Arquivos da Categoria: Comunicação

Como comunicar na era dos Influenciadores digitais é o tema do 19º Reinventar dia 29 na ABI

Evento traz Caio Braz, Marcio Gonçalves e Claudia Belém para discutir o poder desses novos comunicadores e como as marcas se relacionam com eles

Foi-se o tempo em que apenas artistas e raros jornalistas eram considerados “formadores de opinião” e determinavam o que era tendência. Pessoas aparentemente comuns, que emergem das redes sociais, estão influenciando a opinião e a decisão sobre o consumo de milhares de usuários na internet. Muito além das mídias tradicionais, dos sites e blogs, os influenciadores digitais ditam tendências e impõem um novo desafio à comunicação.

Muitos ainda reagem e se questionam sobre o tipo de conteúdo disseminado pelos ‘influencers’. Outros não sabem muito bem como lidar com esses novos comunicadores. Mas como jornalistas e demais profissionais de comunicação podem ‘surfar essa onda’ e se apropriar desse novo processo na reinvenção da profissão? Como assessores de imprensa podem se relacionar melhor com os influencers e trazer os melhores resultados para seus clientes? Para responder estas e outras questões, o 19º Encontro Reinventar JornalistasRJ destaca o tema “Como comunicar na era dos influenciadores digitais?”.

O bate-papo será realizado na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no dia 29 de junho, das 10h às 13h, e traz como convidados o influencer Caio Braz, apresentador de televisão, consultor de moda, professor e publicitário; a jornalista Claudia Belém, diretora da Febre, agência de comunicação especializada em cultura, e o professor Marcio Gonçalves, doutor em Ciência da Informação, professor universitário de cursos de graduação e de pós-graduação e líder do projeto Aula Sem Paredes.

A roda de conversa é apresentada pela jornalista e blogueira Rosayne Macedo, idealizadora e coordenadora da Rede Reinventar JornalistasRJ, e mediada pelo cineasta, teatrólogo e jornalista Jesus Chediak, diretor de Cultura da ABI e da Casa França Brasil. A programação é aberta a jornalistas, estudantes e profissionais de Comunicação e Jornalismo. As vagas são limitadas e as inscrições são gratuitas.  Os interessados devem levar uma colaboração para o café com networking compartilhado e doações para o projeto Repórteres do Bem, que visita instituições beneficentes no Rio.

“A parceria da ABI com o Reinventar JornalistasRJ e suas múltiplas atividades vem ao encontro do objetivo central da minha diretoria que é a revitalização cultural da nossa instituição. É de extrema importância se acolher aqui atividades que preservem e reforcem o status de dimensão nacional conquistado, historicamente, pela Casa do Jornalista”, afirma Chediak.

Saiba mais sobre os convidados

Caio Braz, de 26 anos, apresentador do GNT Fashion às segundas, às 21h30, no GNT, com suas matérias divertidas sobre comportamento, moda e estilo, vai contar os segredos que o levam a ter 119 mil seguidores no Instagram, 99.829 no Facebook,  73 mil no Youtube e 13 mil no Twitter.

A jornalista  Claudia Belém trabalhou 13 anos em O Globo como repórter, chefe de reportagem e editora.  A diretora da Agência Febre, empreendedora há 12 anos, dará dicas sobre estratégias para ativar influenciadores digitais que atinjam os públicos de seus clientes.

Márcio Gonçalves, doutor em Ciência da Informação pela UFRJ e mestre em Ciência da Informação pela UFF, analisará para onde caminha a mídia na era dos influenciadores digitais. Márcio cunhou a expressão “content influencer”, que já é usada para designar os influenciadores com conteúdo jornalístico de qualidade.

Assédio das marcas

De acordo com Rosayne, os influenciadores digitais se tornam verdadeiras celebridades da web e são assediados por muitas marcas. “Seja pelo conteúdo relevante que geram, seja pelas atitudes, comportamentos e dicas que passam, eles influenciam milhares de seguidores e ajudam a popularizar marcas. Um prato cheio para assessores de imprensa e profissionais de marketing”, explica.

Os influenciadores se firmam como profissionais de um novo mercado que pode – e deve – ser ocupado cada vez mais por jornalistas e profissionais de comunicação. Mas é possível um jornalista se transformar em influenciador, mesmo não estando ligado a um grande veículo? Como se tornar também um influenciador, ganhar seguidores e encarar a atividade como uma nova oportunidade? São questões como estas que o Reinventar pretende debater.

Pesquisa YouPIX / Influencers Market 2016, realizada em parceria com a GFK e a Airstrip, que mostra que 40% dos influenciadores digitais com mais de 1 milhão de fãs são mulheres, 2% geram 54% das interações nas redes, postagens identificadas como patrocinadas recebem 25.3% menos comentários, 12.7% menos likes e 83% menos shares.

“O que mais importa para as marcas na hora de contratar influenciadores é sua relevância junto à audiência que lhes interessa, o que não tem a ver só com números. Queremos entender isso tudo e, sobretudo, como podemos nos reinventar como comunicadores na era dos influenciadores digitais”, acrescenta Rosayne.

Sobre o Reinventar JornalistasRJ 

Originária de um grupo no Facebook, o JornalistasRJ, com mais de 10,7 mil perfis, a Rede Reinventar JornalistasRJ surgiu em outubro de 2015, a reboque das demissões em massa e fechamento de alguns veículos no Rio de Janeiro, para repensar o papel do jornalista e buscar saídas pelas vias do empreendedorismo, da inovação e da capacitação.

Passou a reunir jornalistas e profissionais de diferentes posições, muitos já empreendendo e buscando novas oportunidades e parcerias. Desde então, promoveu 18 encontros, a maioria deles na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), e vários outros eventos, cursos, palestras e atividades, contando com mais de 70 palestrantes. A rede já reúne mais de 1.500 participantes, com canais no Facebook, Instagram, Twitter e Whattsapp.

Serviço: 19º Encontro Reinventar Jornalistas RJ

Tema: Como comunicar na era dos influenciadores digitais?

Local: Associação Brasileira de Imprensa (Rua Araújo Porto Alegre 71, 7º andar – Centro, RJ)

Data: 29 de junho de 2017, quinta-feira

Horário: 10h às 13h

Inscrições: Gratuitas e limitadas (com prioridade para jornalistas e profissionais de Comunicação) pelo link https://goo.gl/forms/e1TGsfBLF0Rkryc02

Obs: Pedimos contribuições para o café com networking compartilhado e doações s Repórteres do Bem

Eu estava lá no último e estarei sempre. Muito bom estar entre os meus.

Rede Reinventar JornalistasRJ

reinventar.jornalistasrj@gmail.com

Facebook: https://www.facebook.com/reinventar.jornalistasrj

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC4Zw8Ie8oeq-YKrDroC2GHA

Instagram: https://www.instagram.com/reinventar.jornalistasrj/?hl=pt-br
Twitter: https://twitter.com/Reinventar_Jor

Com o final das Olimpíadas no Rio de Janeiro, agora o foco é o Japão

img-20161013-wa0010O Japão é um país-arquipélago localizado na Ásia Oriental escolhido para sediar os próximos Jogos Olímpicos. No entanto, gostar de peixe cru não é a única grande diferença cultural japonesa perante o Brasil. Conhecido por sua cultura colorida e extravagante retratada nos animes, o Japão tem mais alguns outros costumes que podem ser bastante diferentes para os brasileiros.

De acordo com Nicole Yamashita, uma nipo-brasileira de 12 anos, filha de descendentes japonês, para ela, a principal diferença entre Brasil e Japão, é a forma de tratamento entre as pessoas “Quando as pessoas acabam de se conhecer, elas dizem ‘Yoroshiku’, que na tradução para o português, significa ‘Por favor, seja bom para mim’, ao invés de dizer apenas ‘prazer em conhecer’”, conta Nicole. Segundo a pré-adolescente, é uma forma muito bonita de receber alguém em sua vida.

Além disso, ainda de acordo com Nicole, os japoneses não desejam “boa sorte” quando alguém está prestes a realizar algo importante “Eles dizem ‘Gambatte’, que significa ‘faça o seu melhor’”, “se esforce”diz. A saudação através da reverência – no lugar do aperto de mão, quando agradecem e principalmente em um pedido de desculpas – também é um hábito japonês.

Nicole lista mais alguns costumes japoneses que são bem diferentes dos brasileiros:

1.Os japoneses andam pelo lado esquerdo da rua;

2.Não se entra nas casas ou alguns estabelecimentos – como hospitais – utilizando sapatos. Ao invés disso, utilizam-se sapatilhas chamadas de kinkai. Os japoneses são muito limpos e organizados e não permitem que a sujeira da rua seja levada para dentro de casa;

3.Na cultura japonesa, quem paga a conta nos restaurantes é sempre a mulher. Isso porque são as mulheres que administram as finanças da família;

4.Os alunos que fazem a limpeza das escolas;

5.Fazer barulho ao tomar uma sopa é sinal de respeito. Mostra que você está gostando do prato;

6.Segundo Nicole, um outro exemplo de tratamento japonês é, antes de comerem, os japoneses dizem “Itadakimasu”, que é uma forma de agradecimento às plantas e animais que deram suas vidas para a refeição que estão prestes a comer.

Embora alguns desses hábitos pareçam diferentes e estranhos, os brasileiros certamente tem muito o que aprender com os japoneses. Não é a toa que, mesmo para um país tão pequeno, a economia japonesa é a terceira maior do mundo. Arigatou!

Dia do Homem

imagem_release_458062Homem também é uma pessoa frágil. Ele tem seus conflitos internos. Também se sentem perdidos em seus pensamentos e suas atitudes.
O homem é pré-determinado desde que nasce.  Nas cores que veste ao nascer, no comportamento que precisa cumprir,  para ser visto como um verdadeiro homem.
É comum que seja ressaltado o comportamento de agressividade, atos de coragem, ter iniciativa, ser protetor, liderança nata, sucesso profissional,… Ufa!!!…. Ser homem não é uma tarefa fácil.
Como o homem pode demonstrar seus sentimentos, ser amável, se há tantas crenças que envolvem o papel de um homem autêntico?
Ser homem é mais do que isso. É lutar, é desbravar caminhos. Mas é proteger,  dar carinho, aconchegar, não brigar, é desejar muito ter Paz e Ser Feliz.
Ser feliz, principalmente, com sua mulher. A mais desejada, a mais admirada e a mais Amada. Ter uma mulher ao seu lado, é tudo que o homem deseja.
O olhar de admiração de sua mulher, é fundamental para a vida de um homem.
Ao contrário que a mulher pensa, o homem quer ser desejado. Não quer estar no domínio, o tempo todo. Mas o homem quer conquistar. O homem quer ser o mais interessante e importante para sua mulher.
Hoje, o homem, quer uma companheira ao seu lado. A mulher que é independente, ele está aprendendo a viver, sem competições. Mas não quer ser deixado de lado.
O homem quer aprender a mostrar seus sentimentos, quer ter mais participação na família, quer ser envolvido pela sua mulher em fantasias e romances, quer mais momentos a dois.
Neste dia do homem, aproveite para resgatar homem em novos momentos de prazer, para as alegrias do dia a dia.
Não fale de problemas,  mostre sua admiração e valorize no que ele faz de melhor. Ressalte a melhor qualidade dele.
E claro, não esqueça do melhor presente…. Que é Você!! Divirtam-se.

Feliz dia do homem!!!

Serviço: Carla Ribeiro

Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem

E-mail:  caribeiro.psi@gmail.com

Celular: 21 9.9908-1834

Endereço: Av. Nelson Cardoso, 1149 – sala 1213, Taquara, Jacarepaguá – Rio de Janeiro/RJ.

Batel Food Truck 2ª edição – Uma aventura gastronômica

106A evolução da gastronomia de rua! Assim se define a 2ª edição do Batel Food Truck, dias 17, 18 e 19 de julho, na Avenida Nossa Senhora Aparecida, 468.  Além dos hambúrgueres diferenciados e outros tipos tradicionais de fast food, desta vez haverá trucks e tendas de outros estados servindo delícias como barreado, sopas, omeletes gourmet, tacos, kebabs e risotos doces e salgados.

Haverá duas praças de alimentação cobertas, que têm a presença confirmada dos seguintes estabelecimentos: Sopitas; A Linguiça Honesta; Chef Oswaldo; Santa Temakeria; Altman Gastronomia;  Dagniaux; Brownie do Max; Nebraska; Cookies Stories; No Fringir dos Ovos; Portugalo; Imix; Choco Truck Grué; Totopos; JPL Burguer ; Armazém 71; Batha Bhaya; Yakifast; Mr. Angus; Jet Fast; Chef Sofia; Don Kebab; e Eat Burger, La Grappa; Me Gusta Churros; Kombagel. 107

“O que o público irá encontrar será um mix de gastronomia, pensado na estação mais fria do ano”, explica o organizador Everson Gauer, diretor da WolfPromo. E tudo isso combinado com muito lazer, atividades e artes para todas as idades, incluindo espaço kids, paredão de escalada monitorado por profissionais especializados, tirolesa, show com bandas Lenhadores da Antártida e Hit Rock Trio, DJ Ricarte, exposição de carros antigos e caricaturista.

