência somente incide para a revisão que discute o ato de concessão da aposentadoria, como, por exemplo, a renda mensal inicial. “Algumas revisões não estão subordinadas a este prazo de 10 anos, e a principal delas refere-se à revisão do teto do INSS. Essa revisão tem tido um grande volume de ações judiciais, com melhora considerável na maioria dos casos dos segurados que a realizam”, explica a profissional.

Ela, que é especialista em Direito Previdenciário, e sócia no Escritório Kidricki e Sousa Advogados Associados, de Porto Alegre, fala que, de tanto perder esses processos, e, também, após o posicionamento favorável por parte do STF, o INSS se comprometeu a realizar a revisão do teto para as aposentadorias a contar de 1994. “O número expressivo de segurados consiste nos benefícios anteriores a 06/04/1991, aposentados e pensionistas que foram discriminados pelo INSS, que se recusa a revisá-los por força da limitação ao teto. E são estas pessoas, geralmente mais idosas e que mais precisam, que agora têm essa esperança nova de revisão, basta ter sido limitado o benefício ao teto”, esclarece.

Luciana ainda complementa, falando que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região vem decidindo seguidamente em favor destes aposentados na revisão do teto, já que não se vislumbra razão alguma em discriminá-los, como pretende o INSS. “Ao aposentado ou pensionista que foi limitado ao teto na época de sua aposentadoria ou pensão, ou tem dúvida acerca do tema, eu aconselho procurar advogado previdenciarista de sua confiança para dar os devidos encaminhamentos, e garantir o que é seu por direito”, conclui.

Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Luciana Alvares de Castro e Sousa – OAB/RS 58.479- advogada militante e especialista em Direito Previdenciário

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre

Fone: 30283443

www.ksadvogados.com.br

www.ksadvogados.com.br

E se você exigisse mais dos seus candidatos?

imagem_release_422476Entrevistas de emprego são, quase sempre, parecidas. O candidato chega, fica esperando em uma sala (nervoso, geralmente), aguarda até ser chamado e o “interrogatório” começa. Claro, fazer perguntas para saber as qualidades e o que o candidato pensa de si mesmo é importante, mas será que isso é tudo?

As velhas perguntas referentes às falhas, qualidades e aspirações não são mais o suficiente para diferenciar as pessoas em processos seletivos, com o alto nível de competição que pode-se perceber atualmente. Muitos vídeos, matérias e tutoriais na Internet já possuem essas respostas prontas, para que o candidato possa ver o que é, comumente, perguntado em processos seletivos. Como, então, diferenciar as pessoas e identificar o melhor profissional para sua empresa? Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, é preciso que os entrevistadores criem maneiras diferentes de testar as habilidades e qualidades dos candidatos. “Colocar a capacidade de alguém à prova, forçando-o a revelar sua verdadeira identidade, é uma forma de descobrir quem aquela pessoa sentada à sua frente realmente é”, afirma.

Ela lembra de um caso muito comentado, de um processo seletivo inovador feito pela marca de cervejas Heineken. Ao longo do vídeo feito sobre essa ação, é possível perceber que todos os candidatos respondiam coisas parecidas, ao afirmar que combinavam bem com a vaga por gostarem muito de futebol (a empresa é patrocinadora de diversas competições do esporte) ou que seu estilo de gerenciamento era “apaixonado”, por exemplo.

Madalena afirma que a marca procurava uma pessoa entre 1734 candidatos para ser trainee para seu departamento de patrocínios e eventos, e isso é como procurar uma agulha num palheiro. “Dessa forma, eles fizeram três provas diferentes para ver como eles se saíram, tudo sem avisar os candidatos: andar de mãos dadas com o entrevistador, prestar primeiros socorros e ajudar os bombeiros a segurarem uma cama-elástica para que uma pessoa pulasse do prédio. Com isso, puderam identificar quem teria o perfil comportamental desejado para a posição”, explica.

Apesar de que nem todas as marcas e empresas possam fazer esse tipo de testes, por não serem tão grandes quanto a Heineken, a coach afirma que é possível, sim, que, em empresas de qualquer tamanho, testes práticos sejam feitos para testar as habilidades e o perfil comportamental dos candidatos. “Muitas vezes, a pessoa já está acostumada às respostas que os entrevistadores querem ouvir, e acaba por responder de forma automática. Com esses processos seletivos diferenciados, é possível perceber quem é adequado, de verdade, para o cargo, elevando o nível do corpo de funcionários de uma empresa”, pontua.

A coach finaliza, afirmando que é necessário sair do lugar comum, para entregar resultados cada vez melhores, e contratar pessoas que realmente são aptas para exercer determinada função, agregando valor e ajudando a empresa a crescer.

Saiba mais pelo vídeo: www.youtube.com/watch?v=zKeFBsU5Z5k

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Bom atendimento é garantia de satisfação

Coimagem_release_422363m a quantidade de opções mercadológicas que existem nos dias de hoje, a simples vontade ou necessidade de comprar um produto ou contratar um serviço não é mais o principal determinante na escolha de um cliente. Para conquistar a clientela, e ser a sua principal opção na hora da compra, é preciso se mostrar disposto a atendê-la da maneira correta.

O consumidor, além de qualidade e bom preço, também quer se sentir satisfeito na hora da compra, sentir que está sendo “bem cuidado” pelos vendedores. Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, faz diferença, na avaliação de quem está comprando, ter alguns elementos básicos atendidos por quem os atende. “A gentileza, principalmente, deve ser sempre visada e estimulada, por parte dos patrões, para seus funcionários. Ninguém gosta de ser mal tratado em lugar algum, o que dirá em um estabelecimento ou empresa em que se pretende gastar dinheiro”, afirma.

O profissional explica que é necessário, primeiramente, que haja um bom relacionamento entre os funcionários de diferentes equipes e setores, pois, se a empresa tiver um bom entrosamento, transmitirá simpatia, também, no atendimento. “Todos os colaboradores devem se esforçar e envolver na hora de receber, captar e fidelizar os clientes, para que eles sintam vontade de voltar”, conta.

Ele fala que o famoso ditado “não julgue um livro pela capa”, geralmente, é pouco lembrado nessas horas, pois, o primeiro atendimento em um empreendimento ou empresa pode ser crucial para a criação da imagem dele para o cliente. “Não se pode desconsiderar a opinião do freguês, seja em um atendimento via internet, telefone ou presencial. Uma boa ideia, que pode ser implementa pelos superiores, é pedir um feedback, dos clientes, para saber como os funcionários estão se saindo nesse setor, o que pode ser melhorado, etc”, diz.

Borba oferece algumas dicas para que um bom atendimento seja o “cartão de visita” da empresa ou empreendimento. “Ser simpático sempre, expondo seus produtos de maneira positiva, porém sem mentiras, é uma boa maneira de começar. Ligar ou mandar um e-mail para o cliente, para saber o que ele achou dos produtos e atendimento, indica preocupação com a satisfação”, sugere.

Ele ainda lembra que qualificar, sempre, a equipe, para que o atendimento seja sempre melhor, é uma forma de estimular os colaboradores, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa, na visão do cliente. “De maneira geral, tratar cada cliente como se fosse único tem grandes chances de fideliza-lo, e, promovendo a gentileza entre os funcionários e freguesia, faz com que o ambiente de trabalho se torne melhor”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Todo cuidado é pouco em planos de demissões

imagem_release_422456Incertezas políticas e econômicas preocupam o Brasil e o mundo. No território nacional, nos últimos tempos, protestos de diferentes classes trabalhistas, greves de funcionários públicos, escândalos de corrupção e a alta do dólar tem preocupado, e muito, a população, especialmente as empresas em geral, que, juntas, estão demitindo milhares de funcionários, para cortar os gastos.