No mesmo endereço da 1ª edição, promovido em junho, o evento contará com toda a estrutura necessária para proporcionar conforto aos visitantes – mesas, cadeiras, arquibancadas. Próximo aos pontos de venda dos alimentos e nas redondezas serão montadas bancadas que servirão de suporte para as comidas e bebidas.108

Parte das mesas e cadeiras será composta por móveis de madeira reutilizada, e que sofrerá intervenções de artistas plásticos de Curitiba. Durante o sábado e o domingo, artistas também realizarão intervenções artísticas nos muros que ladeiam a subida de entrada do espaço de 10 mil m2.

Solidariedade

Em convênio com a FAS (Fundação de Assistência Social), o Batel Food Truck lançou a campanha “Batel Food Truck por um inverno mais quente”. As doações de peças como agasalhos, cobertores, calçados, luvas e gorros poderão ser feitas no local do evento a partir de quinta-feira, dia 16, no período da tarde.

Quem colaborar, concorrerá a passeio completo, com entrada, refeição e bebida. “Curitiba é uma cidade engajada 109em causas sociais, e a nossa meta é arrecadar milhares de peças de roupas que serão encaminhadas para a FAS”, completa Everson Gauer.

O Batel Food Truck espera receber em torno de 20 mil pessoas entre a sexta-feira e o domingo. Será cobrada entrada de R$5,00. A gratuita é válida para menores de 10 anos, acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE). Os pratos variarão entre R$ 10 e R$ 35. A feira funcionará na sexta-feira (das 17h às 21h), sábado (das 11h às 21h) e no domingo (das 11h às 20h).

Serviço

BATEL FOOD TRUCK

QUANDO: 17/07 – 17h às 21h | 18/07 – 11h às 21h | 19/07 – 11h às 20h.

ONDE: Avenida Nossa Senhora Aparecida, 468 – Batel.

QUANTO: Entrada R$5 Pessoas acima de 60 anos, menores de 10 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais ficam isentos de entrada.

ORGANIZAÇÃO: WolfPromo – Promoções e Eventos Curitiba

Currículo: a porta de entrada na empresa

imagem_release_445962Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas pensam, normalmente, no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional, que é feita, primeiramente, através do currículo.

Para muitos, o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel, e o que o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. “O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você”, afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

A Coach orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. “Nome, idade e endereço, bem como os contatos, são essenciais, mas não pode-se parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos (como de idiomas ou de outras habilidades) também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações, experiências profissionais e cases de sucesso, não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial”, explica.

A profissional diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. “Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, nada de pânico: esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante”, observa.

A profissional finaliza, lembrando que o currículo é como um cartão de visitas para aqueles que não foram contratados ainda. “Existem milhares de modelos de currículos na Internet. Procure aquele que encaixe melhor com seu momento profissional, e não esqueça de mostrar seus diferenciais”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

O coaching no aprimoramento pessoal

imagem_release_444827Realizar mudanças, mesmo que seja para o melhor, não é uma tarefa fácil para a maioria das pessoas. Sair do lugar-comum e arriscar, seja no âmbito profissional ou pessoal, geralmente requer muita preparação. A verdade é uma só: são poucas as pessoas que se sentem confortáveis com grandes mudanças, mas isso, necessariamente, não é uma coisa ruim.

Os processos de coaching são uma alternativa para quem quer superar uma barreira em sua vida, trocar de emprego ou fazer alguma outra grande mudança, mas não sabe como. Eles ajudam, de forma simples e direta, a transformar realidades em que o indivíduo não consegue perceber a possibilidade de mudança, e, consequentemente, não pode atingir a realidade positiva que ele deseja. De forma geral, pode-se dizer que o coaching é um acelerador de resultados.

Segundo a psicóloga e coach Cíntia Seabra, conhecida no Brasil inteiro pelo seu método de emagrecimento online “O Segredo do Emagrecimento em 8 Semanas”, o coaching é uma forma de aprimorar pessoas, desempenhos e resultados. “Muitas das dificuldades que as pessoas têm originam-se na mente, causando preocupações e prejudicando na tomada de decisões. O coaching faz com que você assuma o controle da sua vida ao ter mais segurança e comportamentos adequados para que ocorra a mudança de hábitos necessária para uma vida mais satisfatória”, afirma.

A profissional esclarece que o coaching pode acontecer de várias formas diferentes, para alcançar diversos resultados. Em sua empresa, Seabra Coaching, existem três tipos de processos: o Coaching de Vida, Coaching de Negócios e Coaching Executivo. “O primeiro é voltado para quem quer promover mudanças urgentes na sua vida pessoal ou profissional, como para emagrecer, planejar sua carreira ou melhorar seu relacionamento. Já o segundo é feito para quem precisa alavancar resultados rápidos nos negócios, como abrir um novo empreendimento, crescer ou inovar. Por fim, o executivo é direcionado a gestores, líderes e empresários que querem alcançar melhores resultados, administrando melhor seu tempo e gerenciando melhor o dia a dia corporativo, por exemplo”, explica Cintia.

O coaching tem uma taxa de aceitação muito grande atualmente, sendo amplamente aprovado por quem o utiliza, como é o caso de da produtora executiva sênior, Laura Lacerda Fonseca. “O coaching de Cintia me fez crescer como ser humano, já que eu estava estagnada profissionalmente e, com sua ajuda, pude me encontrar”, conclui.

Serviço: Cintia Seabra

Master Coach  e ​​Psicóloga Clínica

cintia@seabracoaching.com.br e cintia@osegredodoemagrecimento.com.br

www.seabracoaching.com.br e www.osegredodoemagrecimento.com.br

Fazer maratonas de seriados pode distorcer a realidade

imagem_release_450904O episódio final de Game Of Thrones, a aclamada série da emissora HBO, que mistura fantasia e realidade, levou o mundo à loucura. O último episódio da quinta temporada do seriado, que foi ao ar no dia 12 de junho, teve 8,1 milhões de espectadores, segundo o instituto de pesquisa Nielsen, localizada nos Estados Unidos. A série, que possui fãs espalhados no mundo todo, causou comoção nas redes sociais, e teve matérias publicadas sobre sua última transmissão do ano durante dias.

A verdade é que nem todos os seriados dão certo, não ultrapassando do primeiro episódio ou, até mesmo, sendo cancelados depois de várias temporadas, pois, por mais que os membros da Indústria Cultural tentem, nem sempre é possível prever o que fará ou não sucesso. Porém, quando uma pessoa se sente cativada por um seriado e seus personagens, ela passa a esperar ansiosamente pelo desenrolar daquilo, criando expectativas e se frustrando, por diversas vezes.

Apesar de não haver problema em gostar de um seriado, tudo que é feito de forma exagerada pode ser perigoso. De acordo com o e psicólogo e Co-CEO do Instituto Internacional Japonês de Coaching, João Alexandre Borba, as pessoas podem se desgastar tanto de maneira emocional quanto física ao fazer “maratonas” de seriados. “Os serviços de streaming, como Netflix e Now, por exemplo, por vezes liberam uma temporada inteira de uma série de uma vez só, o que permite que as pessoas assistam em um dia, se quiserem. Isso não é saudável, pois o expectador pode passar intervalos de tempo enormes vendo, e esquecer da sua realidade. Já tive um caso de um cliente que ao chegar sexta-feira, ficava em casa até domingo de noite assistindo séries, sem interagir com mais ninguém.”, afirma.

Borba explica que uma pessoa pode se sentir fisicamente desgastada por assistir uma série com muita ação, por exemplo. “O mesmo acontece com séries ou filmes românticos. A pessoa, por assistir inúmeros casais se apaixonando e vivendo felizes para sempre, começa a suprir falsamente sua necessidade de carinho e atenção através da ficção. Porém, essa sensação é superficial, fazendo com que ela continue a assistir de maneira repetitiva, muitas vezes compulsiva, para continuar preenchendo esse vazio”, esclarece.

O psicólogo finaliza, pontuando que, ao acompanhar uma série, é criada uma falsa sensação de lealdade, em que a pessoa se sente parte do enredo e da vida da personagem. “É importante observar que assistir séries e gostar delas não é problema nenhum. Entretanto, isso deve ser feito de maneira moderada, evitando fazer maratonas de episódios, já que isso também pode indicar depressão e solidão”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Psicólogo e Co-CEO do Instituto Internacional Japonês de Coaching

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Retomando a vida sexual depois dos 50 anos

imagem_release_447488Conforme as pessoas vão envelhecendo, é normal que elas passem a ter relações sexuais com menos frequência, mesmo se a pessoa possuir um parceiro de longa data. De acordo com pesquisas na área de gerontologia, segmento da medicina que estuda as questões multidimensionais do envelhecimento e da velhice, se comparado aos homens, as mulheres têm três vezes mais chances de serem afetadas sexualmente por causa da idade, pelas alterações hormonais que caracterizam essa parte da vida.

Entretanto, os homens também sofrem com a idade, pois, a partir dos 50 anos, pode ser mais difícil ter e manter uma ereção por bastante tempo, também pelo fato de que os níveis de testosterona diminuem com a idade. De acordo com um estudo realizado pelo National Council on Aging (Conselho Nacional do Envelhecimento, em inglês) dos EUA, metade dos norte-americanos com mais de 60 anos tem relações sexuais pelo menos uma vez por mês.

Segundo a psicóloga clínica e hospitalar voltada à saúde do homem, Carla Ribeiro, que atua em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, o desejo sexual pode, sim, diminuir com a idade, mas ele não é o principal motivo pelo qual as pessoas têm menos relações sexuais a partir dos 50 anos. “Muitos fatores, tanto psicológicos quanto fisiológicos, podem atrapalhar o desejo sexual de alguém, e, por isso, existem muitas soluções para resolver esse problema. Por exemplo, para homens, remédios que corrigem disfunções eréteis podem ser usados para garantir um tempo maior durante o ato sexual, mas é preciso conversar com seu médico antes de realmente começar a usa-los”, explica.

A profissional também afirma que a falta de energia pode diminuir a vontade de ter relações sexuais. “A melhor maneira de contornar esse problema é não pensar no sexo como uma atividade atlética que demanda posições exuberantes ou que deva durar por horas. Procure enxergar o sexo como um momento de prazer para você e sua parceira, e tente fazer de tudo para que seja uma experiência relaxante, com massagens, carícias ou até mesmo banhos, já que essa é uma ótima forma de desestressar no final do dia”, observa.

Carla finaliza, esclarecendo que, de longe, a melhor forma de solucionar o problema da falta de sexo a partir dos 50 anos é falar com seu parceiro ou parceira. “O diálogo pode resolver muito mais do que se pensa, pois, dessa forma, é possível conhecer novamente a pessoa com que você decidiu dividir sua vida, e fazer com que os momentos íntimos voltem a ser não só frequentes, como também prazerosos para ambos”, conclui.

Serviço: Carla Ribeiro

Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem

E-mail:  caribeiro.psi@gmail.com

Celular: 21 9.9908-1834

Endereço: Av. Nelson Cardoso, 1149 – sala 1213, Taquara,

Jacarepaguá – Rio de Janeiro/RJ.

A felicidade no trabalho existe?

imagem_release_445946No imaginário popular, o trabalho é tratado como algo penoso,que perdurará por sua vida toda, e que as pessoas acabam se acomodando em uma empresa onde não são felizes, apenas por estabilidade financeira.

Esse estigma de que o trabalho apenas serve para ganhar dinheiro deve ser acabado, pois, já que as pessoas passam boa parte das suas vidas trabalhando, deve-se procurar uma função que traga felicidade e, ao mesmo tempo, um bom sustento.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, a busca pela felicidade profissional é válida, apesar de não ser fácil. “O seu trabalho não pode ser tratado como algo negativo, onde você se sente preso e insatisfeito. Pelo contrário, o ideal é que você se sinta motivado para trabalhar, goste das suas funções e, claro, ainda esteja satisfeito com seu salário. Nenhum local de trabalho será 100% ideal, pois em qualquer lugar existirão falhas (um colega inconveniente, você poderia ganhar mais, não existe plano de saúde, etc), mas a pessoa deve sempre buscar sentir prazer pelo que faz”, explica.

A profissional afirma que a busca por uma vida material mais humana pode ser desenvolvida através do trabalho, desde que este seja realizado de maneira agradável. “Para uma pessoa se sentir feliz dentro do ambiente de trabalho, normalmente, considera-se cinco importantes fatores. O primeiro é o ambiente, que deve ser motivador e inspirador; imersão é o segundo fator, que é quando a pessoa se sente engajada e motivada para trabalhar. Reconhecimento, terceiro ponto, é quando há uma remuneração justa, além da consideração dentro do ambiente profissional. Os últimos dois fatores, equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, compõe o quadro que deixa a vida de qualquer pessoa mais satisfatória”, elabora.

Madalena finaliza, dizendo que, ao mesmo passo em que o profissional deve buscar ser feliz no ambiente de trabalho, é função dos superiores tornar esse ambiente agradável para todos. “Quando os colaboradores estão felizes, a empresa funciona melhor, gerando mais resultados para a empresa”, conclui.

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Qual é a sua missão?

imagem_release_446397Que todas as pessoas são diferentes já sabemos, mas o que poucos percebem é que cada um, independente de religião, gênero, raça ou idade, possui uma missão no mundo. As pessoas acabam por mudar a própria vida, a de milhares de pessoas, outras mudam a vida de um número menor de gente, mas, nem por isso, deixam de ser menos importantes.

Segundo o que conta Andreia Rego, que trabalha com coaching e psicanálise, quando a pessoa sabe da sua missão, se torna possível identificar, ao longo do tempo, se ela tem se mantido fiel na manutenção de valores e na construção de ações que a levem a atingir suas metas, tanto pessoais, quanto profissionais. “Quando o indivíduo tem consciência sobre qual é a sua razão de estar vivo, ele se sente motivado para acordar todos os dias. Esse autoconhecimento nos dá a confiança e o estímulo para continuar buscando alcançar nossas metas”, conta.

Andreia explica que pensar sobre a sua “missão” traz energia e dinâmica para acreditar num futuro melhor. “Somos automaticamente impactados porque compreendemos nosso propósito, o que pode gerar uma perspectiva positiva para o amanhã”, esclarece.

A coach propõe o seguinte: que cada um procure responder as seguintes perguntas, de forma pausada e longe das outras pessoas, para que elas não influenciem suas respostas. Ela diz que o ideal é escrevê-las em um caderno de fácil acesso, para que se possa sempre observar algo que deva ser aproveitado/alterado.

  Confira:

  1. O que é mais importante na minha vida? Como me sinto em relação a isso?
  1. O que me deixa realizado? O que isso me proporciona?
  1. Qual é a minha vocação?
  1. Quais são os meus talentos?
  1. O que me dá mais felicidade?
  1. Quais são os meus principais valores? Enumere os 05 mais importantes para você (Exemplo: amor, humanidade, honestidade, paz, liberdade, conhecimento, etc.).

“Se você não se satisfizer com as suas respostas de hoje, não se preocupe; elas sempre podem mudar, conforme você amadurece como pessoa. Estando satisfeito e empolgado com suas respostas, junte-as em um só parágrafo, e determine qual é a sua missão. A partir daí, comece a trabalhar para que ela se realize!”, conclui a profissional.

Serviço: Andreia Rego

Psicanalista e Coach de Desenvolvimento Humano

Face: https://www.facebook.com/andreiasrego?ref=hl 

Instagram: Andreia Rego

Site: http://coachandreiarego.com.br/

E-mail: asrego@gmail.com

Celular: 21 99941.9950

Aprenda a dizer não

imagem_release_439030No dia a dia, é comum que as pessoas esqueçam dos seus próprios desejos para atender as vontades dos outros, principalmente pela correria diária presente na sociedade. É normal que pais e mães deixem de fazer uma coisa ou outra para atender seus filhos, assim como, na empresa, as vezes é preciso parar alguma atividade para fazer algo para seu chefe. O problema surge quando as pessoas perdem sua própria autonomia, e não conseguem dizer não para os outros, esquecendo-se de si próprios.

O ato de dizer não parece fácil para muitas pessoas, mas, para outras, é um verdadeiro desafio. De acordo com especialistas, a característica de falar não surge ainda na infância, lá pelo 15º mês de vida, quando o bebê começa a buscar sua independência da mãe. Ao falar não, especialmente nessa fase entre um e dois anos de idade, a criança procura se emancipar, ainda que de maneira limitada, da figura materna. É nesse momento em que, sutilmente, se descobre a figura do “eu”.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, quando uma pessoa diz não para algo, ela, na verdade, está, ao mesmo tempo, dizendo sim para si mesmo. “Se uma pessoa lhe encoraja a beber, mas você não está sentindo vontade e recusa, você, ao mesmo tempo, está dizendo sim à sua autonomia, respeitando a si mesmo”, explica.

O profissional fala que, ao aprender a dizer não, a pessoa evita ser vítima de quem sabe dizer sim. “Se o indivíduo não souber se posicionar dentro do ambiente de trabalho, por exemplo, os colegas sempre passarão por cima dele, por serem mais autoritários e assertivos. Isso pode causar estresse, levando a pessoa a se sentir sobrecarregada, quando não há necessidade para isso”, comenta.

Quando as pessoas começam a dizer sim para si mesmas, é possível que aja uma reestruturação do próprio indivíduo. “A partir do momento em que a pessoa toma as rédeas de sua vida e começa a valorizar seus próprios gostos, preferências e sentimentos, ela consegue aprender a dizer não para os outros, e se reestruturar internamente. No fundo, não se trata de aprender a dizer não, mas a valorizar o próprio ‘sim”, conclui Borba.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Você tem uma carreira ou um emprego?

imagem_release_435246Algumas pessoas têm empregos. Já outras, e essas são, geralmente, mais realizadas com suas vidas, têm carreiras. A diferença entre um e outro não é tão sutil quanto se pode pensar: o primeiro é apenas uma fonte de renda, que você usa apenas para pagar as contas, mesmo não estando satisfeito com sua função, o segundo é uma realização, algo por que você lutou e luta muito para que se torne realidade, e que envolve dedicação, estudo e muita, mas muita competência.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, muitas pessoas se acomodam ao encontrar um emprego que supre suas necessidades financeiras, mesmo que ele não lhe dê tanta satisfação, e deixam suas carreiras para trás. “A carreira- uma série de empregos que culmina em uma realização maior- é, infelizmente, perseguida por todos. O que acontece é que muitos profissionais que possuem uma grande capacidade acabam por se acomodarem em uma empresa onde não são felizes, e só estão lá para cumprir horário e pagar as contas”, observa a profissional.

Entretanto, de acordo com o que explica a coach, as pessoas só percebem que possuem um emprego depois de muito tempo. “Quando você para de se sentir desafiado, e é recompensado por fazer nada além do que te pediram, tenha certeza: você está em um emprego, não uma carreira”, conta.

Madalena explica que diversos são os fatores que fazem com que uma pessoa se acomode: crises financeiras, problemas pessoais, etc., mas que, mesmo assim, não se pode abandonar seus sonhos de ter uma carreira próspera e satisfatória, por mais que a situação não esteja boa, em determinado momento. “Agarrar-se à sua vocação profissional é muito importante, pois, por meio dela, as pessoas podem se realizar, e, com isso, executar um trabalho muito melhor, já que, quando gostamos de algo, nos empenhamos muito mais”, lembra a coach.

Ela finaliza, propondo uma reflexão para todos: você é feliz tendo apenas um emprego? O que aconteceu com seus sonhos de construir uma bela carreira, da qual você poderia se orgulhar? Afinal, você tem uma carreira ou um emprego?

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

5 dicas para revolucionar sua empresa

90Todos os anos, milhares de pessoas abrem suas próprias empresas no Brasil e no mundo, seguindo suas vontade de se tornarem seus próprios chefes. Entretanto, a cada 100 empresas que são abertas no país, 48 encerram suas atividades em, no máximo, três anos.

Para ter um negócio bem sucedido, segundo Jonathan Souza, um dos fundadores da Agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, é preciso seguir algumas regras. “Neste mercado altamente competitivo, é preciso revolucionar a forma como as empresas se relacionam com os clientes e oferecem seus produtos, por exemplo”, afirma.

Souza oferece algumas dicas que prometem ajudar empresários a sobressaírem seus negócios, entregando resultados diferenciados para seus clientes. Confira:

1.   Conheça seu consumidor

Parece simples, mas muitos ignoram que conhecer quem está comprando seu produto ou desfrutando do seu serviço merece toda a sua atenção. Perceba a maneira com que eles compram, quais produtos que eles gostam mais e quanto eles gastam. Dessa forma, você poderá agradar de uma forma mais eficiente os seus clientes;

2.   Adapte-se aos novos públicos

Os consumidores querem empresas que oferecem liberdade e conveniência. Procure encontrar um meio termo que una ambas essas características, tentando atender uma demanda diferente da tradicional, ou seja: entrando em contato com clientes novos;

3.   Esteja online

“Estar online” não é só possuir um site com uma sessão “fale conosco”. As mídias digitais, como o Facebook, estão se mostrando cada vez mais essenciais para empresas que querem ter liderança de mercado, tanto no Brasil como no mundo. Mas não pense nem por um segundo em deixar seu site, blog ou fan page parado: para que o cliente se identifique com a marca, é preciso que a empresa sempre poste conteúdo relevante, que agrade o cliente, tornando-se parte do seu dia a dia;

4.   Pense no amanhã

Claro que todos pensam no futuro, mas você já parou para imaginar como será o amanhã da sua empresa? Esse exercício permite que os empresários pensem em diversos cenários possíveis, o que leva a reflexões sobre como sair de crises, inovar ou se destacar de maneira diferenciada, por exemplo, gerando um brain-storming que expande o conhecimento sobre seu próprio negócio;

5.   Seja flexível

As novas gerações tendem a pensar muito no equilíbrio entre a vida profissional e o trabalho, e a possibilidade de ter essa flexibilidade influencia muito na hora de contratar uma empresa para fazer determinado serviço, por exemplo.

Além disso, oferecer essa flexibilidade de horários aos seus colaboradores também é uma forma de manter um ambiente de trabalho mais feliz e produtivo.

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

Terapia, sinônimo de saúde

imagem_release_436434Mesmo em pleno século XXI, muitas pessoas, talvez influenciadas pelo modo como a mídia (filmes, televisão, etc) trata o tema, entendem que apenas pessoas que não estão normais fazem terapia. Ou seja, no imaginário popular, apenas os loucos e desequilibrados precisam de ajuda profissional.

Na verdade, segundo especialistas, não existe nada de errado em alguém querer ou precisar de ajuda. Com tantas pressões e angústias que a vida cotidiana pode trazer, o ato de procurar uma terapia é completamente saudável. A verdade é que saúde mental é algo que poucos entendem ou sentem compaixão sobre, já que, segundo pesquisas, 25% de pessoas com doenças mentais acreditam que os outros sentem compaixão por elas. Muitas pessoas, que não se aprofundam ou se interessam pelo assunto, acreditam que as doenças mentais são algo que está “dentro da cabeça do indivíduo”, e que ele deveria se livrar delas sozinho.

Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, o “pouco caso” com doenças mentais não é apenas uma questão social, pois esse estigma é uma barreira que impede as pessoas de buscarem tratamentos adequados. “É tão comum que as pessoas vão ao médico ao menor sinal de gripe, então por que não ir ao psicólogo para cuidar da sua parte emocional? Afinal, ela é tão importante quanto a parte física, para o bom funcionamento do seu corpo”, afirma.

Ele observa que grande parte das pessoas que procuram ajuda psicológica não tem doenças mentais sérias, mas, sim, estão enfrentando alguma dificuldade ou transição nas suas vidas, e precisam de um apoio maior nesses momentos. “Muitas vezes, na verdade, a pessoa só quer alguém que a escute sem fazer juízos de valor e que a possa aconselhar quando necessário”, comenta.

Borba finaliza, explicando que fazer terapia pode ser benéfico para seu bem-estar, dando uma nova perspectiva para a sua realidade, seus problemas, seus relacionamentos, etc. “Muitos pensam que a ajuda psicológica é para sempre, mas não é bem assim. Apesar de certas terapias serem, realmente, de longo prazo, o objetivo principal desse processo será o da sua melhora pessoal, mudando o jeito como você encara seus problemas, e trabalhando para que sua vida se estabilize”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

A banalização do “eu te amo”

imagem_release_438565Com o Dia dos Namorados se aproximando, as lojas começam a intensificar suas propagandas de venda de produtos voltados para a data, começam a brotar textos nas redes sociais sobre o assunto, e as pessoas parecem querer arranjar alguém para dizer “eu te amo” mais do que qualquer outra coisa.

Atualmente, seja pelo status de ter alguém para amar, seja por medo de ficar sozinho (a), as pessoas parecem desesperadas para ter seus sentimentos por alguém comprovados, ou, então, querem que o cônjuge reforce esse amor constantemente. Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, o que acontece hoje em dia é uma banalização do “eu te amo”. “Por mais que não possa parecer, cada vez mais as pessoas se esforçam para sentir algo que (ainda) não existe. Não podemos falar aquilo que não sentimos, ou seja, não há porque apressar o ‘eu te amo’ em uma relação”, afirma.

Ele explica que não é saudável falar por falar, pois isso acarreta no desgaste da relação. “Não deve ser pensado em quantidade, mas, sim, em qualidade. Não obrigue seu cônjuge a falar, deixe que ele se expresse à sua própria maneira. A consistência do sentimento é mais importante do que a frequência, então o ideal é falar quando o ‘eu te amo’ vem naturalmente, não quando ele é solicitado”, comenta.