Apesar de demissões em massa serem comuns em cenários de crise como o atual, muitas pessoas, consideradas mais essenciais ou valiosas para a empresa, continuam trabalhando, porém, com uma falta de motivação e medo característico de quem acabou de ver inúmeros colegas ficarem desempregados.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, em tempos de crise, a gestão de mudanças também pode ajudar nessa transição. “O clima organizacional fica muito pesado quando há um plano de demissões em andamento; as pessoas não param de falar sobre o assunto, e sentimentos misturados, como angústia e ansiedade, se tornam comuns, o que faz a produção cair consideravelmente”, explica a profissional.

Nesse ambiente de transações é que a verdadeira faceta de cada um começa a se mostrar, segundo o que afirma Madalena. “Existem dois tipos de comportamentos utilizados para resistir à mudanças: passivos, em que a pessoa deixa de produzir de maneira adequada e não colabora mais, e o ativo, em que o colaborador começa a sabotar a empresa, além de falar mal, ridicularizar e intimidar seus superiores. Essas posturas indicam como o indivíduo está digerindo as mudanças e desligamentos que estão ocorrendo no ambiente da empresa”, observa.

Mesmo com o cenário econômico em condições ruins, como o do Brasil atual, ainda se torna difícil para alguns assimilar a necessidade de mudança sem resistência. “Existem diversos motivos pelos quais uma pessoa pode lutar contra um processo de transformações, sendo alguns dos principais o medo dos resultados posteriores; a crença de que a mudança não é necessária; falta de confiança em seus superiores e sentimento de impotência perante o que está acontecendo”, lista a profissional.

A coach fala que conscientizar as pessoas que ficam na empresa sobre a necessidade dessas mudanças é fundamental, para que não fique nenhum sentimento de falta de justificativa ou satisfação. “Apesar de ser um processo doloroso, é preciso mostrar que é para o bem da organização. Incentivar o corpo de colaboradores a fazer sempre seu melhor, para que outros planos de demissões não ocorram, também é importante, além de evidenciar o porquê de tudo aquilo estar acontecendo, se pautando no que está ocorrendo com a economia, também pode ajudar”, pontua.

Madalena conclui, dizendo que os superiores devem dar o exemplo, se tornando mais presentes na vida empresarial, e, quando necessário, deixando de receber alguns benefícios, como forma de demonstrar que eles, também, estão se sacrificando. “Embora não seja possível agradar a todos com os processos de mudança, é papel dos líderes minimizar esse desconforto, mostrando que isso acontecerá para o bem coletivo e criando estratégias de gestão para acabar com as resistências às mudanças”, finaliza.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

O que os avaliadores esperam no speaking do TOEFL IBT?

imagem_release_423798Para muitas pessoas, estudar fora do país é um sonho, especialmente se for para fazer um curso de graduação ou pós-graduação. Entretanto, a maioria das universidades exige que os candidatos tenham exames de proficiência na língua do país de destino. Um dos exames mais bem recebidos no mundo é o TOEFL, dos Estados Unidos, uma prova de inglês aceita em 9.000 instituições, em 130 países diferentes.

Essa prova testa as quatro áreas do conhecimento: fala (speaking), escuta (listening), leitura (reading) e escrita (writing). Existem dois tipos de exames: o TOEFL IBT, que é realizado via internet, e o TOEFL ITP, feito de maneira tradicional, no papel impresso, sem speaking e writing.

Segundo Fernanda Frattarola, fundadora da plataforma Passe no TOEFL, que dá aulas online para quem quer passar nos exames, a prova do speaking é composta por seis perguntas. “As duas primeiras perguntas são independentes, ou seja, não dependem de nenhum texto ou suporte para que sejam respondidas. Elas dependem, somente, da opinião e experiência de vida do candidato que deve fazer a argumentação adequada”, conta. Por exemplo, se a pergunta for algo como  “quem é a pessoa que você admira?”, é preciso que o aluno justifique sua resposta, dando motivos, argumentos e exemplificando para que a resposta tenha fundamento.

Já as perguntas de três à seis são baseadas em áudio. “Seja referente a um texto lido anteriormente ou não, as perguntas são baseadas em conteúdo entregue por áudio, e o avaliador espera que o candidato possa resumir os pontos principais do exercício de escuta, para formular as respostas corretas”, conta. Ela complementa, dizendo que, apesar de não haver muita produção de conteúdo nessas questões da prova, é preciso prestar muita atenção, para selecionar o conteúdo adequado nas respostas.

Fernanda finaliza dizendo que para se dar bem no speaking do TOEFL IBT é necessário que o candidato conheça bem as questões, as estratégias, e que ele possa selecionar bem o conteúdo que foi exposto.

Saiba mais no vídeo: www.fernandafrattarola.com.br/o-que-os-avaliadores-esperam-na-speaking-section-do-toefl-ibt/#comments

Serviço: Passe no TOEFL

Fernanda Frattarola

www.facebook.com/passenotoefl?_rdr

www.fernandafrattarola.com.br/

Jovens empreendedores no Brasil mais que dobraram nos últimos anos

20Segundo uma pesquisa divulgada pelo Sebrae, em 2011, o número de jovens empreendedores brasileiros mais que dobrou nos últimos 14 anos. O senso comparou o número de jovens que saíram da faculdade em 2001 a 2011, e descobriu que, o valor aumentou de 370 mil a 700 mil empreendedores.

As características dos jovens empreendedores são resumidas em vislumbrar o sucesso e desejar a liberdade, não dependendo de ninguém para ganhar seu próprio dinheiro. Essas pessoas são motivadas pelos desafios, visam impactar a vida das pessoas, compartilhar informações e usar seu dinamismo para conquistar o mercado. Apesar de uma pesquisa realizada em 2014 pela CONAJE (Confederação Nacional dos Jovens Empresários) apontar que 72% dos jovens empreendedores brasileiros são homens entre 26 e 31 anos, não é incomum encontrar mulheres que querem ser donas dos seus próprios negócios, e não medem esforços para isso.

Ingrid Teles, de 20 anos, é uma delas. Apaixonada por dança, ela já competiu em torneios nacionais e internacionais, e é professora em diversas modalidades diferentes. Além de ter um blog, chamado Feriado Particular, onde ela conta sobre suas viagens, além de dar dicas sobre maquiagem, moda e o que mais a autora tiver vontade de contar, ela também é fundadora da Agência Creators Content, de Curitiba, sendo, este, seu mais novo projeto. “A Creators foi criada em 2015, pois percebi que Marketing Digital é uma demanda crescente atualmente, e não são todas as agências que oferecem esse serviço”, conta.

Ela, que atualmente cursa Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), já tinha experiências na área, o que possibilitou a fundação do seu negócio. “Fiz um ano de Publicidade e Propaganda, em São Paulo, pois sou natural de lá, e nesse meio tempo trabalhei em muitas agências, o que permitiu com que eu desenvolvesse essas habilidades específicas no Marketing Digital. Quando recebi uma bolsa para fazer Jornalismo na PUCPR, me mudei para Curitiba”, diz Ingrid.

Apesar de ainda não ser formada, ela já soma diversos cases (casos de clientes, em língua publicitária) de sucesso em seu portfólio. “O caso que tenho maior orgulho é o do e-commerce Diva’s Showroom, em que, ao longo de dois anos, conseguimos conquistar mais de 8 mil curtidas orgânicas, isto é, sem pagar por anúncios para atrair fãs. No mundo do Marketing Digital, essa proeza não é comum, o que deixou os proprietários da loja muito satisfeitos”, lembra a estudante.