O psicólogo diz que é preciso que as pessoas saibam avaliar o que é o amor, e como ele é percebido no dia a dia do casal. “Lembro-me de um casal que atendia; quando fiz a pergunta ‘o que é amor para você’ o marido respondeu que era quando acordava, seu café já estava o esperando, e sua mulher estava levando as crianças para a escola. Já para ela, era quando sentia que recebia atenção e carinho do seu companheiro ou quando faziam programas que ela escolhia. Desse modo, expliquei que são nesses momentos em que eles se sentem amados que o ‘eu te amo’ deve ser falado, pois, assim, ambos irão se sentir bem na relação já que o sentimento se encontra presente naquele instante”, explica. Ele ainda recorda que, nesse caso específico, após o casal passar a entender os momentos em que se sentiam felizes na relação, eles começaram a reproduzir com mais vezes essas atitudes que faziam com que ambos se sentissem amados, tornando a relação mais prazerosa e íntima.

Borba finaliza, dizendo que nunca deve-se exigir que a outra pessoa faça ou diga algo de maneira forçada. “Esse tipo de reação é infantil,pois exclui a liberdade do outro. Quando a pessoa se sente livre e sem cobranças, o sentimento flui naturalmente, o que revela-se ser bom tanto para um, quanto para o outro”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

O que muda com o novo algoritmo do Google

imagem_release_438430Uma das atualizações mais recentes do algoritmo de busca do Google chocou um pouco a comunidade tecnológica, pois esta mudança influenciou diretamente nos resultados que aparecem no topo da página.

Antes, se o usuário pesquisasse por um tema qualquer, páginas que explicassem o que é esse assunto (como a Wikipédia, por exemplo) apareceriam no topo da primeira página. Agora, os primeiros links disponíveis sobre determinado tópico serão, prioritariamente, artigos e ensaios acadêmicos sobre o assunto. Apesar de polêmicas, essas não foram as únicas atualizações dos software do gigante de buscas, que nomeou esse novo sistema como “Panda”.

Segundo Ingrid Teles, fundadora da Agência Creators Content, outro uptade importante, e que está diretamente relacionado aos modos com que se consume informação é o fato que o essa atualização beneficia quem consome informação via smartphone. “É cada vez mais comum que as pessoas utilizem das tecnologias móveis para se informar, e o Panda vai facilitar a vida desses usuários”, comenta.

Ela, que trabalha com Marketing Digital, acredita que um ponto chave para os veículos se manterem em destaque será fazendo o investimento em tecnologia móvel. “Cada vez mais as pessoas se utilizam dos aparelhos portáteis para fazer as mais diversas coisas, seja realizar uma transferência bancária, comprar algo ou falar com alguém. O Google percebeu essa tendência, e foi isso que gerou essa mudança”, explica.

Ingrid finaliza, recomendando que, inicialmente, as empresas procurem profissionais voltados ao marketing, para ajudar nessa transição. “Agora, os formatos e conteúdos devem ser pensados para mobile, para que, assim, as empresas continuem no topo da página de buscas do Google”, conclui.

Serviço: Agência Creators

Ingrid Teles

Site: www.creatorscontent.com.br

E-mail: ingrid@creatorscontent.com.br

Telefone: 41 9546-4157

Design e inovação são necessários na sua empresa

imagem_release_435574Em um mundo globalizado e competitivo, onde milhares de marcas oferecem o mesmo tipo de produto, é preciso diferenciar-se e chamar a atenção do público de maneiras diferentes. O design é algo muito importante, que deve estar presente na empresa ou produto que quer se destacar.

O design está presente em tudo à sua volta, em todas as áreas de uma empresa e em todos os elementos que compõem a comunicação com o público consumidor. Pensar que o design é uma parte pequena do seu empreendimento é errado, pois ele se encontra no desenho da sua marca, nas embalagens dos produtos, no seu site, no seu marketing empresarial e até na fachada da sua empresa, envolvendo formas, cores, desenhos e muito mais.

Segundo Jonathan Souza, um dos fundadores da Agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, ao investir na identidade visual da sua empresa, você estará investindo na sua imagem perante aos clientes. “Usando o design de diferentes formas, os clientes acabam por perceber a empresa como inovadora, que esta atenta às mudanças nas tendências, tudo sem perder sua identidade original. O primeiro contato do cliente com a empresa é através do visual, por isso a parte estética é tão importante”, afirma.

Ele lembra que, de acordo com pesquisas mercadológicas internacionais, para cada dólar investido em reais (aproximadamente três reais) na parte do design de uma empresa- que inclui a elaboração de logotipo, dos produtos e do site, por exemplo-, acontece um retorno de cinco dólares (aproximadamente 15 reais). “É um investimento baixo, se comparado a todas as possibilidades que ele engloba, pois a marca pode ficar gravada de forma positiva na mente do consumidor”, pontua.

Souza finaliza, esclarecendo que este investimento, por mais que seja baixo, resulta na permanência no mercado, e na fixação contínua na vida dos usuários, através dos produtos e serviços. “Grandes  marcas estão fixadas em nossa mente por terem uma identidade visual muito forte, o que permite que elas continuem líderes em seus respectivos mercados”, conclui.

Serviço: Publicidade Popular

Site: www.publicidadepopular.com.br

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

Síndrome de Solomon: você tem?

18A Síndrome de Solomon foi desenvolvida pelo psicólogo americano Solomon Asch, e, para comprová-la, fez testes com 123 voluntários, em que avaliou a influência que a opinião dos outros tem sobre o que o indivíduo pensa.

Na prova, o psicólogo mostrou três linhas diferentes, adicionando uma quarta a elas, e os voluntários precisavam dizer quais das linhas eram iguais às desenhadas ao lado. Os alunos que davam sua opinião antes (e que sabiam qual era a resposta correta) induziam a última vítima ao erro, e, no total, 75% das cobaias responderam incorretamente para não ir contra ao que dizia a maioria.

O que Solomon quis determinar com esse experimento, segundo o psicólogo e mastercoach João Alexandre Borba, é que os seres humanos estão muito condicionados em relação ao que os outros pensam sobre eles. “Podemos perceber a Síndrome de Solomon em nós mesmos quando tomamos decisões ou adotamos comportamentos para evitar nos sobressairmos, destacarmos ou nos diferenciarmos dentro de um determinado grupo social, ou, também, quando boicotamos nossos próprios pensamentos e vontades para seguir no mesmo fluxo da maioria. É muito importante que a nossa identidade sempre acompanhe nossas ações. Uma ação sem a presença forte do “eu”, sempre se torna facilmente influenciada”, explica.

Por vezes, de acordo com Borba, esse sentimento de não querer se destacar pode gerar inveja sobre quem não tem esse medo e não tenta seguir a opinião da maioria. “Superar a Síndrome de Solomon é necessário para que as pessoas possam desenvolver consciência crítica, e o começo disso é superando a obrigação de sempre acreditar e concordar com as opiniões alheias”, observa.

“É preciso compreender a futilidade que é deixar as opiniões dos outros influenciarem o modo como vivemos nossas vidas. Só porque uma grande maioria acredita que X é a verdade absolta, não significa que ela realmente é tudo isso que dizem, ou então que ela se aplica a sua vida. É importante manter o pensamento crítico e analítico constantemente. Sem o mesmo, nos tornamos marionetes não ‘mãos’ de opiniões alheias. Permita-se refletir sobre os mais variados temas, deixando sua mente livre para agir ”, finaliza o psicólogo.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Casais que não se escutam brigam mais

imagem_release_433743A comunicação de um casal é, de longe, um dos pontos fundamentais do seu relacionamento, e, quando esta característica é falha, problemas começam a surgir. Brigas imensas, por exemplo, podem ser evitadas quando existe uma boa comunicação entre o homem e a mulher, mas então por que é tão difícil para os casais se comunicarem de maneira eficiente?

Segundo a psicóloga clínica e hospitalar voltada a saúde do homem, Carla Ribeiro, as diferenças entre os homens e as mulheres faz com que a boa comunicação seja uma tarefa difícil, pois as mulheres falam o que pensam, só que de um jeito mais demorado, e os homens vão direto ao assunto, sendo, por vezes, grosseiros. “É muito comum que casais tenham problemas comunicacionais entre si, e que, ao longo dos anos, essa comunicação fique cada vez mais estreita.”, afirma.

A psicóloga lembra que a comunicação pode ser verbal ou não-verbal, e que boa parte dos casais não aprimoram a sua comunicação durante o relacionamento. Entretanto, para que a relação seja duradoura e satisfatória para ambos, é preciso se esforçar para dar certo.”Não existe uma formula mágica para a comunicação entre os casais, mas posso dizer que saber ouvir enquanto o outro estiver falando é um passo muito importante”, observa.

Saber interpretar corretamente o que seu parceiro quer dizer pode impedir muitas brigas, e, por isso, é preciso aprender a ser paciente, e ter disposição para realmente ouvir o que o outro quer dizer. “Quem não escuta, não compreende, e arranja problemas por pouca coisa. Na minha experiência profissional, pude perceber que, no momento em que os casais passam a se escutarem, tudo fica mais fácil”, comenta.

Carla finaliza, reforçando que a boa comunicação é um aprendizado diário, que é facilitado pela convivência. “Se os casais conseguirem utilizar as comunicações verbais e não verbais, estarão diminuindo os erros de comunicação”, conclui.

Serviço: Carla Ribeiro

Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem

E-mail:  caribeiro.psi@gmail.com

Celular: 21 9.9908-1834

Endereço: Av. Nelson Cardoso, 1149 – sala 1213, Taquara,

Jacarepaguá – Rio de Janeiro/RJ.

E se você exigisse mais dos seus candidatos?

imagem_release_422476Entrevistas de emprego são, quase sempre, parecidas. O candidato chega, fica esperando em uma sala (nervoso, geralmente), aguarda até ser chamado e o “interrogatório” começa. Claro, fazer perguntas para saber as qualidades e o que o candidato pensa de si mesmo é importante, mas será que isso é tudo?

As velhas perguntas referentes às falhas, qualidades e aspirações não são mais o suficiente para diferenciar as pessoas em processos seletivos, com o alto nível de competição que pode-se perceber atualmente. Muitos vídeos, matérias e tutoriais na Internet já possuem essas respostas prontas, para que o candidato possa ver o que é, comumente, perguntado em processos seletivos. Como, então, diferenciar as pessoas e identificar o melhor profissional para sua empresa? Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, é preciso que os entrevistadores criem maneiras diferentes de testar as habilidades e qualidades dos candidatos. “Colocar a capacidade de alguém à prova, forçando-o a revelar sua verdadeira identidade, é uma forma de descobrir quem aquela pessoa sentada à sua frente realmente é”, afirma.

Ela lembra de um caso muito comentado, de um processo seletivo inovador feito pela marca de cervejas Heineken. Ao longo do vídeo feito sobre essa ação, é possível perceber que todos os candidatos respondiam coisas parecidas, ao afirmar que combinavam bem com a vaga por gostarem muito de futebol (a empresa é patrocinadora de diversas competições do esporte) ou que seu estilo de gerenciamento era “apaixonado”, por exemplo.

Madalena afirma que a marca procurava uma pessoa entre 1734 candidatos para ser trainee para seu departamento de patrocínios e eventos, e isso é como procurar uma agulha num palheiro. “Dessa forma, eles fizeram três provas diferentes para ver como eles se saíram, tudo sem avisar os candidatos: andar de mãos dadas com o entrevistador, prestar primeiros socorros e ajudar os bombeiros a segurarem uma cama-elástica para que uma pessoa pulasse do prédio. Com isso, puderam identificar quem teria o perfil comportamental desejado para a posição”, explica.

Apesar de que nem todas as marcas e empresas possam fazer esse tipo de testes, por não serem tão grandes quanto a Heineken, a coach afirma que é possível, sim, que, em empresas de qualquer tamanho, testes práticos sejam feitos para testar as habilidades e o perfil comportamental dos candidatos. “Muitas vezes, a pessoa já está acostumada às respostas que os entrevistadores querem ouvir, e acaba por responder de forma automática. Com esses processos seletivos diferenciados, é possível perceber quem é adequado, de verdade, para o cargo, elevando o nível do corpo de funcionários de uma empresa”, pontua.

A coach finaliza, afirmando que é necessário sair do lugar comum, para entregar resultados cada vez melhores, e contratar pessoas que realmente são aptas para exercer determinada função, agregando valor e ajudando a empresa a crescer.

Saiba mais pelo vídeo: www.youtube.com/watch?v=zKeFBsU5Z5k

Outliers Careers
Madalena Feliciano

Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Marketing Digital para pequenas empresas

imagem_release_421922O Marketing Digital é uma ferramenta que pode ser utilizado para diversos ramos de negócio, pois consiste, basicamente, no uso das redes sociais para a divulgação da marca, podendo criar um vínculo melhor entre o cliente e a empresa, já que mexe com conteúdo específico para o perfil do público-alvo.