Ingrid finaliza, afirmando que, se você quer que seu sonho se realize, e seu negócio prospere, é necessário investir com tudo nele. ” Antigamente, a faculdade demandava muito tempo, o que impedia que eu me estabelecesse em agências tradicionais. Deixei outros empregos para focar na Creators, e não me arrependo, pois, além de poder dar a atenção devida para os meus estudos, também faço o que gosto, da maneira que eu quero, e quero construir meu futuro a partir disso”, conclui.

Serviço: Agência Creators

Ingrid Teles

Site: www.creatorscontent.com.br

E-mail: ingrid@creatorscontent.com.br

Telefone: 41 9546-4157

Estudar em casa é possível, desde que seja de forma disciplinada

imagem_release_423771No imaginário popular, é normal que as pessoas pensem que estudar em casa não é algo produtivo e que a maneira correta seria em locais como bibliotecas, sejam elas públicas ou particulares. Entretanto, com a correria do dia a dia, torna-se muito mais prático ficar em um ambiente confortável para realizar seus estudos, como, é claro, sua própria casa.

Estudar e aprender coisas em casa não necessariamente implica em aprender sozinho, de forma autodidata, mas, muitas vezes, em cursos e aulas online. Segundo Fernanda Frattarola, que dá aulas online para estudantes que queiram passar no exame de proficiência em inglês TOEFL, para aprender inglês em casa, antes de mais nada, é preciso saber ouvir as instruções dadas nos programas de aprendizado. “É preciso ter a disciplina para praticar diariamente, no mínimo 30 minutos por dia, ouvindo, lendo e falando em inglês. O ambiente onde a pessoa estuda também é importante, pois ela poderá se concentrar melhor em um local calmo, bem iluminado e sem influências externas”, afirma.

Ela, que já ajudou milhares de pessoas a passarem no TOEFL por meio de suas aulas online, reforça que a dedicação para aprender inglês é necessária, assim como qualquer outra parte da vida. “As pessoas pensam, muitas vezes, que, por ser uma língua presente  no cotidiano de todos, não é necessário estuda-la a finco. Muito pelo contrário, para sair do lugar comum de só saber algumas frases, é preciso se familiarizar do idioma, por meio de filmes, músicas e livros, por exemplo”, pontua.

Fernanda observa que é preciso desenvolver uma rotina diária de estudos, para que os assuntos não caiam em esquecimento, principalmente para quem pretende participar de provas que exigem o conhecimento da língua, como o próprio TOEFL. “Sempre recomendo aos meus alunos que procurem exercícios oficiais na hora de estudar, para não cair nas armadilhas de exercitar o conteúdo errado. E claro, seguir as orientações do seu professor é uma das principais coisas a serem feitas, afinal, ele só quer que você desenvolva todo seu potencial e aprenda inglês de verdade”, finaliza.

Serviço: Passe no TOEFL

Fernanda Frattarola

www.facebook.com/passenotoefl?_rdr

www.fernandafrattarola.com.br/

5 dicas para se preparar para uma entrevista em vídeo

imagem_release_417539Com o advento da internet, muitas rotinas produtivas mudaram seu formato, afinal, tudo se tornou mais rápido e facil ao passo em que as tecnologias se desenvolveram. Agora, é possível que uma pessoa trabalhe de casa, usando seu computador pessoal, sendo que sua empresa se localiza do outro lado do mundo, tudo por causa desses avanços.

Junto as mudanças nos meios de produção, novas formas de entrevistar candidatos, por meios de chamadas de vídeo online, também têm se popularizado no mercado de trabalho. Entretanto, a preparação do candidato deve ser ainda mais rigorosa, segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers. “Fatores como conexão de internet e testes prévios são importantes, pois problemas técnicos geralmente não são bem vistos nessas situações, pois podem indicar despreparo”, conta.

A coach fez uma lista de cinco dicas para quem enfrentará uma entrevista via vídeo e deseja ter sucesso nela. Confira:

1.   Se atente ao ambiente:

Madalena adverte para locais com muitos barulhos paralelos, como crianças chorando, televisão em som alto e latidos, por exemplo. “Isso pode atrapalhar, e muito, a conversa do candidato. De preferência, fique em um ambiente isolado, e peça pela compreensão de todos, para que a entrevista possa ser tranquila”, comenta;

2.   Confira sua conexão

“Sempre bom reiterar, mas confira, com dias de antecedência, como está sua internet e a velocidade do seu computador, se ele está infectado por vírus, etc. Além, claro, de preparar uma iluminação e áudio adequados”, pontua a coach;

3.   Pontualidade

A diretora de projetos enfatiza que a pontualidade é um item fundamental para a entrevista. “Assim como um encontro presencial, a reunião via internet deve ser iniciada na hora correta”, diz;

4.   Se apresente bem

Não é só porque a entrevista é feita via vídeo que o candidato deve se descuidar com o vestiário e com o linguajar, pois tudo será minuciosamente julgado pelo contratante;

5.   Informações à mão

“O bom profissional está sempre previamente preparado, demonstrando que tem informações prévias sobre a empresa e vaga ofertada. Mostrar conhecimento e uma argumentação eficaz ajudam na avaliação de desempenho do candidato”, finaliza Madalena.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Como ficar mais feliz com motivação

imagem_release_418844Muitas pessoas dizem que é difícil ser feliz nos dias atuais. Economia deficitária, preços altos para fazer qualquer tipo de coisa, educação e saúde de má qualidade atrasam, e, diversas vezes, complicam as pessoas de cumprirem seus objetivos e sonhos.

Para Eraldo Melo, dono de 5 empresas no Brasil, mesmo com todas as dificuldades da vida cotidiana, ainda é possível realizar o sonho de ser feliz- o que acarreta em outras conquistas-, desde que haja motivação. “Na verdade, ao invés do que muitos podem pensar, uma pessoa não “é” feliz constantemente, mas ela “fica” feliz, sendo, este, o estado de espírito mais importante da humanidade. Para que mudanças de vida efetivas sejam realizadas, entretanto, é necessário ter motivação, ou melhor, automotivação, pois o que realmente faz diferença é a maneira como a pessoa encara os obstáculos que surgem no meio do caminho”, conta.

Ele, que, sendo de origem humilde, iniciou sua carreira em uma de suas atuais empresas como Auxiliar de Serviços, acredita que existem alguns ingredientes fundamentais para que cada pessoa no mundo encontre a felicidade com motivação. “Não adianta a pessoa apenas dizer ‘quero ser feliz e mudar minha vida’ se não começar a perceber os elementos essenciais para que isso aconteça”, explica.

Melo listou os itens necessários para que alguém encontre a motivação para ser feliz e alcançar seus objetivos, confira:

1.   Amor próprio

Segundo o palestrante motivacional, é preciso, em primeiro lugar, amar a si mesmo, colocando-se em primeiro lugar. “Não se trata de se achar melhor que os outros, muito pelo contrário. É preciso se dar valor para poder ser feliz, pois, quando se está feliz consigo mesmo, é possível focar essa felicidade para outras coisas”, fala.

2.   Trabalho em equipe

Já diria Aristóteles, “o homem por natureza é um ser social”. Eraldo concorda com isso, dizendo que o trabalho em equipe torna o homem mais forte, capaz e inteligente, pois, quando as pessoas trabalham juntas, elas vivem melhor, e conseguem alcançar seus objetivos.

3.   Persistência

“Quando temos um sonho, temos que persistir para a realização do mesmo, pois este é um ingrediente fundamental nas nossas vidas. Sonhos realizados são garantia de felicidade!”, diz o empresário. Ele ainda fala que sempre, independente da situação, é necessário persistir para vencer.

4.   Atitude

Na vida, segundo Melo, as pessoas são responsáveis pelo o que serão no futuro. Ou seja, uma atitude tomada hoje, que seja positiva e que gera mudanças, vai acarretar em um amanhã melhor e mais feliz.

5.   Sonho

Por fim, o empresário explica que nada adianta ter todos os itens acima se a pessoa não tiver um sonho pelo qual lutar. “Sem sonho, não há razão de viver. Se agarre na sua paixão e busque-a”, finaliza.

Serviço: Eraldo Melo

 www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

A ferramenta que ajuda no detalhamento do perfil profissional

80Muitas pessoas não se conhecem bem. Apesar dessa frase soar estranha, isso é mais comum do que se pensa, pois esses indivíduos não conseguem identificar com facilidade suas qualidades, defeitos e, até mesmo, quais são seus sonhos e aspirações, o que impede que eles se tornem líderes.

Se autoconhecer, e saber qual é o seu tipo de liderança é fundamental.  Segundo Andreia Rego, que trabalha com coaching e psicanálise, saber detalhadamente o perfil do líder é primordial para uma vida harmônica, direcionando cada vez mais o pessoal e o profissional para o equilíbrio e satisfação. “O estilo da liderança é muito importante, pois indica quais são as atitudes e maneira de ser de cada pessoa. Basicamente, não podemos deixar de ressaltar que o estilo de liderança está muito ligado ao modo de vida do profissional”, explica ela, que é Master Business em Administração com ênfase em Humanas, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Andreia ainda fala que a estrutura pessoal envolve-se com a esfera de trabalho, onde seu empenho será desenvolvido de acordo com o ambiente, cargo, cobranças, agilidade nas entregas, qualidade de serviço, etc. “Na linguagem da metodologia DISC, a qual aplico por meio do processo de Coaching, a palavra ‘estilo’ equivale a ‘ser flexível’, ou seja, o estilo de liderança depende da situação. Um líder de sucesso, de modo geral, é aquele que flexibiliza pessoas e processo, põe em foco seus colaboradores, aprende com rapidez, gerencia o ambiente de mudança, tem iniciativa própria e tem alto desempenho”, afirma.

De acordo com ela, que realiza consultoria DISC, dentro dos processos de Coaching Executivo/Liderança, para mapear perfis comportamentais e talentos de cada indivíduo, esses ingredientes são encontrados nos comportamentos e tipos de personalidades, sendo mais destacados em uns e menos em outros.

Abaixo, a coach exemplificou os quatros perfis de liderança DISC (D = Dominância I = Influência S = Estabilidade C = Conformidade ) da maneira que ela relaciona. Confira:

  1. O Dirigente: é um estilo de liderança do líder que tem um comportamento ‘altamente Dominante’. Geralmente, é um líder exigente. Muito presente, é demarcador à sua posição e leva a equipe à ação. O D = Dominância alto tem um estilo direto de gerenciamento, lida facilmente com situações estressantes, toma decisões rápidas, não tem medo de errar. Contudo, com o foco em resultados, tem dificuldades para ouvir sua equipe e respeitar regras. Estes são alguns dos alertas a serem observados e cuidados.
  2. O Persuasivo: é um estilo de liderança do líder que demonstra ‘alta Influência’. Este prefere criar uma atmosfera amigável e aberta com seus parceiros. O I = Influência alto gosta de desenvolver relacionamentos interpessoais fortes. Este líder confia na sua habilidade de ‘vender’ ideias, sendo receptivo para ouvir novas sugestões. Mesmo tendo um perfil assertivo, valoriza o trabalho em equipe. Toma decisões rápidas e gosta de estar envolvido em todos os assuntos. Um dos alertas desse perfil é a impaciência para lidar com detalhes e minúcias.
  3. O Apoiador: é um estilo de liderança baseado na ‘alta Estabilidade’, onde tende a se ver prestando um serviço para os integrantes da equipe, mais que os orientando. O S = Estabilidade alto oferece apoio quando necessário e espera receber o mesmo apoio dos colaboradores. É calmo, tranqüilo, cordial com as pessoas, hábil para dar instruções, sendo seu foco mais direcionado para pessoas. Gosta de atuar em ambientes estruturados e organizados, onde se sente seguro. Suas decisões levam mais tempo, pois são ponderadas. Um dos pontos a se cuidar é o fato de não lidar muito bem com mudanças bruscas e riscos.
  4. O Criterioso: é o estilo de liderança com ‘alta Conformidade’. Este líder trabalha com planejamento e estrutura. O C = Conformidade alto tenta impor autoridade por meio de normas e procedimentos. Seu estilo é baseado em bom senso e disciplina. Gosta de preparar trabalhos de alta qualidade. É detalhado e se aprofunda em análises. Um ponto a ser observado é o cuidado com rigidez em excesso, pois pode não aceitar outros tipos de argumentações.

Com o mapeamento dos perfis de liderança, a coach afirma que é possível trabalhar com o diagnóstico para integrar ações concretas ao seu desempenho. “Nesse sentido, o Coaching ajuda o profissional a investir no autoconhecimento, para a construção de um PDI – Plano Individual de Desenvolvimento, através da ferramenta DISC”, finaliza.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

Face: https://www.facebook.com/andreiasrego?ref=hl 

Instagram: Andreia Rego

Site: http://coachandreiarego.com.br/

E-mail: asrego@gmail.com

Celular: 21 99941.9950

O desemprego e a necessidade do aprimoramento pessoal

imagem_release_422442Foram divulgados, na quinta-feira, 07/05, dados sobre a taxa de desemprego nos três primeiros semestres de 2015, em senso realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O percentual subiu nesse tempo, chegando a 7,9%, e a população desocupada cresceu 23%, já que, no quarto trimestre de 2014, a desocupação ficou em 6,5%, e, nos primeiros três meses do ano passado, em 7,2%.

Os números, que fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), indicara que a região Nordeste teve a maior taxa de desocupação do país, atingindo 9,6%, sendo que o Sul teve a menor, de 5,1%. O Sudeste ficou com 8% do total, 8,7% no Norte e, no Centro-Oeste, o nível de desemprego foi de 7,3%. A pesquisa ainda mostrou que o desemprego para quem tem ensino médio incompleto é maior entre os grupos, podendo chegar a 14%, consideravelmente maior ao de quem tem ensino superior completo, que é 4,6%.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, os números no Brasil podem ser explicados pela recessão e crise econômica pelas quais o país está passando. “Quando há uma instabilidade no cenário econômico, é normal que a situação mude, e pessoas percam seus empregos. Claro, não é fácil para ninguém, mas é preciso ter em mente que isso é passageiro, e em breve acabará”, afirma.

A coach explica que esse não é o momento para ficar parado. “Mesmo para quem tentar diversas vezes e não conseguir arranjar outro emprego, não se pode desanimar. Fazer cursos, participar de workshops e palestras é essencial para se manter atualizado sobre as tendências mercadológicas, e se manter atrativo para os empregadores”.