Entretanto, o que muitos não sabem, é que o Marketing Digital é uma ferramenta que pode ser amplamente utilizada para pequenos negócios, como um negócio familiar de doces, por exemplo. Segundo o que diz Ingrid Teles, fundadora da Agência Creators Content, essa é uma das ferramentas mais baratas para se divulgar um serviço. “Você criar uma página no Facebook e veicular anúncios nessa rede é muito mais barato do que mandar fazer panfletos, ou, ainda, fazer uma propaganda para televisão”, explica.

Ingrid ainda conta que essa ferramenta torna possível mensurar e identificar quais são seus retornos, e quais públicos estão sendo alcançados. “A empresa investe e consegue saber claramente para onde está indo este dinheiro, e em qual público vale mais a pena investir. Divulgar seu serviço por meio do Facebook é como criar uma vitrine para seu trabalho, sem custar caro”, afirma.

Ela, que mexe com o Marketing Digital na Creators Content, finaliza, exemplificando o caso do artesanato. “Normalmente, a pessoa que produz algo artesanalmente venderia para pessoas próximas, mas, com o Marketing Digital, ela consegue uma visibilidade maior e melhor, você conseguiria outras pessoas que não alcançaria sem essa ferramenta”, conclui.

Serviço: Agência Creators

Ingrid Teles

Site: www.creatorscontent.com.br

E-mail: ingrid@creatorscontent.com.br

Telefone: 41 9546-4157

Bom atendimento é garantia de satisfação

Coimagem_release_422363m a quantidade de opções mercadológicas que existem nos dias de hoje, a simples vontade ou necessidade de comprar um produto ou contratar um serviço não é mais o principal determinante na escolha de um cliente. Para conquistar a clientela, e ser a sua principal opção na hora da compra, é preciso se mostrar disposto a atendê-la da maneira correta.

O consumidor, além de qualidade e bom preço, também quer se sentir satisfeito na hora da compra, sentir que está sendo “bem cuidado” pelos vendedores. Segundo o psicólogo e master coach João Alexandre Borba, faz diferença, na avaliação de quem está comprando, ter alguns elementos básicos atendidos por quem os atende. “A gentileza, principalmente, deve ser sempre visada e estimulada, por parte dos patrões, para seus funcionários. Ninguém gosta de ser mal tratado em lugar algum, o que dirá em um estabelecimento ou empresa em que se pretende gastar dinheiro”, afirma.

O profissional explica que é necessário, primeiramente, que haja um bom relacionamento entre os funcionários de diferentes equipes e setores, pois, se a empresa tiver um bom entrosamento, transmitirá simpatia, também, no atendimento. “Todos os colaboradores devem se esforçar e envolver na hora de receber, captar e fidelizar os clientes, para que eles sintam vontade de voltar”, conta.

Ele fala que o famoso ditado “não julgue um livro pela capa”, geralmente, é pouco lembrado nessas horas, pois, o primeiro atendimento em um empreendimento ou empresa pode ser crucial para a criação da imagem dele para o cliente. “Não se pode desconsiderar a opinião do freguês, seja em um atendimento via internet, telefone ou presencial. Uma boa ideia, que pode ser implementa pelos superiores, é pedir um feedback, dos clientes, para saber como os funcionários estão se saindo nesse setor, o que pode ser melhorado, etc”, diz.

Borba oferece algumas dicas para que um bom atendimento seja o “cartão de visita” da empresa ou empreendimento. “Ser simpático sempre, expondo seus produtos de maneira positiva, porém sem mentiras, é uma boa maneira de começar. Ligar ou mandar um e-mail para o cliente, para saber o que ele achou dos produtos e atendimento, indica preocupação com a satisfação”, sugere.

Ele ainda lembra que qualificar, sempre, a equipe, para que o atendimento seja sempre melhor, é uma forma de estimular os colaboradores, ao mesmo tempo em que melhora a imagem da empresa, na visão do cliente. “De maneira geral, tratar cada cliente como se fosse único tem grandes chances de fideliza-lo, e, promovendo a gentileza entre os funcionários e freguesia, faz com que o ambiente de trabalho se torne melhor”, conclui.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

O que os avaliadores esperam no speaking do TOEFL IBT?

imagem_release_423798Para muitas pessoas, estudar fora do país é um sonho, especialmente se for para fazer um curso de graduação ou pós-graduação. Entretanto, a maioria das universidades exige que os candidatos tenham exames de proficiência na língua do país de destino. Um dos exames mais bem recebidos no mundo é o TOEFL, dos Estados Unidos, uma prova de inglês aceita em 9.000 instituições, em 130 países diferentes.

Essa prova testa as quatro áreas do conhecimento: fala (speaking), escuta (listening), leitura (reading) e escrita (writing). Existem dois tipos de exames: o TOEFL IBT, que é realizado via internet, e o TOEFL ITP, feito de maneira tradicional, no papel impresso, sem speaking e writing.

Segundo Fernanda Frattarola, fundadora da plataforma Passe no TOEFL, que dá aulas online para quem quer passar nos exames, a prova do speaking é composta por seis perguntas. “As duas primeiras perguntas são independentes, ou seja, não dependem de nenhum texto ou suporte para que sejam respondidas. Elas dependem, somente, da opinião e experiência de vida do candidato que deve fazer a argumentação adequada”, conta. Por exemplo, se a pergunta for algo como  “quem é a pessoa que você admira?”, é preciso que o aluno justifique sua resposta, dando motivos, argumentos e exemplificando para que a resposta tenha fundamento.

Já as perguntas de três à seis são baseadas em áudio. “Seja referente a um texto lido anteriormente ou não, as perguntas são baseadas em conteúdo entregue por áudio, e o avaliador espera que o candidato possa resumir os pontos principais do exercício de escuta, para formular as respostas corretas”, conta. Ela complementa, dizendo que, apesar de não haver muita produção de conteúdo nessas questões da prova, é preciso prestar muita atenção, para selecionar o conteúdo adequado nas respostas.

Fernanda finaliza dizendo que para se dar bem no speaking do TOEFL IBT é necessário que o candidato conheça bem as questões, as estratégias, e que ele possa selecionar bem o conteúdo que foi exposto.

Saiba mais no vídeo: www.fernandafrattarola.com.br/o-que-os-avaliadores-esperam-na-speaking-section-do-toefl-ibt/#comments

Serviço: Passe no TOEFL

Fernanda Frattarola

www.facebook.com/passenotoefl?_rdr

www.fernandafrattarola.com.br/

Oratória é mais do que falar: é saber se expressar

imagem_release_424580Fazer uma boa palestra vai muito além de ter um discurso bem ensaiado e possuir um bom material de auxílio. Fazer uma boa palestra é a união de saber falar, se expressar por meio de gestos, criar uma ligação com a plateia, saber se portar em frente ao público, cuidando para não transparecer insegurança e medo e, como dito anteriormente, contar com um bom material de apoio, caso necessário.

Muito difícil? Não necessariamente. Existem treinamentos e atitudes que podem ser feitas a fim de transformar qualquer pessoa em uma boa oradora – basta saber a quem pedir auxílio e se esforçar para conquistar as metas traçadas.

Segundo Eraldo Melo, empresário e palestrante motivacional, dois itens que merecem bastante atenção na hora de apresentar um bom discurso são: postura e gesticulação. “Os gestos são o complemento da fala. É normal que ao falar as pessoas gesticulem de maneira natural – e é isso o que deve acontecer durante uma palestra: o orador deve fazer gestos quase automáticos, – aquele que não gesticula, torna sua palestra fria, inexpressiva e forçada, com muita ‘cara’ de ensaiada”, explica o empreendedor.

O gesto é uma forma de dar força as palavras que estão sendo ditas, seja por meio das mãos, dos braços, do movimento da cabeça, do olhar, etc. “Porém, o orador não deve se esquecer de que ao discursar, os gestos devem ser comedidos, sem exageros, na hora certa e com naturalidade”, diz.

Na hora certa? Sim. “O gesto deve preceder, vir antes da palavra ou acompanhá-la, nunca vir depois do que foi dito. Isso porque ao acontecer antes, ele prepara o efeito da palavra; se acompanhá-la, reforça a palavra; se for feito após a palavra, faz com que ela perca a força”, exalta o especialista.

No que diz respeito à postura, o orador deve evitar ser displicente, assim como seu olhar deve sempre percorrer todo o público, não se focando em apenas um expectador ou lado. “Durante a fala, o ideal é evitar as possíveis manias que possam existir como estalar os dedos, mexer na roupa, esfregar as mãos, bater palmas, etc.,” lembra Melo, que afirma que o orador deve sempre agir com espontaneidade – mas isso não significa que ele não deve ensaiar antes. “Para transmitir espontaneidade pro público, é preciso muito trabalho antecedendo a palestra. Só assim o orador poderá avaliar o que precisa ser mudado e concentrar-se em melhorar seus erros”, ressalta.

Para um discurso sair como o planejado e conquistar a plateia, o orador deve usar com maestria a fala, os gestos e a postura, lembrando-se sempre de não deixar as mãos imóveis e nem gesticulando de maneira exagerada. “A melhor atitude com relação aos próprios gestos é não prestar muita atenção neles – e sim deixar com que eles fluam com naturalidade. Já para evitar problemas na fala ou na postura, a dica é a mesma de sempre: treine anteriormente em voz alta, ficando cada vez mais seguro do que será dito. Isso transparecerá ao seu público – e a chance de você ser melhor entendido e avaliado é muito maior”, conclui o palestrante.

Serviço: Eraldo Melo

Ex Faxineiro, Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

Fone: (64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

Estudar em casa é possível, desde que seja de forma disciplinada

imagem_release_423771No imaginário popular, é normal que as pessoas pensem que estudar em casa não é algo produtivo e que a maneira correta seria em locais como bibliotecas, sejam elas públicas ou particulares. Entretanto, com a correria do dia a dia, torna-se muito mais prático ficar em um ambiente confortável para realizar seus estudos, como, é claro, sua própria casa.

Estudar e aprender coisas em casa não necessariamente implica em aprender sozinho, de forma autodidata, mas, muitas vezes, em cursos e aulas online. Segundo Fernanda Frattarola, que dá aulas online para estudantes que queiram passar no exame de proficiência em inglês TOEFL, para aprender inglês em casa, antes de mais nada, é preciso saber ouvir as instruções dadas nos programas de aprendizado. “É preciso ter a disciplina para praticar diariamente, no mínimo 30 minutos por dia, ouvindo, lendo e falando em inglês. O ambiente onde a pessoa estuda também é importante, pois ela poderá se concentrar melhor em um local calmo, bem iluminado e sem influências externas”, afirma.

Ela, que já ajudou milhares de pessoas a passarem no TOEFL por meio de suas aulas online, reforça que a dedicação para aprender inglês é necessária, assim como qualquer outra parte da vida. “As pessoas pensam, muitas vezes, que, por ser uma língua presente  no cotidiano de todos, não é necessário estuda-la a finco. Muito pelo contrário, para sair do lugar comum de só saber algumas frases, é preciso se familiarizar do idioma, por meio de filmes, músicas e livros, por exemplo”, pontua.

Fernanda observa que é preciso desenvolver uma rotina diária de estudos, para que os assuntos não caiam em esquecimento, principalmente para quem pretende participar de provas que exigem o conhecimento da língua, como o próprio TOEFL. “Sempre recomendo aos meus alunos que procurem exercícios oficiais na hora de estudar, para não cair nas armadilhas de exercitar o conteúdo errado. E claro, seguir as orientações do seu professor é uma das principais coisas a serem feitas, afinal, ele só quer que você desenvolva todo seu potencial e aprenda inglês de verdade”, finaliza.

Serviço: Passe no TOEFL

Fernanda Frattarola

www.facebook.com/passenotoefl?_rdr

www.fernandafrattarola.com.br/

Como ficar mais feliz com motivação

imagem_release_418844Muitas pessoas dizem que é difícil ser feliz nos dias atuais. Economia deficitária, preços altos para fazer qualquer tipo de coisa, educação e saúde de má qualidade atrasam, e, diversas vezes, complicam as pessoas de cumprirem seus objetivos e sonhos.

Para Eraldo Melo, dono de 5 empresas no Brasil, mesmo com todas as dificuldades da vida cotidiana, ainda é possível realizar o sonho de ser feliz- o que acarreta em outras conquistas-, desde que haja motivação. “Na verdade, ao invés do que muitos podem pensar, uma pessoa não “é” feliz constantemente, mas ela “fica” feliz, sendo, este, o estado de espírito mais importante da humanidade. Para que mudanças de vida efetivas sejam realizadas, entretanto, é necessário ter motivação, ou melhor, automotivação, pois o que realmente faz diferença é a maneira como a pessoa encara os obstáculos que surgem no meio do caminho”, conta.

Ele, que, sendo de origem humilde, iniciou sua carreira em uma de suas atuais empresas como Auxiliar de Serviços, acredita que existem alguns ingredientes fundamentais para que cada pessoa no mundo encontre a felicidade com motivação. “Não adianta a pessoa apenas dizer ‘quero ser feliz e mudar minha vida’ se não começar a perceber os elementos essenciais para que isso aconteça”, explica.