Madalena conclui, dizendo que o processo do coaching pode ajudar quem se encontra em situação de desemprego. “Ao determinar seus pontos fortes e os que ele precisa melhorar, além de aumentar seu rendimento, o candidato se torna um atrativo nos processos de seleção”, conclui.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

O que pode mudar coma regulamentação da PEC das domésticas

imagem_release_422393A chamada “PEC das Domésticas” foi aprovada em abril de 2013, e garantiu 16 novos direitos trabalhistas à categoria. Porém, sete deles estavam à espera de regulamentação para entrar em vigor, os quais foram votadas pela Câmara dos Deputados e recentemente pelo Senado, e agora aguardam a sanção ou veto da Presidente Dilma.
Essa decisão possui lados positivos e negativos, sendo que os contras são direcionados, principalmente, para os empregadores. Segundo a advogada Márcia Palermo Marques, essa nova lei praticamente dá os mesmos direitos às domésticas que os outros trabalhadores já tinham há anos, o que é uma conquista importante para a classe.
Entretanto, ela afirma que a nova lei torna muito caro para os patrões ter uma empregada doméstica, pois haverá um aumento de aproximadamente 36% no custo de mantê-la. “O verdadeiro impacto dessas mudanças poderá ser percebido daqui para frente, dependendo do que a Presidente Dilma irá aprovar. Apesar de ser evidente o direito das empregadas domésticas terem seus trabalhos reconhecidos, é preciso lembrar que o empregador é uma pessoa física, e essas medidas podem pesar no seu orçamento”, conta. A profissional acredita que, pelos novos valores que precisam ser pagos, há chances de que muitos empregadores troquem uma empregada doméstica por uma ou mais diaristas, em função do custo.
A advogada, que faz parte do Escritório Kidricki e Sousa Advogados Associados, de Porto Alegre, explica que, desde 2013, algumas medidas importante já estão em vigor, entre elas, o recebimento de pelo menos um salário mínimo por mês (atualmente R$ 788,00) e jornada de trabalho de oito horas diárias e 44 semanais, com direito à hora extra. “Agora, o que aguarda sanção presidencial são medidas como o recolhimento obrigatório de 8% do salário pelo empregador para ser depositado no FGTS; indenização em caso de despedida sem justa causa; seguro desemprego e contra acidentes de trabalho; direito a benefícios do INSS; salário-família (benefício da Previdência Social) e auxílio- creche e pré-escola (dependerá de convenção ou acordo coletivo entre sindicatos de patrões e empregadas)”, explica.
Márcia finaliza, dizendo que, ao mesmo tempo em que o FGTS e seguro desemprego são conquistas importantes para a classe, os contras podem ser expressivos, também. “Ao mesmo tempo em que a nova legislação desencorajará práticas escravistas entre os empregadores, é possível que, como já foi falado, as pessoas passem a contratar diaristas, pois o custo é menor, além da possibilidade dos patrões passarem a controlar incessantemente seus empregados, para verificar que a jornada de trabalho está sendo respeitada”, diz. Ela conclui, dizendo que isso, somado com a burocracia extra que será jogada em cima dos patrões, poderá trazer muitos incômodos, tanto para os empregadores, quanto para os empregados.
Serviço: Kidricki e Sousa Advogados Associados

Márcia Palermo Marques OAB/RS nº 80.644

51 30283443

www.ksadvogados.com.br

Rua João Abbott 473/503 – Petrópolis, Porto Alegre/RG.

Perguntas incomuns não devem atrapalhar entrevistado, diz especialista

imagem_release_415789Para boa parte dos candidatos de processos seletivos, a entrevista de emprego é motivo de desconforto e nervosismo, mesmo se as perguntas forem as de praxe: quais seus pontos fracos e fortes, onde se enxerga daqui 10 anos, etc. Mas, e se os questionamentos feitos pelo entrevistadores forem totalmente sem nexo, ou, no mínimo, inusitados?

O site Glassdor, uma comunidade online especializada, analisou cerca de 150 mil perguntas feitas em entrevistas de emprego, compartilhadas pelos usuários da rede. Ao todo, eles determinaram as 25 questões mais esquisitas feitas em processos seletivos. A Google lidera o ranking da companhias que costumam perguntas coisas atípicas, além da Hewllet-Packard (HP) e a Amazon, que também integram a listagem.

Confira, abaixo, alguma destas perguntas:

1.   “Quão sortudo você é e por quê?” – Airbnb, em entrevista para vaga de administrador de conteúdo.

2.   “Se você estivesse em uma ilha e pudesse levar três objetos, quais seriam?” – Yahoo!, em entrevista para vaga de analista de qualidade em busca.

3.   “Se você fosse uma caixa de cereais matinais, qual você seria e por quê?” – Bed, Bath & Beyond, em entrevista para vaga de associado em vendas.

4.   “Qual aspecto da humanidade é o seu menos favorito?” – ZocDoc, em entrevista para vaga de associado de operações.

5.   “Quão honesto você é?” – Allied Telesis, em entrevista para vaga de engenheiro de software.

Segundo Madalena Feliciano, diretora geral do Outliers Careers, apesar de perguntas como estas serem mais frequentes em empresas altamente especializadas, nestes caso, é preciso manter a calma. “O candidato bem preparado, se ele realmente for adequado para a empresa, sairá desta situação com um bom jogo de cintura”, ela explica.

Madalena ainda lembra que é importante que o entrevistado pesquise sobre a empresa antes de realizar a entrevista. “Principalmente para empresas com uma grande história, realizar uma breve investigação mostra interesse sobre o assunto, além de um bom preparo prévio”, pontua. “Não dá para adivinhar quais serão as perguntas feitas na hora da entrevista, mas um bom profissional deve estar preparado para qualquer situação”, finaliza.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83, São Paulo – SP.
E-mail:
madalena@outlierscareers.com.br
Site:
www.outlierscareers.com.br

Uma lição de humildade

78No próximo dia 16 de maio, comemora-se o Dia do Faxineiro no Brasil. Infelizmente, esta data passa em branco por muitos segmentos da sociedade, por não considerarem esta profissão tão digna ou valorosa quanto outras.

O que muitas pessoas não percebem, é que, sem estes profissionais, a vida seria uma bagunça; do mesmo modo como, sem um professor ou motorista de transporte público, a cidade para, sem os profissionais da limpeza viveríamos em meio a nossa própria sujeira, o que tornaria a convivência impossível, especialmente nas grandes cidades.

Além disso, em diversos ambientes de trabalho, chega a acontecer desrespeitos por parte de superiores, na hora de se relacionarem com funcionários que prestam serviços gerais. Eraldo Melo, entretanto, é a prova viva de que esta situação pode ser mudada. O agora empresário começou sua carreira em uma das cinco empresas que hoje possui como Auxiliar de Serviços Gerais, sendo promovido, pouco tempo depois, a Encarregado de uma equipe de 10 pessoas. Segundo ele, seus colaboradores eram extremamente desmotivados a irem trabalhar, o que ocasionava muitas faltas e baixa produtividade, e, uma das maiores reclamações deles era que seus superiores se quer lhes davam “Bom dia”, e, muito menos, elogiavam seu desempenho, quando eles cumpriam sua tarefas ou obrigações acima do esperado.

Melo resolveu esta situação ao se reunir mensalmente com seus colaboradores, para que pudessem discutir sobre o trabalho e as melhorias que deveriam ser feitas no setor. A partir disso, os funcionários se tornaram mais motivados, desempenhando seus papeis de maneira mais eficiente e produtiva. Dessa maneira, a empresa, utilizando os treinamentos oferecidos pelo empresário, conseguiu mais credibilidade com seus antigos clientes, além de novos contratos, pois demonstrou o seu verdadeiro valor humano.

Segundo o empreendedor, “cada função tem o seu valor, por isso, não podemos subestimar a capacidade ou o trabalho de ninguém. O faxineiro de hoje pode ser o chefe de amanhã, mas, independente disso, a gentileza é indispensável. Afinal, educação é algo que vem do berço”, conclui.

Serviço: Eraldo Melo

Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

TOEFL IBT, ITP ou IELTS: qual o melhor exame de proficiência?

imagem_release_412848Para fazer uma graduação ou pós-graduação no exterior é necessário possuir, na maioria das universidades, certificado de proficiência na língua que é obtido por meio de exames práticos, como o IELTS e o TOEFL. Ambos são específicos para a língua inglesa, com a diferença que o primeiro é mais aceito em universidades do Reino Unido, e o segundo possui um alcance maior, mesmo sendo dos Estados Unidos. O exame estadunidense possui dois tipos diferentes: o IBT, realizado online e que avalia as quatro áreas do conhecimento (speaking, writing, listening e reading), o ITP, realizado no papel, porém sem o speaking e writing.

Muitos alunos possuem dúvidas sobre qual prova vale a pena ser feita. Segundo Fernanda Frattarola, que dá aulas online para pessoas que querem passar no TOEFL IBT e ITP, antes de decidir pela prova, o candidato precisa saber se vai tentar uma bolsa pelo Ciências sem Fronteiras ou se é pela própria universidade. “O teste ITP é aceito por alguns países que participam do programa federal, porém as bolsas ‘por fora’ geralmente optam pelo IBT ou IELTS. É dever do candidato se informar qual a melhor prova a ser feita, já que poucos países aceitam o ITP”, afirma a professora.

Fernanda acredita que as melhores opções são as provas do IBT e do IELTS, já que o ITP é menos aceito. “Com o IBT, além de maior aceitação, há uma variação de nota muito grande, o que significa mais opções para o candidato”, comenta.

A professora adverte que se o candidato não estiver familiarizado com o inglês britânico, utilizado nos áudios da prova IELTS, o exame estadunidense é mais recomendado. “No speaking e no writing não há diferença, mas o listening pode se tornar difícil para quem não está familiarizado com o sotaque”, fala. Fernanda finaliza, dizendo que independente de qual prova o estudante faça, sempre é bom olhar os sites oficiais dos exames para conhecer as estruturas específicas de cada teste, além de realizar muitos exercícios, a fim de praticar ao máximo.

Áudio Release: www.fernandafrattarola.com.br/qual-prova-fazer-itp-ibt-ou-ielts/

Serviço: Fernanda Frattarola

Passe no TOEFL

www.facebook.com/passenotoefl?_rdr

www.fernandafrattarola.com.br/

Como manter um profissional no máximo do seu desempenho?

75No dia 1º de maio, comemora-se o Dia do Trabalhador ao redor do mundo, e, com ele, acontecem movimentos, passeatas e reuniões em diversos países. Isso ocorre para fomentar a discussão sobre os direitos desta classe, além de tratar sobre assuntos diversos, como descobrir mais sobre as novas formas de se trabalhar, por exemplo. Ações como estas são de extrema importância, pois, muitas vezes, os profissionais são desvalorizados em seu ambiente de trabalho.

Com o ritmo acelerado, característico das sociedades contemporâneas, muitas vezes leva as empresas a se preocuparem somente com seu ganho capital, esquecendo-se do fator humano: seus funcionários. Quando se sentem invisíveis, sem motivações, ou no setor inadequado para suas habilidades, os profissionais têm uma queda no desempenho produtivo, o que acaba influenciando negativamente a empresa em si.

Segundo Andreia Rego, que trabalha com coaching e psicanálise, atualmente, as empresas estão tomando mais consciência de seus capitais humanos, e, ao invés de chamar seus funcionários de “recursos”, estão, agora, adotando o termo “colaboradores”. “Recurso é tudo aquilo que o profissional tem acesso físico para realizar seu trabalho, como computador, por exemplo. Os colaboradores têm inteligência, talento, habilidades, competências e emoções, e tudo isso deve ser levado em consideração em uma empresa”, observa a profissional, que realiza consultoria DISC, dentro dos processos de Coaching Executivo/Liderança, para mapear perfis comportamentais e talentos de cada indivíduo.

Entretanto, segundo Andreia, as empresas podem, e devem, investir em seus colaboradores de forma mais concreta, seguindo o que ela chama de modelagem C2H = A. “Nos meus atendimentos com o Coaching, tanto dentro de organizações quanto diretamente com clientes que me procuram, trabalho a partir do ‘Cubo de Competências’, onde: C = Conhecimentos, C= Comportamentos, H = Habilidades, geradores de A = Atitudes. Essa técnica é ótima, pois permite identificar, inclusive, se o comportamento do indivíduo é condizente com o cargo que exerce”, explica ela, que é Master Business em Administração com ênfase em Humanas, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com ela, a grande diferença entre a modelagem C2H = A para o CHA (Conhecimentos + Habilidades + Atitudes) é que no primeiro se acrescentou um importante eixo – o comportamento.

“É a grande oportunidade de verificar as preferências pessoais, direcionando o profissional para o cargo que lhe permita fluir com satisfação e realização. Dessa forma, uma ‘atitude de alto desempenho’ tende a efeitos reais quando o profissional estiver alinhado dentro deste Cubo de Competências, ou seja, quando for compatível com o perfil esperado pelo cargo”, conta a coach.

A profissional pontua que o Cubo das Competências permite estabelecer um mapeamento entre as coordenadas do cargo e o estilo de comportamento do colaborador. Andreia fala que todos possuem talentos que podem ser bem aproveitados dentro das organizações, já que, do contrário, é possível ver muitas empresas direcionando mal seus colaboradores, colocando-os em atividades e setores inadequados, o que abre espaço para desmotivação, obrigação, desprazer, doenças e absenteísmo. ” Além disso, as organizações podem reduzir processos trabalhistas, insatisfações e rotatividades que corroboram com mais custos internos, deixando de serem aproveitados para outros investimentos, como valorização profissional, bônus ou aumento salarial, treinamento e desenvolvimento adequados e melhores planos de carreira”, finaliza a coach.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

Face: https://www.facebook.com/andreiasrego?ref=hl 

Instagram: Andreia Rego

Site: http://coachandreiarego.com.br/

E-mail: asrego@gmail.com

Celular: 21 99941.9950

Treinamentos diários rápidos auxiliam na melhora da dicção

69Uma pessoa, para ser considerada como uma boa oradora precisa possuir algumas características em comum, como saber utilizar bem o seu tom de voz, escolher com cuidado as palavras que serão ditas, ter um olhar expressivo, saber como gesticular, a postura que deve ser utilizada durante uma apresentação, etc. Porém, saber falar bem exige muito mais do que simplesmente “abrir a boca e falar”. Para que tudo saia como planejado é preciso saber respirar de forma correta – para não cortar as frases no meio ao faltar ar -, e ter uma boa dicção das palavras.

Eraldo Melo, empresário e palestrante motivacional, comenta que dicção é a forma de articular e pronunciar as palavras, emitindo de forma correta os fonemas exigidos pelo idioma que será falado – e, quanto mais correta a dicção, mais compreensível se tornam as palavras para aqueles que lhe ouvem. “Uma boa oratória está diretamente ligada a uma boa dicção – e as duas, quando unidas, podem abrir muitas portas para a carreira profissional e até mesmo para a vida pessoal das pessoas. Comunicação é algo necessário em todos os âmbitos da nossa vida – e saber como se comunicar de forma clara e direta é imprescindível”, diz.