Melo listou os itens necessários para que alguém encontre a motivação para ser feliz e alcançar seus objetivos, confira:

1.   Amor próprio

Segundo o palestrante motivacional, é preciso, em primeiro lugar, amar a si mesmo, colocando-se em primeiro lugar. “Não se trata de se achar melhor que os outros, muito pelo contrário. É preciso se dar valor para poder ser feliz, pois, quando se está feliz consigo mesmo, é possível focar essa felicidade para outras coisas”, fala.

2.   Trabalho em equipe

Já diria Aristóteles, “o homem por natureza é um ser social”. Eraldo concorda com isso, dizendo que o trabalho em equipe torna o homem mais forte, capaz e inteligente, pois, quando as pessoas trabalham juntas, elas vivem melhor, e conseguem alcançar seus objetivos.

3.   Persistência

“Quando temos um sonho, temos que persistir para a realização do mesmo, pois este é um ingrediente fundamental nas nossas vidas. Sonhos realizados são garantia de felicidade!”, diz o empresário. Ele ainda fala que sempre, independente da situação, é necessário persistir para vencer.

4.   Atitude

Na vida, segundo Melo, as pessoas são responsáveis pelo o que serão no futuro. Ou seja, uma atitude tomada hoje, que seja positiva e que gera mudanças, vai acarretar em um amanhã melhor e mais feliz.

5.   Sonho

Por fim, o empresário explica que nada adianta ter todos os itens acima se a pessoa não tiver um sonho pelo qual lutar. “Sem sonho, não há razão de viver. Se agarre na sua paixão e busque-a”, finaliza.

Serviço: Eraldo Melo

 www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

8 dicas para abrir seu negócio online

imagem_release_422659Atualmente, o mercado de vendas online encontra-se em constante crescimento, tanto no mundo, quanto, especialmente, no Brasil. Em 2014, o comércio eletrônico no país foi extremamente forte na área de informática, eletrônicos e roupas ligadas à seleção brasileira de futebol, por estar perto da Copa do Mundo FIFA.

Em 2015, espera-se que haja um grande crescimento em lojas de nicho, especializados em roupas ou consumo de comida em restaurantes locais, por exemplo. A tendência, para este ano, é que o e-commerce seja focado em itens de necessidade básica, sendo que boa parte das rendas online serão feitas por meio dos dispositivos móveis, como smartphones e tablets, já que, em 2014, cerca de 7% das vendas pela internet foram realizadas via mobile, e esse número tende a crescer.

Com informações como estas, fica claro que investir em lojas online, já possuindo lojas físicas ou não, é uma boa opção. Entretanto, é preciso ter um mínimo de conhecimento básico antes de desbravar esta nova área, pois toda a preocupação que pode existir em uma loja física precisa ser lembrada em um e-commerce. Por exemplo, assim como uma loja física precisa ser organizada e limpa para agradar os olhos do cliente, é preciso ter o mesmo cuidado com a loja online, pensando no design, por exemplo.

Segundo Jonathan Souza e David Nudelman, criadores da Agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, muitas pessoas pensam que, porque o ambiente é online, algumas preocupações, como a apresentação dos produtos, não são tão importantes, quando, na verdade, é muito pelo contrário, já que o cliente precisa sentir confiança na qualidade dos produtos ao acessar o site.

Os fundadores listaram 8 dicas importantes para quem quer abrir um e-commerce, confira:

1.   Imagem dos produtos

Segundo os empresários, pensar na imagem dos produtos que serão vendidos online é essencial, pois eles são o “cartão de visita” do seu negócio;

2.   Estoque de Produtos

“Venda apenas o que você pode produzir, vender e não entregar prejudica muito a reputação da sua loja online”, explica Souza;

3.   Noções de Informática

De acordo com os sócios, para administrar suas vendas online, é preciso ter o mínimo de conhecimento sobre sua plataforma de vendas. “Ter ajuda de uma equipe para manter seu site sempre funcionando bem é fundamental, mas é preciso que o proprietário saiba, de maneira básica, mexer na sua própria página, para caso aconteça alguma emergência”, diz Nudelman;

4.   Divulgação

Quem não faz propaganda, não possui clientes e nem faz sucesso. Para isso, sua loja precisa ser divulgada e campanhas na web, o que ajudará nas vendas;

5.   Atendimento

” Ter uma pessoa que seja responsável por sua loja online é importante para respostas rápidas aos seus clientes”, afirma Souza. Ou seja, como a Internet funciona 24h por dia, é preciso ter alguém para dar suporte ao atendimento de seus clientes por boa parte da jornada diária;

6.   Identidade Visual

Assim como eu uma loja física, a aparência da loja online precisa transmitir credibilidade, confiança e transparência para seus clientes;

7.   Logística

“Pense na melhor estratégia de entrega dos seus produtos. Prazos e qualidade de entrega são fundamentais para sua loja ser um sucesso, afinal, ninguém gosta de quem não cumpre o que foi prometido”, pontua Nudelman;

8.   Conta Bancária

Para melhor controle das contas da empresa, o recomendado é que o proprietário faça uma conta bancária empresarial, separando o pessoal do profissional;

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

www.publicidadepopular.com.br/#!8-coisas-que-você-precisa-saber-antes-de-vender-online/c1c1f/5522aed10cf215f35a434d67

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

O desemprego e a necessidade do aprimoramento pessoal

imagem_release_422442Foram divulgados, na quinta-feira, 07/05, dados sobre a taxa de desemprego nos três primeiros semestres de 2015, em senso realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O percentual subiu nesse tempo, chegando a 7,9%, e a população desocupada cresceu 23%, já que, no quarto trimestre de 2014, a desocupação ficou em 6,5%, e, nos primeiros três meses do ano passado, em 7,2%.

Os números, que fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), indicara que a região Nordeste teve a maior taxa de desocupação do país, atingindo 9,6%, sendo que o Sul teve a menor, de 5,1%. O Sudeste ficou com 8% do total, 8,7% no Norte e, no Centro-Oeste, o nível de desemprego foi de 7,3%. A pesquisa ainda mostrou que o desemprego para quem tem ensino médio incompleto é maior entre os grupos, podendo chegar a 14%, consideravelmente maior ao de quem tem ensino superior completo, que é 4,6%.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, os números no Brasil podem ser explicados pela recessão e crise econômica pelas quais o país está passando. “Quando há uma instabilidade no cenário econômico, é normal que a situação mude, e pessoas percam seus empregos. Claro, não é fácil para ninguém, mas é preciso ter em mente que isso é passageiro, e em breve acabará”, afirma.

A coach explica que esse não é o momento para ficar parado. “Mesmo para quem tentar diversas vezes e não conseguir arranjar outro emprego, não se pode desanimar. Fazer cursos, participar de workshops e palestras é essencial para se manter atualizado sobre as tendências mercadológicas, e se manter atrativo para os empregadores”.

Madalena conclui, dizendo que o processo do coaching pode ajudar quem se encontra em situação de desemprego. “Ao determinar seus pontos fortes e os que ele precisa melhorar, além de aumentar seu rendimento, o candidato se torna um atrativo nos processos de seleção”, conclui.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83,  São Paulo – SP.
madalena@outlierscareers.com.br
www.outlierscareers.com.br

Saiba mais sobre a Síndrome do Pensamento Acelerado

imagem_release_419674No mundo em constante mudança e com o ritmo acelerado, é difícil afastar a mente dos problemas e obrigações diários, fazendo com que, mesmo nos momentos de descanso, as pessoas continuem com a cabeça cheia.

Com origem no ritmo alucinante das grandes cidades, overdoses diárias de informações e obrigações que afetam a saúde emocional, a Síndrome do Pensamento Acelerado é uma condição do mundo moderno, que acomete milhares de pessoas. Segundo especialistas, essa síndrome não é uma doença, mas, sim, um sintoma vinculado a um quadro de transtorno de ansiedade.

O psicólogo e master coach João Alexandre Borba explica que as pessoas mais vulneráveis a desenvolverem esse tipo de síndrome são aquelas avaliadas constantemente por causa de suas obrigações profissionais, não podendo se desligar delas por nem um segundo. ”Bons exemplos são médicos, jornalistas e executivos. A pressão profissional, juntamente ao excesso de informações às quais somos submetidos diariamente, que é considerado normal, atualmente, pode abalar o emocional de alguém”, afirma.

O profissional cita que os sintomas são a sensação de estar sendo esmagado pela rotina, a impressão de que as 24 horas por dia são insuficientes para o cumprimento de todas as tarefas, o sentimento de apreensão, falta de memória, déficit de atenção, irritabilidade e sono alterado. “O esgotamento mental é a principal descrição para a pessoa que sofre da SPA, transferindo o cansaço intelectual para o cansaço físico, o que faz com que o humor seja muito volátil, também. A tecnologia tem influência nesse quadro, pois é lotada de estímulos e informações que podem cansar a vista e o cérebro”, observa.

Borba conclui, falando que, para quem se identificou com os sintomas acima, é recomendado buscar ajuda profissional. “O melhor a se fazer é buscar um estilo de vida que permita fugas do estresse cotidiano, praticando atividades físicas e dedicando tempo ao lazer. Fazer pausas, retomar alguns hobbys e tentar fazer coisas sem nenhuma atividade simultânea”, finaliza.

Serviço: João Alexandre Borba

Master Coach Trainer e Psicólogo

joao.alexandre@live.com

www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

Unindo o útil ao agradável

imagem_release_417765Com o advento da internet, é cada vez mais comum existirem veículos escritos de maneira subjetiva, mas que compartilham informações sobre viagens, técnicas de cabelo e maquiagem, e experiências pessoais de todos os tipos, desde rompimentos amorosos, até como é ser mãe pela primeira vez, por exemplo.Essas formas de mídias são popularmente chamadas de “blogs”, que, por definição, são páginas de internet regularmente atualizadas, que contém textos organizadas de forma cronológica, com conteúdos diversos e que buscam interação com seus leitores. Por meio deste tipo de veículos, por exemplo, é possível planejar uma viagem para o exterior, pegando dicas de locais e atrações acessíveis. Além disso, para os próprios blogueiros, poder contar parte de sua vida, dividindo-a com pessoas que já tiveram os mesmos sonhos, problemas e angústias, por exemplo, é uma experiência única.

Segundo Ingrid Teles, que fundou, há quase cinco anos, o blog “Feriado Particular”, o importante é fazer algo que você gosta, e que possa ser transmitido para as pessoas. “Criei essa página para falar que moda, maquiagem, dança e, enfim, qualquer tipo de assunto que me interesse. Um fenômeno legal de se observar é que, quanto mais você se dedica, melhor é a reação do público sobre determinado post”, afirma.

Ela, que também é fundadora da Agência Creators Content, de Curitiba, acredita que um ambiente como este é feito para expressar sua opinião, não importando se ela está certa ou errada. “É como um diário com quem você desabafar, contar coisas legais e fazer reflexões. Além disso, é incrível poder estabelecer parcerias, como as que tenho no Feriado Particular, para incrementar o conteúdo do site”, pontua.

Ingrid ainda fala que, se o blog for bem administrado, ele pode, também, ser rentável. “É, basicamente, unir o útil ao agradável: você faz o que gosta, pode entregar informação e produtos de qualidade para seus leitores”, finaliza.

Serviço: Agência Creators

Ingrid Teles

www.feriadoparticular.com

Site: www.creatorscontent.com.br

A influência da Internet no dia a dia

imagem_release_417471A Internet começou a ser difundida nos anos 90 no Brasil. Ainda em estágio pouco avançado no país, esse recurso era utilizado, prioritariamente, por órgãos do governo e instituições educacionais de pesquisa. Nessa época, a Internet era utilizada para transferências de arquivos, debates e acesso a base de dados nacionais e internacionais. Com o passar do tempo, ela foi se desenvolvendo, desde a criação de sites e blogs pessoais, como a infinidade de opções que existem hoje.

No dia 17 de maio, é comemorado o Dia Internacional da Internet, para homenagear essa ferramenta que mudou os modos como as coisas eram feitas no mundo todo, desde trabalhos escolares à pesquisas científicas. Atualmente, é difícil pensar em alguém que não se utilize da Internet no seu dia a dia, seja para mandar um e-mail referente a seu trabalho, programar uma viagem ou falar com amigos do outro lado do país, por exemplo.

A Internet mudou, também, o modo como as pessoas trabalham e divulgam informações da sua empresa. Grande parte das publicidades são feitas no ambiente virtual, seja em portais e mídias sociais, por exemplo. Além disso, as formas de divulgação também estão mudando, seja por meio de vídeos, fotos ou gifs (sequências curtas de vídeos). Dessa forma, as agências de publicidade também tem que se adequar às mudanças proporcionadas pelo ambiente virtual.

Uma dessas empresas que percebeu a necessidade de uma abordagem diferente no ambiente virtual é a agência Publicidade Popular, de Porto Alegre. Além de oferecerem serviços a preços competitivos para qualquer tipo de empreendimento, eles também possuem ferramentas que procuram trabalhar com a linguagem do mundo virtual, o que gera maior atenção por parte do público.