Quanto melhor for a oratória e dicção de uma pessoa, mais chances ela terá de alcançar a excelência na hora de se fazer entender pelos outros. “Para pessoas que utilizam da oratória diariamente no trabalho, como professores, palestrantes, diretores de empresa, etc., torna-se ainda mais importante ter uma boa dicção, afinal, um bom professor, por exemplo, precisa saber o que falar e como falar para que seus alunos lhe entendam – e como eles irão entender se as palavras forem ditas com uma má dicção?”, exemplifica Melo.

E não é só no trabalho que isso é importante: como conversar com uma pessoa se você não entende as palavras que ela diz? “Porém, aqueles que possuem dificuldades na hora de falar corretamente não precisam ficar desesperados: não se trata de uma doença, e sim de falta de treinamento. Ter uma boa oratória, saber lidar com as pausas de respiração e, por fim, ter uma boa dicção, são questões que podem – e devem – ser treinadas por todos, indiferente de sua aptidão para essas qualidades. É só treinando que se conquistará melhores resultados nessa área”, explica.

Para isso, o especialista oferece dicas de alguns treinamentos que podem ser feitos por qualquer pessoa no dia-a-dia. Confira:

01.   Relaxe os músculos da face. Para isso, sorria, gargalhe, alongue-se, faça movimento de mastigação, comprima os músculos do rosto, etc.;

02.   Treine por meio de trava-línguas: (o famoso “Três pratos de trigo para três tigres tristes” nunca lhe foi tão importante);

03.   Preste atenção nas consoantes: as letras “L”, “T”, “D” ou “N”, por exemplo, pedem que a língua seja elevada até atrás dos dentes incisivos superiores, sendo encostada no céu da boca para que a pronúncia seja correta;

04.   Pratique exercícios de dicção repetitivos: escolha uma frase curta e a repita inúmeras vezes, mas sem deixar a clareza para trás. “Opte por frases com padrões diferentes de pronúncia, assim esse exercício é melhor aproveitado”, sugere o empresário, que hoje é dono de cinco empresas diferentes;

05.   Grave sua voz: grave-se enquanto você lê um discurso qualquer. Ao terminar, ouça-o. “Essa é uma das melhores formas para identificar os principais pontos falhos da sua oratória. Preste atenção na dicção – existem algumas letras/palavras que não foram bem pronunciadas? Quais?, – na velocidade da fala, ritmo, entonação, etc.” aconselha o especialista;

06.   Na dúvida ou na insegurança, procure um bom profissional: pessoas que estudaram e trabalham com isso saberão com excelência os exercícios que devem ser feitos para que cada pessoa melhore sua dicção. “Fazemos atividades personalizadas para cada pessoa a fim de melhorar sua comunicação verbal, – e os resultados são sempre positivos, afinal, não existe perfeição, então sempre há algo que pode ser melhorado”, conclui Melo.

Serviço: Eraldo Melo

Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

As regras mais importantes para enriquecer

65Muitas pessoas têm, como aspiração para suas vidas, enriquecer. Enquanto uns preferem o caminho do trabalho duro, falta de tempo com a família e baixa qualidade de vida, outros fazem jogos de azar e a loteria, ou, ainda, optam por caminhos ilícitos, na esperança que o tão esperado dinheiro apareça.

Entretanto, segundo Robson Profeta, que é coach de finanças, o verdadeiro rico é aquele que possui uma renda passiva, ou seja, quem vive de rendas. “A pessoa que não trabalha, e consegue viver muito bem com os seus investimentos, é, verdadeiramente, rica”, aponta. Ele, que é executivo e atua nas áreas de finanças, administração, RH e negócios há mais de 20 anos, acredita que muitas pessoas sabem o que querem, mas não conseguem traçar um plano de ação, e alcançar seus objetivos.

Profeta listou as principais regras para quem quer enriquecer. Confira:

1.   Descubra quanto precisa

Como diz o livro de Alice no País das Maravilhas, “Se não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve”. Saiba qual é seu numero. Riqueza não significa acumular rios de dinheiro, até porque muitas pessoas acumulam rios de dinheiro e rios de divida, afirma o coach;

2.   O ego não pode falar mais alto

E se falar, que esteja consciente de seus impactos. Um dos maiores obstáculos de nossa sociedade é a ânsia pelo consumo. Um carro melhor, um apartamento maior, uma casa de praia, etc. O ego e nossa necessidade de reconhecimento social faz com que compremos bens e serviços muitas vezes supérfluos às nossas vidas e sem qualquer valor real, gerando uma rápida sensação de prazer. Profeta adverte: “Seja consciente ao consumir”;

3.   Cuidado com os ativos que adquire

Muitos ativos que compramos não são nossos melhores amigos. Um veículo mais caro provavelmente trará um seguro, um imposto e/ou manutenção mais caros. Um apartamento maior provavelmente trará, também, taxas maiores, e assim sucessivamente. Estes ativos geram passivos, ou seja, dividas. Se estiver consumindo por causa da regra 2ª, consuma consciente.

Tente investir em ativos que geram renda. Compre um apartamento para alugar, ações que paguem dividendos, etc.

4.   Evite os juros

Saiba que, se você paga juros sobre qualquer bem ou serviço, tem alguém do outro lado ganhando com isto. Por isso, inverta o lado do jogo, receba renda e deixe que outros paguem juros. No mercado, para alguém ganhar, alguém tem que perder. Se não souber onde quer chegar, e seu ego atrapalhar seus objetivos, pagará juros.

5.   Conheça seus valores

Sua hierarquia de valores explica muito a seu respeito. Caso seu principal valor seja a segurança e seu valor menos importante seja a diversão, não adianta querer tirar 30 dias de férias no Caribe e relaxar. Talvez fique mais estressado ainda com o medo de perder seu emprego. Navegue nesta pirâmide, se conheça. Muitas pessoas descobrem as reais razões pelas quais não conseguem juntar dinheiro. Se um dos seus principais valores é o poder, a regra 2ª pode estar sabotando seus planos, mesmo que inconscientemente.

6.   Monte seu controle

Dificilmente ganhará dinheiro se não aprender a doma-lo. Faça um fluxo de caixa projetado e controle suas finanças. Não adianta ter um bocado de dinheiro no final do ano, fruto do seu 13º salário, e gasta-lo com a viagem dos sonhos e, nos próximos três meses, aparecer gastos extras com IPVA, seguros, matrícula e material escolar dos filhos, reajuste de colégio e plano de saúde, etc. Você só visualiza isto corretamente fazendo um fluxo de caixa adequado, seja em uma planilha eletrônica, ou mesmo no famoso caderninho de anotações.

Em suma, o coach de finanças acredita que, para se atingir a tão sonhada riqueza, é preciso seguir alguns passos fundamentais. “Se a pessoa não tomar cuidado com seus ganhos, controlar seu salário e saber os limites do seu dinheiro, nunca atingirá suas metas, e continuará frustrado”, pontua Profeta. Ele finaliza, falando que uma boa opção para aumentar a renda é realizar investimentos, porém, sempre acompanhado de um profissional competente no assunto, que possa aconselhar o investidor da maneira correta.