O serviço de Criação de Vídeo, um dos muitos ofertados pela agência, propõe a produção de um vídeo animado, de apenas 30 segundos, em que os serviços ofertados pela empresa contratante possam ser apresentados para os possíveis clientes de maneira rápida e divertida.

Com uma proposta de colaboração entre os dois lados na hora de criar, esse é apenas um dos exemplos do uso abrangente da Internet no nosso dia a dia, inclusive, nos negócios e na publicidade.

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

O coaching e o autoconhecimento

imagem_release_415693Já diria Sócrates, “conhece-te a ti mesmo”, afinal, para vencer na vida, conquistar a posição que você quer dentro de uma empresa e realizar seus sonhos é essencial se autoconhecer, ou seja, identificar e avaliar suas qualidades, defeitos, angústias, limitações,  valores, talentos e habilidades.

O autoconhecimento não vem fácil para muita gente, mas isso não quer dizer que ele não pode ser desenvolvido. Segundo o coach financeiro, Robson Profeta, isso pode ser solucionado de maneira eficaz. “Em muitos casos, a pessoa só precisa de um empurrão para saber quem é, quais suas competências e como maximizá-las, fortalecendo assim seu posicionamento, não apenas no mercado de trabalho mas também em sua vida pessoal. O coaching já ajudou, e continuará ajudando, muita gente com isso, e o mais incrível é poder observar os resultados desse tipo de trabalho. É transformador!”, afirma o profissional.

Profeta explica que o coaching é um processo que visa aumentar a performance do indivíduo. Imagine descobrir competencias individuais e investir fortemente nestas competências, sem canalizar energia desnecessária. “Esse processo ajuda as pessoas a alcançarem seus objetivos, e, no meio disso, a se autoconhecerem. O indivíduo acaba conhecendo suas forças e seus pontos a serem melhorados, o que dá a motivação para realizar uma mudança de vida”, pontua. Ele ainda fala que o coaching pode auxiliar na diminuição do stress, resolução de conflitos internos, causando uma melhora na autoestima, auto-confiança, tornando o indivíduo responsável por esta mudança na vida.

O especialista  complementa, dizendo que o autoconhecimento é fundamental em diversos processos da vida, inclusive, em técnicas de coaching financeiro, por exemplo. “Esse segmento ajuda as pessoas a aprenderem a viver dentro de seu orçamento, o que, para muitos, é uma verdadeira batalha. Essa metodologia auxilia o indivíduo a identificar opções para resolver seus problemas, avaliando-as e decidindo pela melhor delas”, finaliza.

Serviço: Robson Profeta

Coach Financeiro

Site: www.robsonprofeta.com.br

E-mail: rp@robsonprofeta.com.br

Tel:  11  98107-1003

Dicas de etiqueta em e-mails empresariais

imagem_release_409376A boa etiqueta no ambiente corporativo vai muito além do espaço físico. Como a revolução tecnológica proporcionou que, atualmente, a maioria das empresas trabalhasse a base dos computadores integrados, é possível perceber como cada funcionário se comporta online, caso o superior assim deseje.

Segundo Madalena Feliciano, diretora geral do Outliers Careers, é necessário atentar-se pela maneira como se escreve e-mails que vão circular pela empresa. “Desde erros ortográficos até piadinhas que parecem ser inocentes, mas que possuem potencial para magoar alguém, nada pode passar em um e-mail corporativo; é necessário prestar atenção redobrada a tudo”, explica a profissional.

Madalena listou alguns itens básicos de etiqueta em e-mails corporativos, para que se faça um bom uso desta ferramenta. Confira:

1.   Amigos, amigos…negócios a parte:

Os e-mails trocados utilizando-se o domínio da empresa devem ser estritamente profissionais. “É cada vez mais comum o vazamento de informações via e-mail ou mídias digitais que podem causar danos a empresa, e, por isso, é necessário separar bem o ambiente pessoal do de trabalho”, explica Madalena;

2.   Escrever pouco é escrever bem

Quando se quer passar uma mensagem, é sempre bom escrever de modo conciso, porém educado. “Ir direto ao ponto rapidamente, sem deixar de fora o que é essencial, é de bom tom nos e-mails profissionais”, aponta;

3.   Lembrar-se das aulas de português é sempre bom

Para um profissional formado, sempre pega mal escrever errado, mesmo que seja por pura falta de atenção. “A capacidade e credibilidade do indivíduo são analisadas, também, por e-mail, por isso a necessidade de checar o que se escreve”, diz a coach;

4.   Checar antes de apertar “enviar” sempre é bom

Uma mexida desatenta no mouse, e o e-mail é enviado pela metade ou com informações incorretas. Segundo a diretora geral do Outliers Careers, é importante checar com precisão o corpo do e-mail, para ter certeza que ele será enviado da forma desejada;

5.   Nada de beijos e abraços

Na hora de assinar um e-mail, é altamente recomendado que se escreva, apenas “atenciosamente”, ou, para encurtar, “att”. Por mais que você seja próximo, colocar “beijos” ou “abraços” no final de um e-mail corporativo pode não ser bem visto pelos superiores.

Serviço: Outliers Careers
Madalena Feliciano
Diretora Geral
(11) 2737-1724
Avenida Fagundes Filho, 77, cj 82 e 83, São Paulo – SP.
E-mail:
madalena@outlierscareers.com.br
Site:
www.outlierscareers.com.br

Presença nas redes sociais é indispensável

imagem_release_409569Segundo uma pesquisa, realizada em 2013, pela TIC Empresas, 97% dos empreendimentos brasileiros estão presentes no ambiente online. Já a pesquisa da empresa Tyntec, publicada no mesmo ano, revelou que 77% dos usuários brasileiros usam as redes sociais (como Facebook e Twitter) via celular, o que faz do país o mais conectado ao ambiente social via smartphones em todo o mundo. Atualmente, é possível dizer que, se uma empresa do Brasil não existe nos espaços virtuais, ela simplesmente não existe.

Mesmo com inúmeras pesquisas indicando que estar presente nas redes sociais é benéfico para as empresas, muitos empresários se recusam a participar do mundo da internet, por temerem se afastar de seus clientes tradicionais, por exemplo. Segundo Ingrid Teles, fundadora da agência Creators Content, de Curitiba, o investimento em redes sociais pode ser considerado o mais efêmero, porém favorável à empresa. “Uma marca que sabe se comunicar através do Facebook, por exemplo, com conteúdo de qualidade e que saiba falar com todos os tipos de público, atrai curtidas para sua página, e, consequentemente, mais sucesso para a empresa”, explica.

Ela, que trabalha com o Marketing Digital como ferramenta para otimizar o alcance dos seus clientes no ambiente online, acredita que as redes sociais tendem a trazer mais resultados com bens comprados por impulso, de custos mais acessíveis e/ou que geram mais envolvimento emocional. “Através de ferramentas de otimização de conteúdo e material específico para a página (com posts e fotos de qualidade), é possível realmente atingir os clientes, tanto os antigos quanto os em potencial”, pondera a profissional.

Ingrid cita que os benefícios trazidos pelas páginas em redes sociais são inúmeros, mas que os principais são o conhecimento do cliente em potencial; saber o que os consumidores pensam; fidelizar os antigos clientes e aumentar o tráfego da página, causando um impacto positivo para o negócio em si. “De modo geral, empresas que estão presentes no ambiente online de maneira efetiva (ou seja, com manutenção frequente em suas páginas), observam um aumento em seu lucro, pois, ao saber o que seus consumidores procuram, se torna possível entregar o melhor resultado”, finaliza.

Serviço: Agência Creators

Ingrid Teles

Telefone: 41 9546-4157

E-mail: ingrid@creatorscontent.com.br

Site: www.creatorscontent.com.br

A influência de uma boa divulgação sobre um negócio

71A cada 100 empresas que são abertas no Brasil, 48 encerram suas atividades em, no máximo, três anos. Segundo pesquisa realizada pelo Sebrae Nacional, a taxa de mortalidade de empresas neste período é de, aproximadamente, 30% no país, número que pode aumentar de acordo com a região.

De acordo com o órgão, existem cinco motivos principais pelos quais um grande número de empresas fecha no país todos os anos: falta de planejamento; copiar modelos de negócios já existentes, ao invés de buscar um próprio; não acompanhar a rotina da empresa; descontrole do fluxo do caixa; falta de adaptação às necessidades do mercado e falta de divulgação da marca. O último problema, da falta de publicidade, muitas vezes, ocorre pois os valores são muito altos para os pequenos e médios empresários, que preferem não comprometer dinheiro com esse segmento, acreditando que ele não é tão necessário.

Sabendo dessa limitação, e entendendo que a falta de divulgação é mortal para um empreendimento, a Agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, desenvolveu uma solução para que pequenos e médios empresários possam fazer a divulgação necessária de seus negócios, sem que doa em seus bolsos. A iniciativa, intitulada ” Publicidade Para Todas as Empresas “, busca oferecer serviços de publicidade e propaganda de maneira acessível a todos, independente do tamanho ou verba do cliente em potencial.

A agência acredita que todas as empresas têm potencial de crescer, e que a comunicação é o primeiro passo para isso, já que ela precisa estar presente em todos os negócios. O objetivo principal da empresa, com essa iniciativa, é o de desmistificar a publicidade para aquelas empresas que ainda não tem acesso a ela, tornando-a popular, como o próprio nome sugere. Com clientes que vão desde salões de beleza à academias de boxe, a Publicidade Popular busca estreitar os caminhos entre o objetivo da empresa e do freguês, gerando resultado e crescimento para o negócio.

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

www.publicidadepopular.com.br/#!Publicidade-para-todas-empresas/c1c1f/54b599a20cf2cb6523e4ddee

www.publicidadepopular.com.br/#!depoimentos/c1ca6

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

As cirurgias plásticas na era das selfies

70Todos os dias, milhares de pessoas tiram selfies. E não tiram apenas uma, mas, sim, duas, três, quatro, e por aí vai. O que era antes era popular apenas entre grupos jovens, hoje, é praticado por pessoas de diversas idades e classes sociais. O dicionário Oxford, da língua inglesa, incluiu a palavra “selfie” sob a definição de “uma fotografia que você tira de si mesmo, tipicamente feita com um smartphone ou webcam, e compartilhada via mídia social”.

Apesar dos autorretratos já existirem, praticamente, desde que a fotografia foi inventada, o novo termo popularizou a prática. Entretanto, alguns dizem que é a possibilidade da foto receber “curtidas”, como no Facebook e Instagram, que tornou as selfies um sucesso. Afinal, não basta apenas sorrir, é necessário transmitir uma mensagem para quem verá a foto, como sensualidade, por exemplo.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Plástica Facial e Cirurgia Reconstrutiva (AAFPRS, em inglês), a ascensão das selfies teve um grande impacto positivo sobre a indústria da cirurgia plástica facial. Este estudo revelou que um em cada três cirurgiões plásticos faciais constatou um aumento do número de procedimentos que possuíam relação com o fato dos pacientes quererem uma melhor aparência para as fotos postadas nas redes sociais. Também observou-se que, aproximadamente, 13% dos membros da AAFPRS (que são quem participa da pesquisa) identificaram uma grande insatisfação dos pacientes com a aparência em plataformas online.

Segundo Alderson Luiz Pacheco, cirurgião plástico com atuação em Curitiba, as redes sociais fazem com que os usuários mantenham uma forte autocrítica sobre si mesmo. “Muitas vezes, as pessoas não se contentam com serviços como o Photoshop para melhorarem suas fotos, pois sabem que a mudança só ocorre no ambiente virtual, e, por isso, cirurgias plásticas no nariz, pálpebras e transplantes de cabelo são cada vez mais comuns”, comenta o médico.

Ele ainda fala que as mulheres se mostram mais propensas a fazer liftings faciais e rinoplastias, enquanto os homens estão mais preocupados com rugas e perda de cabelo. “As redes sociais têm exercido, cada vez mais, um papel relevante na vida dos jovens e de sua autoestima. As selfies podem ser um grande instrumento de aprendizagem e autoexploração, mesmo que isso signifique fazer algumas mudanças estéticas para que a pessoa se sinta melhor consigo mesma”, finaliza o profissional.

Serviço: Doutor Alderson Luiz Pacheco (CRM-Pr 15715)

Cirurgião Plástico

Sites: http://www.alplastica.com

http://www.michelangeloclinica.com.br

Blog: http://draldersonluizpacheco.wordpress.com

Email: plastica.pacheco@yahoo.com.br

Fone: (41) 3022-4646 e 4141-4424

Endereço: Rua Augusto Stellfed, 2.176, Champagnat, Curitiba/PR.

Fontes da Toda Comunicação Curitiba/PR

Treinamentos diários rápidos auxiliam na melhora da dicção

69Uma pessoa, para ser considerada como uma boa oradora precisa possuir algumas características em comum, como saber utilizar bem o seu tom de voz, escolher com cuidado as palavras que serão ditas, ter um olhar expressivo, saber como gesticular, a postura que deve ser utilizada durante uma apresentação, etc. Porém, saber falar bem exige muito mais do que simplesmente “abrir a boca e falar”. Para que tudo saia como planejado é preciso saber respirar de forma correta – para não cortar as frases no meio ao faltar ar -, e ter uma boa dicção das palavras.

Eraldo Melo, empresário e palestrante motivacional, comenta que dicção é a forma de articular e pronunciar as palavras, emitindo de forma correta os fonemas exigidos pelo idioma que será falado – e, quanto mais correta a dicção, mais compreensível se tornam as palavras para aqueles que lhe ouvem. “Uma boa oratória está diretamente ligada a uma boa dicção – e as duas, quando unidas, podem abrir muitas portas para a carreira profissional e até mesmo para a vida pessoal das pessoas. Comunicação é algo necessário em todos os âmbitos da nossa vida – e saber como se comunicar de forma clara e direta é imprescindível”, diz.

Quanto melhor for a oratória e dicção de uma pessoa, mais chances ela terá de alcançar a excelência na hora de se fazer entender pelos outros. “Para pessoas que utilizam da oratória diariamente no trabalho, como professores, palestrantes, diretores de empresa, etc., torna-se ainda mais importante ter uma boa dicção, afinal, um bom professor, por exemplo, precisa saber o que falar e como falar para que seus alunos lhe entendam – e como eles irão entender se as palavras forem ditas com uma má dicção?”, exemplifica Melo.

E não é só no trabalho que isso é importante: como conversar com uma pessoa se você não entende as palavras que ela diz? “Porém, aqueles que possuem dificuldades na hora de falar corretamente não precisam ficar desesperados: não se trata de uma doença, e sim de falta de treinamento. Ter uma boa oratória, saber lidar com as pausas de respiração e, por fim, ter uma boa dicção, são questões que podem – e devem – ser treinadas por todos, indiferente de sua aptidão para essas qualidades. É só treinando que se conquistará melhores resultados nessa área”, explica.

Para isso, o especialista oferece dicas de alguns treinamentos que podem ser feitos por qualquer pessoa no dia-a-dia. Confira:

01.   Relaxe os músculos da face. Para isso, sorria, gargalhe, alongue-se, faça movimento de mastigação, comprima os músculos do rosto, etc.;

02.   Treine por meio de trava-línguas: (o famoso “Três pratos de trigo para três tigres tristes” nunca lhe foi tão importante);

03.   Preste atenção nas consoantes: as letras “L”, “T”, “D” ou “N”, por exemplo, pedem que a língua seja elevada até atrás dos dentes incisivos superiores, sendo encostada no céu da boca para que a pronúncia seja correta;

04.   Pratique exercícios de dicção repetitivos: escolha uma frase curta e a repita inúmeras vezes, mas sem deixar a clareza para trás. “Opte por frases com padrões diferentes de pronúncia, assim esse exercício é melhor aproveitado”, sugere o empresário, que hoje é dono de cinco empresas diferentes;

05.   Grave sua voz: grave-se enquanto você lê um discurso qualquer. Ao terminar, ouça-o. “Essa é uma das melhores formas para identificar os principais pontos falhos da sua oratória. Preste atenção na dicção – existem algumas letras/palavras que não foram bem pronunciadas? Quais?, – na velocidade da fala, ritmo, entonação, etc.” aconselha o especialista;

06.   Na dúvida ou na insegurança, procure um bom profissional: pessoas que estudaram e trabalham com isso saberão com excelência os exercícios que devem ser feitos para que cada pessoa melhore sua dicção. “Fazemos atividades personalizadas para cada pessoa a fim de melhorar sua comunicação verbal, – e os resultados são sempre positivos, afinal, não existe perfeição, então sempre há algo que pode ser melhorado”, conclui Melo.

Serviço: Eraldo Melo

Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional

www.eraldomelo.com

eraldo@eraldomelo.com

(64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

A ligação entre a respiração correta e a boa oratória

38A sensação de falta de ar ao falar é algo comum. Existem pessoas que sentem dificuldades na hora de concluir frases devido a essa questão – e, nessas horas o problema geralmente é o mesmo: a respiração não está correta. Muito disso acontece devido à ansiedade ou estresse, que podem ser sentidos na hora de se apresentar em público e faz com que palavras e frases sejam “cortadas” ao meio para que a pessoa possa parar por alguns segundos, encher o seu pulmão de ar e voltar a falar. “Quando isso acontece é visível que algo não está certo. Quando uma pessoa está discursando ou até mesmo cantando e precisa parar em ‘horas erradas’ para respirar, existe alguma coisa que precisa ser corrigida”, comenta Eraldo Melo, empresário que já ministrou palestras motivacionais para milhares de pessoas. Além da ansiedade, nervosismo e estresse, outro problema comum que abrange essa questão é o fato de a pessoa já ter se acostumado a respirar de forma errada, seja inspirando menos ar do que poderia, seja puxando o ar pela boca. “Apesar de o ato de respirar ser algo automático para o ser humano, ele também muda de acordo com manias e com o estado psicológico da pessoa. Não é a toa que quando se está nervoso, respira-se mais pela boca. É algo que o próprio organismo faz como mecanismo de defesa, para não faltar ar – e isso prejudica na hora de fazer um bom discurso”, explica Melo. Para pessoas que sofrem com esses problemas, como sentir a sensação de ter pouco ar no pulmão na hora de falar pequenas frases ou de estar falando e ter que puxar o ar de forma brusca repetidamente a fim de aliviar a sensação de que falta oxigênio, existe uma solução: aprendizagem, prática e dedicação. O primeiro passo para melhorar a respiração é: observe o modo que você respira. Ao puxar o ar, o que enche mais, o seu abdômen ou o seu peito? “Quando o peito fica mais ‘inchado’, é sinal de que você usa mais a parte superior dos pulmões, não utilizando toda a capacidade do sistema respiratório”, esclarece o palestrante, que hoje é dono de cinco empresas no ramo de prestações de serviços. A respiração ideal acontece quando todo o pulmão é preenchido pelo ar – e, quando isso acontece, há a movimentação do diafragma, que projeta ligeiramente a barriga. “Para reaprender a respirar dessa forma, uma dica é deitar-se e passar alguns minutos tentando mexer o mínimo do peito e o máximo dos pulmões. Quanto mais fundo você respirar, mais o ar vai até o fim dos seus pulmões – e mais você vai se sentir relaxado, parecendo que estão ‘desenferrujando’ os pulmões”, sugere. O segundo passo para melhorar a respiração é: faça exercícios aeróbicos, como caminhadas e corridas leves, – isso faz com que o seu pulmão se ‘exercite’ e se expanda, abrindo mais espaço para a entrada de ar. “Da mesma forma que é importante fazer exercícios físicos para ‘manter a forma’, também é importante afastar a rigidez e falta de elasticidade do pulmão – e isso muito disso é conquistado por meio de exercícios aeróbicos”, ressalta o empreendedor, que já inspirou milhares de pessoas com suas palestras motivacionais. O terceiro passo é: lembre-se que respirar é importante. Pessoas que apenas despojam informações sem respirar no meio, chegam ao fim das frases se atropelando e comendo palavras. “Nesse caso, uma dica é ler em voz alta, já que isso ajuda na reeducação da respiração e da fala. Observe os sinais de pausa e aproveite-os para adequar a sua respiração. Treinando dessa forma, ao falar em um discurso, já estará mais adaptado às pausas e ritmo de fala”, conclui o especialista. Serviço: Eraldo Melo Empresário, Psicólogo, Escritor e Palestrante Motivacional www.eraldomelo.com eraldo@eraldomelo.com (64) 8122-5397 | (64) 9939-3435

Aplicativo permite contato com cliente de maneira barata

64Muitas vezes, para empresários, é difícil manter o contato com seus clientes, e, muitas vezes, acaba-se perdendo a oportunidade de fidelizar fregueses por pura falta de organização.

Para isso, uma nova solução de marketing está surgindo no mercado. Ela consiste em as empresas terem um aplicativo próprio, em que o pequeno empresário pode manter contato com todos os seus clientes. O aplicativo permite que as empresas enviem mensagens de forma massiva para seus clientes, equipe produtiva e associados, gerando um alto índice de relevância e impacto, tanto para manda, quanto para quem recebe. de uma forma simples e barata.

Idealizado pela agência Publicidade Popular, de Porto Alegre, o aplicativo busca estreitar o caminho entre os objetivos da empresa e os do cliente. Ele vai gerando uma boa comunicação, que envolve, relaciona e aproxima o contratante, do contratado, e garantindo um bom resultado e crescimento para o negócio.

O projeto, chamado de “Publicidade para todas empresas”, foi criado com a intenção de despertar a atenção das empresas, para que elas percebam a importância de outras formas de divulgação e contato com os clientes. A ferramenta, que pode ser usada para ações em datas comemorativas, informativos, e muito mais. Outro ponto alto do aplicativo, para o empresário, é que ele possui baixo custo, se comparado com o potencial de crescimento que apresenta para a empresa.

Serviço: Publicidade Popular

Sites: www.publicidadepopular.com.br

 www.publicidadepopular.com.br/#%21universo-popular/c3x3

E-mail: contato@publicidadepopular.com.br

Seu negócio e as redes sociais

0a0amidias-sociais1Twitter, Instagram, Linkedin, Foursquare, Facebook, etc… Você provavelmente já ouviu falar de todas elas – e deve ter conta em, no mínimo, duas delas. Esses são alguns exemplos de redes sociais opções que se tornaram extremamente presente na vida de milhões de pessoas em pouco tempo – só no ano passado o Facebook, por exemplo, aumentou 146% no total de usuários no Brasil, resultando em 54 milhões de brasileiros ativos na rede.
Por isso, não é à toa que as empresas têm dado atenção especial à internet e as redes sociais – afinal, quando se tem alguma dúvida ou se deseja encontrar alguma informação nova, produto específico, lojas perto de casa, enfim, praticamente qualquer coisa, a primeira ação a se fazer é: procurar na internet.
“Esse é um mercado muito grande a ser explorado. Junto ao crescimento do número de usuários nas redes, cresce o número de perfis e páginas de lojas, restaurantes, serviços e tudo mais o que se possa imaginar, que desejam divulgar seus produtos. Porém, algumas dessas páginas são mal direcionadas, não atingem o público alvo ou podem até gerar uma má impressão nos consumidores – e naqueles que poderiam vir a serem compradores”, explica Sergio Ricardo Rocha, mais conhecido como Dr. Vendas, palestrante e atuante em consultoria empresarial e coaching.
Para aproveitar ao máximo a internet e de suas ferramentas, existem algumas dicas que podem ser seguidas por profissionais de todas as áreas, adequando as dicas ao seu objetivo. “Primeiro de tudo, o mais importante é investir no negócio – para depois investir nas redes. Caso seja feito um site, o ideal é discutir com alguém que entenda do assunto e definir aspectos técnicos, como o layout, cores e domínio, por exemplo,” comenta Rocha. No caso de uma loja que deseja vender virtualmente, é sempre bom conferir as formas de pagamento disponíveis e a segurança. ”Esses são alguns dos itens importantes serem resolvidos. Não faz sentido anunciar um produto, se ao acessar a sua loja na internet, o cliente desanimar”, exalta.
Outro fator a ser destacado é apresentar-se ao público de forma concisa, sem ser extremamente formal. “O objetivo das redes sociais é aproximar as pessoas e permitir que elas interajam. Leve isso em consideração ao escrever a sua apresentação. Invista em descrições inteligentes e convide seus fãs a interagirem com você através de comentários, likes e shares, quando se tratar de uma página de facebook, por exemplo,“, diz o especialista.
Atenção também na língua portuguesa – não é porque a linguagem é menos formal, que você pode escrever de qualquer jeito. “Erros de concordância, ortografia e gramática diminuem a credibilidade do seu negócio e demonstram falta de cuidado e profissionalismo”, alerta. É  sempre bom evitar frases de duplo sentido e textos muito longos nas redes sociais.
Promoções são ótimos investimentos. “Ao promover suas páginas, esteja ciente de que este gasto é um investimento como qualquer outro. A tentação é achar que, como o acesso às redes é gratuito, as suas campanhas também serão – e isso é um erro”, diz Sergio.
Atinja o público certo. “Uma das maiores vantagens de estar presente nas redes sociais é a possibilidade de segmentação do público-alvo”, ressalta. Como as pessoas oferecem muitas informações sobre elas mesmas nos seus perfis, como seus gostos e vontades, você pode utilizar estes dados a seu favor, e assim conversar com pessoas que têm mais potencial em se interessar pela sua página – e, consequentemente, pelo seu serviço.
Na internet as campanhas publicitárias custam menos e trazem melhores taxas de conversão, mas, para isso, é preciso ter em mente qual é o seu público: sua idade, do que gostam, onde moram e o que fazem. Todas estas informações devem ser usadas na segmentação para uma estratégia mais certeira.
Sergio Ricardo Rocha
(21) 8114-4576
sergioricardorocha@drvendas.com.br