Serviço:  Robson Profeta

Coach Financeiro

Site: www.robsonprofeta.com.br

E-mail: rp@robsonprofeta.com.br

Tel:  11  98107-1003

A ligação entre a respiração correta e a boa oratória

38A sensação de falta de ar ao falar é algo comum. Existem pessoas que sentem dificuldades na hora de concluir frases devido a essa questão – e, nessas horas o problema geralmente é o mesmo: a respiração não está correta. Muito disso acontece devido à ansiedade ou estresse, que podem ser sentidos na hora de se apresentar em público e faz com que palavras e frases sejam “cortadas” ao meio para que a pessoa possa parar por alguns segundos, encher o seu pulmão de ar e voltar a falar. “Quando isso acontece é visível que algo não está certo. Quando uma pessoa está discursando ou até mesmo cantando e precisa parar em ‘horas erradas’ para respirar, existe alguma coisa que precisa ser corrigida”, comenta Eraldo Melo, empresário que já ministrou palestras motivacionais para milhares de pessoas. Além da ansiedade, nervosismo e estresse, outro problema comum que abrange essa questão é o fato de a pessoa já ter se acostumado a respirar de forma errada, seja inspirando menos ar do que poderia, seja puxando o ar pela boca. “Apesar de o ato de respirar ser algo automático para o ser humano, ele também muda de acordo com manias e com o estado psicológico da pessoa. Não é a toa que quando se está nervoso, respira-se mais pela boca. É algo que o próprio organismo faz como mecanismo de defesa, para não faltar ar – e isso prejudica na hora de fazer um bom discurso”, explica Melo. Para pessoas que sofrem com esses problemas, como sentir a sensação de ter pouco ar no pulmão na hora de falar pequenas frases ou de estar falando e ter que puxar o ar de forma brusca repetidamente a fim de aliviar a sensação de que falta oxigênio, existe uma solução: aprendizagem, prática e dedicação. O primeiro passo para melhorar a respiração é: observe o modo que você respira. Ao puxar o ar, o que enche mais, o seu abdômen ou o seu peito? “Quando o peito fica mais ‘inchado’, é sinal de que você usa mais a parte superior dos pulmões, não utilizando toda a capacidade do sistema respiratório”, esclarece o palestrante, que hoje é dono de cinco empresas no ramo de prestações de serviços. A respiração ideal acontece quando todo o pulmão é preenchido pelo ar – e, quando isso acontece, há a movimentação do diafragma, que projeta ligeiramente a barriga. “Para reaprender a respirar dessa forma, uma dica é deitar-se e passar alguns minutos tentando mexer o mínimo do peito e o máximo dos pulmões. Quanto mais fundo você respirar, mais o ar vai até o fim dos seus pulmões – e mais você vai se sentir relaxado, parecendo que estão ‘desenferrujando’ os pulmões”, sugere. O segundo passo para melhorar a respiração é: faça exercícios aeróbicos, como caminhadas e corridas leves, – isso faz com que o seu pulmão se ‘exercite’ e se expanda, abrindo mais espaço para a entrada de ar. “Da mesma forma que é importante fazer exercícios físicos para ‘manter a forma’, também é importante afastar a rigidez e falta de elasticidade do pulmão – e isso muito disso é conquistado por meio de exercícios aeróbicos”, ressalta o empreendedor, que já inspirou milhares de pessoas com suas palestras motivacionais. O terceiro passo é: lembre-se que respirar é importante. Pessoas que apenas despojam informações sem respirar no meio, chegam ao fim das frases se atropelando e comendo palavras. “Nesse caso, uma dica é ler em voz alta, já que isso ajuda na reeducação da respiração e da fala. Observe os sinais de pausa e aproveite-os para adequar a sua respiração. Treinando dessa forma, ao falar em um discurso, já estará mais adaptado às pausas e ritmo de fala”, conclui o especialista. Serviço: Eraldo Melo Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional www.eraldomelo.com eraldo@eraldomelo.com (64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

Evento reunirá líderes mundiais em Gramado

50Muitos estudos, realizados nos últimos anos, o ser humano ganhou cerca de 40% de tempo a mais na sua vida adulta, se comparado com décadas passadas. Desse modo, os indivíduos ganharam mais tempo para desenvolver projetos, desfrutar da companhia da família e amigos, e dar uma guinada significativa em suas vidas. O problema é que, para muitas pessoas, comandar sua própria vida é uma tarefa extremamente difícil. Para alguém se tornar o líder de si mesmo, é necessário muita disposição, força de vontade, paciência e técnicas que otimizem essa mudança.

Com esse pensamento em mente, um grupo de mais de dez profissionais, que são referências nacionais e internacionais em suas áreas, se uniu em um evento idealizado pelo empresário Domi Müller, fundador da empresa Domi Müller Inspirando Líderes e autor do livro ” Saia do Piloto Automático e lidere seu destino”, denominado 1º Congresso Internacional de Autoliderança.

A ideia do congresso é transformar a vida dos espectadores, oferecendo dicas valiosas que levarão à autoliderança e prosperidade, para que os para que os 40% de tempo extra possam ser bem aproveitados.

Um dos profissionais que participará do 1º Congresso Internacional de Autoliderança é Fabrício Carpinejar. Nascido em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, ele é poeta, cronista, jornalista e professor. Já escreveu 26 livros literários, oito de poesias, oito de crônicas, nove infanto-juvenis e um de reportagem. Atualmente, ele é apresentador da TV Gazeta de TVCOM, colunista do jornal Zero Hora, de Poro Alegre, colaborador do blog do jornal O Globo e comentarista da Rádio Gaúcha. Além de ter sido indicado pela Revista Época como uma das personalidades mais influentes da internet, ele também já ganhou diversos prêmios, entre eles dois prêmios Jabuti, com os livros Votupira e Canalha!

Em sua palestra, intitulada “Méritos da resiliência criativa”, Carpinejar buscará abordar como enfrentar as adversidades sem se colocar no papel de vítima, e sem se afundar na culpa. Além disso, ele discutirá como a sensibilidade influencia na inteligência, e as maneiras de vencer o medo e de se afirmar profissionalmente a partir da falta de expectativa.

Outra personalidade forte que participará do 1º Congresso Internacional de Autoliderança, que acontecerá em Gramado, Rio Grande do Sul, é Scott Blais, fundador e CEO do Global Sanctuary for Elephants, que busca providenciar grandes santuários naturais para elefantes mantidos presos ao redor do mundo, permitindo que eles redescubram o que significa ser um elefante.  Em 1995, Blais abriu o Santuário de Elefantes no Tenesse, revolucionando o modo como o mundo enxerga os elefantes mantidos presos. Ele ajudou a salvar, por 25 anos, animais que tinham sofrido na mão de seus abusadores.

Em 2013, o filantropo e sua esposa se uniram ao Dr. Joyce Poole e Petter Granil, da organização ElephantVoices, para formar o Global Sanctuary for Elephants, organização dedicada ao desenvolvimento de novos santuários ao redor do mundo. Atualmente, o casal mora no Brasil, onde estuda abrir o primeiro santuário da América do Sul, que vai se chamar Elephant Sanctuary Brazil.

Em sua palestra, intitulada “Ouvindo. Ouvindo. Ouvindo- como o Santuário para Elefantes está remodelando o futuro” (em tradução literal do inglês), o CEO vai abordar sua história com os elefantes, mostrando como o contato com animais pode mudar a percepção das pessoas sobre a vida.

O congresso acontecerá nos dias 25 e 26 de abril, de modo presencial em Gramado, cidade localizada no estado do Rio Grande do Sul. Informações detalhadas sobre o endereço do evento e uma ficha técnica de todos os palestrantes podem ser encontradas no site do congresso.

Serviço: 1º Congresso Internacional de Autoliderança:

Para mais informações sobre horários, palestras e compra de ingressos, visite o site: www.congressodeautolideranca.com